Avançar para o conteúdo principal

Não deu certo... lamento...


Conheci o Jack ainda na escola primária, as nossas mães eram como irmãs, faziam as mesmas coisas, gostavam de tudo o que agradava à outra, e nós crescemos a gostarmos de nos sabermos felizes!

Acabámos obviamente namorados, nem nos afastámos quando frequentámos universidades diferentes, o nosso namoro era inabalável.

A minha paixão pela escrita de investigação, levou-me a trabalhar numa grande revista, e os meus dias e noites passavam-se à volta do que mais gostava de fazer. Havia tanto para aprender e dominar, eu mal dormia com tanta adrenalina.

Infelizmente, e nesse único aspecto, éramos o oposto um do outro. O Jack queria apenas e só um emprego das 9 às 5, que lhe permitisse jogar squash com os amigos, refastelar-se na esplanada de um bar, onde todos juntos riam das anedotas gastas e admiravam as pernas das miúdas.

Inevitavelmente, as coisas não correram bem, começou a cobrar-me as longas horas que eu devotava à profissão, a ressentir-se do meu desejo, segundo ele "absurdo" de ter e ser muito mais. O apartamento que partilhávamos passou a ser demasiado pequeno para mim, começou a sufocar-me. Não conseguia ter um espaço para a minha outra paixão que é a fotografia, e ver as caixas que ainda se amontoavam à procura a de serem arrumadas enlouquecia-me. Nada daquilo era eu, ou o que desejara para mim.

Estou a olhar pela enorme janela do meu novo lar. Tenho tudo o que desejei, mas o Jack já não está comigo. A vida é feita de testes constantes, e as pessoas que amamos nem sempre estão do nosso lado, para o bem e para o mal. Eu sei que ainda o vou amar por muito tempo, mas decidi que não poderia desistir de mim, que teria que me sentir completa e inteira para fazer os outros felizes.

Passei a aceitar as viagens constantes, sou a mais requisitada na redacção, tenho o meu estúdio em casa, onde as fotos, as que tanto vão representando cada passo novo, já não estão em caixas.

Prometi que o meu interior conta mais, e que não vou desistir de procurar alguém que me acompanhe sempre, que tenha o meu ritmo, que partilhe os meus desejos e sonhos, que se regozije com os meus triunfos. Até lá...

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…