29.7.12

My Love On Top 2!


Feelme/My Love On Top 2!Tema:Contos!
Imagem retirada da internet

De repente tenho-o em frente a mim, estamos ambos incrédulos, quietos, de olhar aberto e assustados, eu sei que fiquei. O que lhe digo agora? Quem vai falar primeiro? Acabamos a tocar-nos. A minha mão está no seu peito e sobe de mansinho e com cuidado. Consigo ouvir o seu respirar acelerado, a minha garganta tem um nó e nenhum som arrisca soltar-se. Os seus olhos estão com um brilho diferente, estão ausentes e doridos.

Deixámos de ver as pessoas que passam apressadas, de repente já nem vultos são. Ficámos apenas nós os dois e já sinto os seus lábios que comprimem os meus e que me devolvem um fogo que já não me recordava sentir. O meu corpo está totalmente colado ao seu, as suas mãos rodeiam-me a cintura, sinto-me quase que no ar, sou de novo a mulher a quem tanto deu e a quem, apenas num segundo, enquanto a chuva que eu amava caía copiosa, me roubou metade da vida. Bastou um dia e o meu mundo nunca mais foi igual…

- Continuas linda.

Já não me contenho mais, as lágrimas rolam soltas, ansiosas por me libertarem do aperto que me comprime o coração, a alma e toda a minha existência.

- Estás como te recordava, não mudaste - Toco-lhe a face bem barbeada e a covinha no queixo. Tenho tantas coisas para lhe perguntar. Por onde andou. Se foi a ele que senti todas as noites, beijando-me a testa e os lábios e tranquilizando-me de mais um dia difícil. Se esteve lá nas noites em que chorei até julgar que morreria de dor. Nas noites em que debaixo do duche deixava que a água me lavasse a alma rasgada.

Estou no seu colo, arrancou-me do chão e eu aninhei-me na sua força. Fui-lhe beijando as orelhas, a nuca, senti-me viva, livre, respirei bem fundo e senti-me voltar a mim, a ser eu de novo. Eu comigo dentro. Se for um sonho, juro que não voltarei a acordar! 

26.7.12

Heeeeelp!


Com o verão tudo se adensa, até a vontade, já para mim sempre crescente, de ter contato físico, de derramar e de jorrar a minha sexualidade e sensualidade. Chega a ser doloroso conter-me, não procurar, não ter. A questão maior passa pelo, e quem? Sim, digam-me, onde vou eu desencantar alguém, que esteja na mesma sintonia física e apenas física, sim porque isto de estar só, sem companheiro, tem revezes. Agora estou a ouvir-vos gritar que todos os homens querem e desejam situações dessas, que basta eu pedir, yeah right! O problema é o que vem depois. Eles andam cada dia mais “mulheres”, não aceitam que queiramos exatamente o mesmo, que apenas procuremos satisfação física sem compromisso. Caramba, uma mulher precisa e quando não tem, lá chegam os armazenamentos de chocolate que tanto descompensam a linha e trazem satisfação tão efémera.

Nem sequer arrisco confidenciar há quanto tempo não sinto um corpo quente, um abraço poderoso, beijos apaixonados, roçar de lábios que seja, as mãos na espinha, sussurros nos ouvidos, olhares de cumplicidade… iiiiiih!! Até dói pensar e não tarda, ando a correr pela estrada em desespero a gritar, I NEED A MAN, FOR GOODNESS SAKE!

25.7.12

Uma Mulher e doze homens!!



Feelme/Uma Mulher e doze Homens!


Tem sido uma experiência enriquecedora a todos os níveis. Estou nesta empresa há poucos meses, num cargo que por vezes me parece maior do que a minha capacidade e força. Há dias em que me acobardo, mesmo sem mostrar, e julgo que jamais estarei lá, no pico do profissionalismo que me é exigido, eu e a minha mania de ser perfeita, mas na verdade terei que ir com mais calma, assimilar tudo, aceitar incapacidades momentâneas e melhorar, melhorar!

