Avançar para o conteúdo principal

De mim sei eu!

Feelme/De mim sei eu! Etiquetas: Me!
Imagem retirada da internet

O que sei de mim, a forma como entendo e aceito cada passo que dou, ajuda-me a ultrapassar algumas dores!

Neste momento sinto um cansaço emocional GIGANTE e um descrédito em relação aos outros. Já percebi que existem incapacidades, dores e sofrimentos que as irão acompanhar sempre e impedi-las de recomeçarem, mas é triste.

Não sei quem as magoou, porque o permitiram e como conseguem apenas respirar, sem sentir os cheiros, sem antecipar que tudo pode melhorar, que na esquina das suas vidas poderá estar quem as amará, sem reservas, sem cobranças, alguém que não precisará de nada mais a não ser que as amem também.

Aprender a andar vem sempre com algumas quedas, umas irão deixar cicatrizes, feridas abertas, outras servirão para nos ensinar, alguma coisa, não sei muito bem o quê, talvez a apertar as defesas, a endurecer e a escolher melhor os caminhos.

O que sei de mim agora, é que não posso aceitar quem não me aceita. Não posso entender quem não me entende e certamente que não terei forma de continuar amar quem nunca me amou. O que sei de mim é que só desisto se me pedirem, e nem tem que ser com muito jeitinho, basta que me digam o que preciso de ouvir, e eu saio, a toda a velocidade na direcção contrária. O que eu sei de mim, cada vez mais, é que não preciso de magoar para me restaurar e que devo ser eu mesma a sarar-me. O correcto, em qualquer momento da vida, é nunca nos aproximarmos de alguém se não soubermos o que queremos. O que sei de mim é que terei que parar de classificar os outros pela minha tabela, porque na verdade existem pessoas demasiado pequenas, mas suficiente más para me derrubarem...


Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta