11.2.15

Não eras tu!



Eu tentei, juro que sim, e até que corria bem, mas lembrei-me de ti, do teu cheiro e não consegui, até o mais ínfimo pedaço de mim se arrepiou e soube que não seria capaz!

A música era suave, estava a ser bem cuidada, para que me soltasse e parasse de pensar no mundo lá fora, mas bastou uma palavra, igual à tua, ao que me chamavas de forma carinhosa, para que eu gelasse e fugisse, de mim, do que senti tão dentro que me assustou.

Não estou pronta e vai demorar, já o percebemos todos, mas estou a ser afortunada, afinal até tenho quem me olha e deseja, consigo sentir o calor de quem espera receber o que acredita ter eu para dar, não tenho do que reclamar, não posso.

Nunca mais serás tu. e um dia deixará de importar, porque deixarás de cruzar o meu pensamento, os cheiros não voltarão a ser familiares, o teu nome sairá de mim e as palavras já não te trarão junto.

Hoje não consegui, mas pelo menos voltei a sentir-me e a saber que estou viva!