Hoje tivemos um barbecue que fazem questão de organizar periodicamente, fomentando as relações, e adorei a sensação de os conhecer a todos um pouco melhor. Foram gargalhadas soltas com histórias mirabolantes, e o interessante é que em momento algum me senti tratada diferente ou com cuidado especial por ser a única mulher. Fiz parte do grupo e fui aceite. Têm-me visto como mais um elemento e acreditem é uma sensação fantástica, não sinto necessidade de me mostrar melhor ou mais, basta-me ser eu e tudo fica pacífico.

Sentei-me e vi-os organizar tudo. Comi tranquila e ouvi mais do que falei, soube-me bem a barulheira , o bater de garrafas e até bebi uma cerveja traçada com seven up. Não me apressei a regressar a casa, usufruí. Ok, no final ainda lavei qualquer coisita e organizei o refeitório, mas pouco mais do que isso. Eles estão bem habituados a serem os homens da casa!

Que sensação de conquista!!




Eu viro-me reviro, chego a duvidar se o que faço e como faço está certo, mas quando vejo os resultados, surpreendo-me e encho-me de orgulho. Os meus meninos, alunos e alunas, passaram no exame externo da Universidade de Cambridge. Ufaaa!! Um ano inteiro de luta, para além de todos os outros em que os fui "massacrando", exigindo, aconselhando, mas sempre por perto, presente, preocupada, genuinamente preocupada e agora feliz com o que conseguimos todos.

Não queiram imaginar os tremores, o stress e no final os gritos de satisfação enquanto via os resultados na net. Que bom, faz tudo valer muiiiiiiito a pena!

Para o próximo lá irão mais, os percursos agigantam-se, não param, eles crescem e espero, sigam os caminhos em direcção ao sucesso. Eu vou ajudando o melhor que sei e posso!

23.7.12

A escrita e eu...


Interessante a forma como agora vejo a escrita, antigamente escrevia algumas coisas, mas o grosso, o mais importante ficava na minha cabeça, a martelar-me, a pedir e a gritar que pusesse em papel tudo o que o meu interior guardava. Agora já não passo sem escrever, vejo a minha escrita como uma necessidade muito idêntica ao respirar e ao estar vivo! Os meus dedos deslizam rápido, por vezes à velocidade do pensamento e a sensação é maravilhosa, incrível, amazing, a de conseguir que nos vejam e saibam por palavras.

Agora não me imagino sem esta rotina que por vezes me atormenta e apenas porque não tenho capacidade de escrever tudo o que me vai dentro. Quando completo o “quadro”, quando publico os meus sons, as minhas cores, a minha visão do mundo, fico mais tranquila, tudo se encaixa e passa a fazer sentido.

Tenho noites quase em claro, em que sinto histórias que me matraqueiam, que querem tomar forma, ganhar vida. Não me tenho levantado para as escrever porque me encontro fisicamente exausta, mas elas, as palavras, não desistem e só se tranquilizam quando já estão no meu mundo e no vosso, sim, porque tudo o que faço tem como destino quem me lê e a esses, a vocês todos, obrigada, muito obrigada. Eu, por mim, tudo farei para que os vossos dias sejam um pouco mais preenchidos, sem falsas modéstias. Vou continuar a tentar colori-los a dar-lhes algum picante, muito sonho e sensações que espero mexam convosco, sempre!

22.7.12

Já pus na lista!

Feelme/Já pus na lista!



Tem sido exactamente assim. Já pus na lista! A vida não espera, como vocês tão bem devem saber, e por consequência pus na minha lista as coisas que pretendo fazer e que prazer me dá riscar as que vou completando. No entanto, e porque sou uma "insaciável", ela parece continuar imensa, nã sei se serei demasiado ambiciosa, o que sei é que quero e quero e vou conseguir. No matter how long it takes!

Quero cuidar da minha satisfação pessoal e profissional, ver projectos a nascerem e a florescerem. Nós, as mulheres, temos uma enorme capacidade de fazer acontecer, de conjugar tarefas e de estar em diversas frentes. CHEGA DE ADIAR!

Sei o que quero, do que sou capaz, e o que ainda não souber vou aprender. Pronto!

