Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Por vezes vemos a vida ao contrário!

Por vezes vemos a vida ao contrário e alguém que até já passou por diversas vezes e para quem olhámos, sem ver realmente, acaba por nos deixar algo diferente e é aí que tudo muda.

Por vezes não é à primeira, nem sequer à segunda, que a pessoa supostamente certa, chega até nós e fica. Por vezes não vemos porque não nos apetece, porque nos dará algum trabalho e mudará a nossa visão da vida. Por vezes o interior completa todo o quadro e acabamos surpreendidos com a nossa capacidade de amar alguém que parece estar tão fora, que não terá como caber. Por vezes somos apenas parvos e decidimos perder tempo precioso, perseguindo o arco-íris e esquecendo-nos de todas as cores que estão ao alcance de um toque.

Nem sempre as rádios transmitem as músicas de que gostamos mesmo, por isso vamos sintonizando, mudando, girando os botões até que acertemos, mas quando chega aquela que nos põe de imediato a mexer, passamos a ouvir com mais atenção, a alargar o leque, a variar e a conseguir perceber que exi…
Mensagens recentes

O que é que eu te passo?

O que é que eu te passo? Mesmo que não me caiba a mim dá-la, sei o que gostaria de te passar. Para começar segurançatranquilidade, um coração a bater compassado, mas que eu soubesse movimentar de cada vez que me aproximasse. Depois desejo, sempre, a cada minuto, quando te soprasse as palavras que te mudariam os dias, de cada vez que te dissesse que te amo e acontece que amo mesmo.

Não sei exactamente o que te passo e se chego da forma certa, daquela que esperas, mas quero ser diferente de tudo, quero que te sintas completo, próximo de mim, confiando que podes confiar, e acreditando que só te quero a ti, porque nem sei como se gosta de mais do que uma pessoa de cada vez.

Acreditar é a base, depois basta ir construindo, um tijolo de cada vez, usando a colagem certa, mas podendo reabrir espaços e renovando a planta inicial. Acreditar dá-nos o que aos outros falta, sobretudo segurança, e afasta os medos inevitáveis.

O que é que eu te passo?

Eu sei que te quero passar a certeza de que estás…

Conversar TAMBÉM é bom, certo?

Claro que conversar também é bom, mas parece que ninguém o quer fazer nos dias de hoje, não quando existem coisas BEM mais interessantes. Agora estamos mais na era do "embora lá tratar disto" e para ISTO não temos que perder demasiado tempo, até porque a intenção não é manter o que quer que seja. Vale para relações de todo o tipo e prolifera à velocidade dos cogumelos selvagens, antes dos fogos, claro está.

O agora é medido com base no efeito do minuto, tudo o que sentimos e nos aparenta o outro, é que conta. A verdade. As emoções e sobretudo a realidade, bem, essa não suficientemente interessante. Se não conversamos o bastante, nunca teremos como saber dos outros, o que os move, com quem sonham, para onde pretendem ir e o que esperam da vida. Se não nos damos, não teremos como chegar até a quem nos estaria destinado. Se apenas procuramos o efémero, rapidamente consumiremos o que tanto demora a armazenar, mas que o possa explicaria, teria que me explicar e parece que ningué…

O que sentir pelos que não sentem?

Como entender quem não sabe o que fazer, nem como, para se dar, tendo o que todos parecemos procurar? O que sentir pelos que não sentem, passando-lhes alguma forma de humanidade para que sejam mais do que vegetais sem qualquer cor?

Não vamos ser capazes de salvar todos. Não temos como lhes passar algum sentido, quando eles mesmos falham ver o óbvio. Não podemos mudar quem não se muda, porque não sabe como nem de decide a fazê-lo. Não adianta adiantarmo-nos à vida, porque apenas ela lhes poderá dar mais do mesmo.

Olhares mornos, sem vida. Sorrisos que não soltam qualquer esgar ou som. Toques que já não chegam a ninguém e que por isso mesmo não querem ser tocados.

O que sentir pelos que não sentem? Como dar-lhes alguma réstia de esperança se nunca souberam o que significa esperar pelo que até chegaria se o conseguirem desejar? Que poção mágica usar para que acordem ainda nesta vida?

O que sentir pelos que não sentem? Não te adianta saber, faz por ti o que te afastar de quem já te virou a…

Diz-me tudo, mas na cara!

Eu sou de outros tempos, e mesmo que me adapte perfeitamente a este onde estou agora, não gosto deste novo modelo, da falta do olho no olho, da facilidade com que se julga o outro virtualmente, fragilizando-o o bastante para que não tenha como se defender, porque uma vez no ciber espaço, nunca de lá sairá!

Diz-me tudo, mas na cara. Ah pois, mas não consegues certo?

O agora é basicamente isto. Ninguém quer ou procura confrontos directos, porque perceber que do outro lado das palavras "moram" pessoas reais, inibe e faz pensar duas vezes, algo que não se pratica. É tudo fast food e fast thinking.

Se não gostaste da minha observação, diz-me tudo, mas na cara. Se te fiz sofrer ou se não fui capaz de estar à altura das tuas expectativas, diz-me tudo, mas na cara. Se queres terminara relação, porque eu não te preencho,não o grites aos sete ventos no facebook, diz-me tudo, mas na cara. Ok, estou a pedir demasiado, já ninguém tem como voltar atrás no tempo e recuperar o melhor do hom…

Até podes ser tu...

Até podes ser tu, não o sei ainda, ninguém sabe de imediato estas coisas, mas existirão sempre almas boas que chegam para nos livrar do pecado, das mágoas e de casos mal resolvidos!

Por vezes há que aceitar que precisamos da ajuda de terceiros, do seu distanciamento e discernimento, do seu ar novo, para nos limparem o nosso e para nos provarem que é possível reter amores antigos, mas aceitando os novos.

Continuo a gostar de avaliar. Continuo a querer que a pele se erice e que os sentidos me falem, para depois saber que estou capaz de recomeçar a viagem. Desta vez vai ser menos atribulada, já sei como e o que fazer, que perguntas colocar de chofre, como te fiz hoje, não dando margem para qualquer manobra de diversão. O foco tem que ser óbvio, as vontades comuns, e a percepção de tempo bem definida, afinal de contas já não somos miúdos, e desta vez, ou sei que quem escolhi está pronto, ou nem sequer lhe vou permitir que me ocupe o espaço. Eu já sei de que lado da cama fico, como acordo …

Encontrar a nossa voz!

Precisamos todos, sem excepção, de saber quem somos, o que fazemos aqui e para onde vamos. Precisamos de encontrar a nossa voz, a que nos assegura de que estamos no caminho certo e que conseguimos superar cada obstáculo, mesmo os mais duros e imprevisíveis. Precisamos de entender sobre o que falam os outros, de cada vez que usam "palavras" que não estão no nosso vocabulário.

Olhar em volta e reconhecer cada objecto, o que carrega, de onde veio e porque ainda se mantém connosco, trás-nos uma tranquilidade e segurança que vão muito para além do que se pode dizer ou explicar. Quando nos conhecemos, cada movimento parece estar a ser repetido de forma sincronizada e até as expressões que usamos com o que nos chega, é-nos familiar.

Encontrar a nossa voz deixa-nos saber como e do que rir quando estamos apenas nós, em momentos que mais ninguém partilha. Encontrar a nossa voz impede-nos de repetir erros, mesmo que aleguemos que pode ser diferente desta vez. Encontrar a nossa voz segu…