Acabo mais rica, mais dinânima, mais de mim com tudo e com todos. É uma sensação única a de conquista, o de chegar lá, ao topo da nossa vontade. Experimentem!

21.7.12

I have a P.T.





Rendi-me ao mundo dos personnal trainers e estou a adorar, o Artur é fantástico e jukgo que com tanto "espremer" perdi um milhão de calorias. As famosas abdominais que tanto me custam até pareceram fáceis. Demos umas corridas pela cidade e bem que pude ver olhares gulosos e invejosos do mulherio, é que o rapazito é um pão. Tonificado, grande, com um bronze e um sorriso aberto que faz cair os pombos na calçada.

Dá-me instruções precisas, não aceita recusas nem esmorecimentos, mas sabe exactamente o que o meu corpo aguenta e precisa. Começá-mos com dois dias por semana, mas hoje sábado voltámos à carga, logo pela fresquinha. Foi bom sentir que não estou totalmente fora de forma e que ainda consigo dar ordens ao meu corpo, porque ele cumpre e acompanha.

Não virei dondoca, mas decidi que cuidar de mim é uma prioridade e que todos irão beneficiar de me sentir bem por dentro e por fora. Convenhamos, ainda estou pelas curvas e não vá o príncipe aparecer de repente e eu não estar à altura. Eheheheheh!!

Hot inside!


Conhecemo-nos através de amigos comuns, mas nem sequer simpatizámos de imediato um com o outro, achei-te demasiado calado e tu a mim demasiado segura. Quase não trocámos palavras nos primeiros dois encontros, mas olhávamo-nos com alguma curiosidade e começámos a acertar conversas. Tínhamos afinal muito em comum, éramos leitores compulsivos e admirávamos as palavras bem colocadas. Passaste a ser o meu analista literário, a pessoa a quem deixava, pela primeira vez e sem qualquer incómodo, ler o que escrevia até mesmo antes do meu agente.

Passámos um fim-de-semana só os dois, teimaste em acompanhar-me mesmo tendo-te dito que seriam dias de recolhimento. Tinha o livro para terminar e o frio que se fazia sentir naqueles dias de Dezembro levaram-me à minha casinha de eleição. Ficava em Manteigas, era de pedra, com uma lareira giganorme que aquecia do inverno, me revigorava, e me enchia dos sons do meu mundo. Sou uma solitária quando escrevo, preciso de silêncios ensurdecedores, de pequenos nadas que fazem o percurso da minha vida. Foi decorada por mim com tudo o que me permite ser eu mesma e tem uma áurea de criatividade, de misticismo, uma outra face obscura de mim.

Por vezes fazia intervalos, levantava a cabeça do teclado e vinha acarinhar-te, comíamos juntos, bebíamos o nosso vinho e dávamos beijos apaixonados, cúmplices, de quem se conhece há muitas vidas. Enrolados em mantas que eu mesma fizera com pedaços de tecidos de Cuba, do Ceilão e de muitos outros destinos onde me revi e encontrei, sem roupa, apenas com corpos sedentos que íamos alimentando num amor físico e emocional que jamais julgara possível.

Não sei como vamos ficar, não fazemos planos, não queremos assustar o destino, forçá-lo a nada. Por ora só queremos o tempo que nos couber e com ele multiplicar sensações, descobertas. Sabes-me bem, fazes-me bem…

19.7.12

One night!





O fulgor da juventude fez-me querer tudo demasiado depressa, não as experiências, mas a independência, o soltar de amarras. Achava-me demasiado crescida já para depender de quem quer que fosse. Queria as minhas coisas, conseguidas por mim e acabei a cancelar a matrícula no curso de Relações Internacionais. Comecei a trabalhar durante o dia num escritório de advogados e durante a noite num bar no qual atendia ao balcão.

A minha personalidade alterava-se completamente neste período do dia. Ficava mais mulher, mais apetecível ao olhar de todos os homens que com o passar do tempo, eu percebia que era por mim que procuravam e que era por mim que voltavam uma e outra noite. O acordo era que eu não saísse de trás do balcão e que não aceitasse bebidas de ninguém, mas era-me sempre permitido dançar um pouco. A música apoderava-se do meu corpo, eu deixava de ver os outros e tornava-me mais sensual, mais vibrante, mais quente... Julgo que não teria noção do meu poder, de como conseguiria o que quer que fosse de um homem, até que muitos começaram a pedir-me que os aceitasse, que os acompanhasse. Ofereciam-me joias, mandavam-me flores. Ria-me e desdenhava, fui aproveitando e brincando com tudo e todos até ao dia, ou melhor a noite, em que o vi entrar. Alto, de botas de montar, estilo cavaleiro, cabelo grande, olhos verdes profundos, mãos fortes e decididas com as quais apertou as minhas.

- És mais bonita do que me falaram e vim apenas para te ver.

- Começaste bem, obrigada, o que vais querer?

- A ti, esta noite vou-te ter, vais ser minha, vou-te raptar.

Não o levei a sério, sorri altiva, mas a verdade é que acabei a noite num jipe, ao lado de um desconhecido que me fazia rir, que me dizia tudo o que sentia e pensava, que achava ter tudo ao alcance e que não aceitava um não como resposta. Não me importei sequer em saber para onde me levava, estava totalmente segura e tranquila e sabia exatamente o que se iria passar, sabia-o e desejava-o. Conseguia imaginar-me tocada por aquele homem, conseguia pela primeira vez achar tudo natural, sentia-me na hora e locais certos. Era virgem por convicção e sem qualquer experiência anterior, sem qualquer rasgo do que seria estar nos braços de um homem e satisfazê-lo, mas sentia-me pronta, parecia saber exatamente o que fazer, como o conduzir, como o enlouquecer.

O que senti foi um misto de dor, de loucura. Um nunca mais acabar de prazer. Ele virava-me, torcia-me, possuía-me, e eu sentia-me como que a rasgar por dentro, mas era bom, era o meu corpo a pedir e a querer mais. Estava sôfrega, não me saciava, parecia e sentia-me uma veterana, mas na verdade era apenas a sintonia entre duas pessoas que pareciam reconhecer-se. Prometi-me mentalmente não pensar que apenas tinha vinte e um anos e que não sabia nem conhecia nada dos homens. Prometi-me prazer, libertação, fui livre, feliz, senti-me completa, mulher. Descobri-me e gostei do que soube ser a nova mulher, a nova eu!

18.7.12

Que calor!!!

Feelme/Que calor!!!

Que noite quenteeeeee! Saímos ontem em direcção à propriedade e os filhotes tomaram banho até quase à meia-noite. Eu fiquei lânguida por ali, a fazer festas aos cães e a baloiçar-me na cadeira. Engraçado que já não olhava para tudo aquilo, a casa e o terreno, como meu, desde a separação, mas gostamos todos tanto de lá estar, da forma como projectámos tudo, do espaço, do verde, do tanque que nos permite banhocas em família, tipo jacuzzi. Felizmente que este não está sujeito às taxas do nosso governo comilão e ávido de repor tudo aquilo que nos vem “roubando” ao longo destes anos todos. Se fosse uma piscina, lá estávamos nós a pagar com a demonstração exterior de riqueza.
Dei comigo a fazer planos de design para o jardim, a visualizar o terreno que mandámos limpar, onde plantar novas árvores de frutos e canteiros de flores azuis. Ando feita piegas e só me apetece sentir-me confortável, segura, nos cantos e recantos que reconheço.
Prontos, se aparecer um comprador, como desejámos anteriormente, fine, se não e até lá, vamos usufruindo e retirando prazeres. Nós e as crianças!

17.7.12

Dias!

Feelme/Dias!

Está cada dia mais fácil aprender a não ter pressa, a ser menos mulher, menos stressada, a querer tudo para ontem. Vou ouvindo aqui e ali, pessoas que dizem, sobretudo após terem apanhado grandes sustos, que não adianta querer muito para a frente. Deve-se sim viver um dia de cada vez, com a maior intensidade possível. Eu sei que não é fácil, mas se parássemos só que fosse uns minutitos por dia a contemplar o que nos rodeia, certamente descobriríamos muita coisa nova, bonita e veríamos como somos seres afortunados e como as coisas mais simples, são as que mais nos preenchem e até não custam caro.

Nestas férias escolares, em que tenho os filhotes em casa mais tempo, dou comigo a olhá-los, a vê-los como são cada um, tão diferentes, tão únicos, extensões de nós, em crescimento, a desbravarem o mundo a tornarem-se gente mais crescida. Sabe-me bem ficar quieta, sem lhes exigir ordem, limpeza, sonos em dia, usufruindo de os ter, saudáveis, perto, comigo!

Lá para Setembro voltará a inevitável correria, mas já terei enchido o coração e a alma de tudo o que considero ser importante na minha vida, nos meus dias. Sinto-me crescer, agigantar, fortalecer. Gosto cada dia mais de mim e do que me vou tornando. Sou mais eu!

15.7.12

Healthy Day!


Ontem foi dia de “jardim”. Foi uma terapia saudável, mas que me fez doer o corpo e hoje parece que fui atropelada por um comboio. Todos nós deveríamos ter um pedaço de terra para cuidar, para embelezar. Movi as pedras de lugar, cuidei das plantas, fizemos bolo, eu e os filhotes mais novos, e sempre sobre o olhar guloso e atento dos nossos dois companheiros de quatro patas. A vida no campo tem coisas maravilhosas, não apenas o ar, mas a sensação de pertença, de que conseguimos produzir, fazer crescer. A terra nas mãos transporta-nos para as origens, onde éramos nós e a terra.

Senti-me mais mulher, foquei-me nos que nos pode verdadeiramente fazer felizes, que é pôr as mãos na massa, fazermos nós mesmos. Consegui visualizar para além do que já está e em breve tenciono fazer muito mais. “Terra é terra”, já dizia alguém em tempos. Afinal a vida não é apenas negócios, correrias, compras, gadgets. Existem outras sensações igualmente ou mais poderosas que nos preenchem. Enquanto pintei, cultivei, adornei, só pensei naquele lugar e em como o tornar acolhedor e agradável para todos nós. Foi melhor que uma ida ao analista. Que paz!!

Este é para ti!


Resultado de imagem para couple making love
Feelme/Este é para ti!Tema:Contos!
Imagem retirada da internet



Foi um encontro de fugida, cheio de pressa das coisas que sempre temos para fazer, mas sobretudo de pressa de nos largarmos depois de nos termos. Temos ambos medo que se prolongue demasiado até que nos queiramos mais do que devemos, do que sabemos possível.

Que abraço bom, não nos conseguíamos largar. Senti-me pequenina, protegida. Passo metade da minha vida a ser forte, a saber de tudo, de todos, mas também eu preciso se mimo e de cuidado. Quando nos beijámos o tempo parou, tudo o resto deixou de importar, de estar na outra parte das nossas vidas.

Foi tudo de fugida, mas o amor que fizemos pareceu correr em câmara lenta. Sabemos bem demais onde e como tudo se encaixa, os arrepios que conseguimos provocar, como despertar sensações que os nossos corpos precisam. As tuas mãos percorreram-me uma vez mais, deixei-te sentir-me e desta vez também eu te procurei, toquei-te sôfrega, caramba como estava a precisar de ti, de um corpo quente que me provasse que existo para além da mulher que se controla, que continuo a produzir e a ter prazer. Estiveste dentro de mim, todo, tu, comigo, eu sei e tu sabes!

Estremeci duas longas e incríveis vezes, saciaste o meu corpo, fizeste-o dar tudo o que só uma mulher pode e sabe. Onde andaste tu a minha vida toda?


13.7.12

Obrigada!





Ligaste-me e eu incrédula, respondi com um olá sumido. A minha cabeça ficou a mil, o que te levaria a sequer quereres falar comigo? Porquê hoje? Juro que não te entendo, eu sei que pedi um homem resolvido, que não andasse atrás do meu “rabo”, que não fosse carente, que não cobrasse ligações ou encontros, mas pronto, vai que o Universo me ouviu e acrescentou mais qualquer coisinha. Deu-me um homem que viaja pelo mundo, que trabalha tanto ou mais do que eu, que é resolvido o suficiente para não necessitar que a vida gire em torno de mim. E eu gosto? NÂOOO!

Sou mulher, acabo a querer tudo à minha medida, da minha maneira, e vai que nem sempre pode ser assim.

- Ainda estás vivo?

- Vivo e cheio de vontade de ti. Queres vir ter comigo à nossa pousada?

Fiquei com uma enorme vontade de gritar que não, que não podia, que agora não me dava jeito, mas…

- Sim claro, agora?

- Já.

E o que tivemos nós? Mais do mesmo, muito amor, beijos que não acabavam nunca, carinhos e meiguices e palavras que me fazem sonhar, acreditar que um dia partilharei mais do que pedacinhos do seu tempo e vontade, mas escolhi abstrair-me de tudo, do mundo, dos meus medos e apenas usufruir, gozar. Gozar muito, porque fazer amor com este homem é muito mais do que consigo pôr em palavras. Quando o tenho sou muito melhor, mais forte, mais bonita, mais completa. Adoro o que faz comigo e como me deixa mais mulher. Só ainda não arranjei coragem para lhe dizer como e quanto o amo, não me quero mostrar frágil, deixar que perceba que preciso que me queira e esteja na minha vida. Tenho medo de o assustar e encolho-me nos seus braços a agradecer quem quer que mande lá em cima, por mo ter enviado. Obrigada!

12.7.12

What a view!






Quem é que não gostaria de morar numa casa com vista deslumbrante para o mar ou para o rio? Me, me… oh se gostava! Estivemos a visitar uma, por sinal deslumbrante, que alugam ao fim-de-semana ou ao mês. Que dias relaxantes se deveriam conseguir. Até mesmo eu que não gosto de estar parada iria adorar.

Já fui mulher de ligar mais à casa, de querer tudo no sítio, de sonhar com isto ou com aquilo. Hoje, desejo mais um espaço que me encante, vistas maravilhosas, que nos permitem relaxar de semanas de intensidade alucinante. Decorações campestres, muita pedra e madeira, cheiro de chá preto com aromas, uns bolinhos secos com sabor a café, ou a mirtilho. Aiiii a linha…

Fomos as três mulheres de sempre, da vida airada, mas não a alugamos, não ainda, no entanto, vamos querer lá passar 2 ou 3 dias com os filhotes, tomar muitas banhocas na enorme piscina e no rio. Fazer grelhados e dar muitas risadas. Está combinadíssimo!

4.7.12

Ver-te!

Dragonfly on the Stick Near Spider Web
Feelme/Ver-te!Tema:Contos!
Imagem retirada da internet

Estou a olhar a tua foto e não consigo deixar de sorrir e de sentir uma vontade imensa de te tocar. A minha mão passa no ecrã, enquanto por mim vão passando lembranças, sons, pequenos nadas que fizeram da nossa relação algo que repetiria uma e outra vez. O TEMPO CURA TUDO! Que treta, nunca ouvi nada menos verdadeiro, curará dores de cabeça e muitas outras, mas não cura desamores, não afasta vontades, não diminui o fluido de sangue que nos continuará a correr sempre que essa pessoa cruzar de novo as nossas vidas...Na verdade nem sei se pretendo ser curada, pelo menos sei que estou viva, que já te tive e que algures no espaço e no tempo, existirá uma probabilidade,  mesmo que pequena, mas o certo é que existe, de nos cruzarmos, outra vez, de retomarmos de onde parámos e aí então estarei pronta para tudo o que conseguir tirar de ti.

Já não me incomoda admitir que te quero mais do que achei possível e que deixaste uma tatuagem na minha pele que me fará recordar-te de cada vez que a olhar. Já não me sinto nem considero piegas por deixar cair lágrimas misturadas num misto de felicidade e de lamentos, estes últimos são sobretudo do que deixei de fazer e de dizer. Ainda não te perdi porque nós tivemos magia, muita cumplicidade, muito desejo, tivemos tudo à velocidade de cruzeiro e agora preciso de ti mais serena, mais devagar, numa junção de corpos que se amam sem pressas. Vou querer um abraço daqueles que não se soltam, vou querer cheirar-te, beijar-te de mansinho, e desta vez não deixarei que me deixes.

Olha o que despertou uma foto pequenina de ti, que livres são as memórias e como correm depressa quando são boas, quando nos preenchem a vida. Já soltei milhões de palavras sobre ti, sobre o que  me fazes sentir, mas continuo a ter milhões de outras que não se esgotam, e apenas porque sentir assim é bom. Decidi que sentimentos destes são de ouro e quero muitos mais, quero tudo a que tenho direito.

Quero ver-te, preciso de ti, mais uma e outra vez. Sinto-o bem dentro de mim e espero-o tranquila e serena. Espero-te!

1.7.12

My Man!



Há dias como o de hoje, em que acordo a pensar como e quando aparecerá alguém na minha vida que mude tudo. Faço-me de forte, foco-me na minha profissão, nos meus livros, nas palavras que completam o meu Universo, mas não posso deixar de sentir falta de ti, quem quer que venhas a ser. Preciso, quero, anseio por ser amada outra vez, por alguém que faça as horas correrem mais depressa, de alguém cujo sorriso ilumine a minha existência. Preciso de acreditar que estás por aí algures, e sobretudo que te vou encontrar. A vida é feita de percursos e eu já percorri muitos, atingi muitas metas, cobri várias etapas, mas preciso de aceitar que sozinha, jamais serei totalmente feliz. 

Quero encontrar-te, tropeçar em ti, olhar-te e saber que és quem desejo!

Ainda não estou na fase do “invejar” as relações das minhas amigas, mas também já faltou mais! Acabei a aceitar sair com o Artur e…oh que desilusão, e que desespero sentir que sou uma desesperada, passo a redundância. Que homem bonito, alto, bem tonificado, de olho verde água, mas e passados trinta longos minutos, já sabia. “Deus me acuda e valha que não vou aguentar toda a noite nisto”. Há quem necessite de trabalhar o ego, mas para baixo. Gabou-se, encheu o peito de considerações acerca das suas capacidades, do nível profissional, das viagens, blá blá blá. E eis que tropeça e cai em cheio no chão, logo que me anuncia que as mulheres têm que ser protegidas, cuidadas, que são seres sensíveis. Pronto, não aguento mais e levanto-me brusca.

- Meu querido, adorei este bocadinho, mas não me apetece essa conversa de macho resolvido.

Ficou a olhar-me espantado e eu saí à velocidade de cruzeiro, faltava-me o ar, sentia-me ridícula, envergonhada, certamente que não iria entrar nesta espiral de quase blind dates, pelo amor da santa, ninguém merece.

- E estás à espera que o dito cujo te caia no colo? Certamente que o tal andará por aí, mas dá ao Universo a possibilidade de to mostrar.

- Minha querida amiga Ana, não sei se tenho estrutura emocional para isto, Deus sabe o quanto necessito de não me deitar a acordar molhada, cheia de vontade de ter alguém dentro de mim que me sacie, que me faça gemer, que me morda, beije…

- Uou mulher, calma, olha que também eu ando carente. Não abuses.

A gargalhada aliviou o desespero e uma vez mais adiei a estratégia, não sei muito bem como a definir, onde procurar, como fazer. Sei apenas que quero e preciso. Eu já sabia que estar só, sem companheiro, não era fácil, mas assim? Quem sabe um dia destes não estarei a contar boas novidades, quem sabe não terei a outra metade do meu tempo e vida mais preenchida, e não passarei a rir com gargalhadas verdadeiras. Por ora sei apenas que me fazes falta, que te sinto a presença, mas ainda não te vejo. Um dia tu entrarás na minha vida pela porta principal e eu saberei que és tu!