Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2015

É aqui e agora...

Escuta-me, menina bonita, porque mesmo não te tendo visto, não ainda, sei de quem já te gosta, se identifica e deseja ser desejado de volta. Amar é o que podes fazer de melhor, por ti e por quem te irá oferecer as sensações que agora, e por ora, apenas povoam os teus sonhos, por isso vais ter que parar de te esconder, de teres medo até da sombra e de procurares o que sempre desejaste. Podes, tal como todos os outros comuns mortais, almejar uma felicidade que passe até por coisas pequenas, e não permitas que ninguém te convença do contrário.

Queres que te diga como podes medir as atitudes, de que forma poderás perceber se o que te fazem está certo ou errado? Simples, se te deixa feliz e te permite crescer como pessoa e mulher, então está certo, de contrário...

Nós teremos, supostamente, várias vidas, mas não nos iremos recordar de nenhuma que já tenha passado, assim sendo, e partindo do princípio que apenas nesta terás a possibilidade de chegar lá, onde podes ter o que sonhas, a cada …

Não posso ficar!

Fui sempre pensando no que faria se te reencontrasse, se pudesse, uma vez mais, dizer-te tudo o que se me ficou engasgado, o que a vida, na sua correria diária, me impediu, mas eis que estás bem de frente a mim e não me apetece perguntar nada, apenas olhar-te e perceber, sózinha, o que foi que me marcou em ti...

Estás indefeso, não sabes o que esperar, talvez porque esperes tudo, sobretudo que eu me zangue, que se me atire a ti, magoada, desesperada pelo afastamento a que nos votaste a ambos, mas vais certamente continuar a olhar-me, sem ter nada, nem ouvir nada, sem me conseguires ler, porque não me apetece lutar mais, não por ti, não me apetece implorar-te que me aceites, que regresses, até ao ponto em que te conseguiria reconhecer, em que voltaria a perceber porque passei a amar-te daquela forma, sim daquela, porque de ti já só resta o que estou a ver agora e não consigo entender.

Estou a sorrir-te, para que te amenizes, para que consigas respirar e parar de achar que de mim só te…

És doce!

És doce tal como a tua boca e o teu olhar. Doce és tu, sempre para mim, meiga, atenta e minha!

Estou naqueles dias em que não te consigo largar, em que me envolvo em ti mantendo-te sempre no meu corpo, possuindo-te, tocando-te, virando e revirando-me nas minhas rotinas, mas voltando sempre a ti para beber de um pouco mais.

Nunca me canso de referir a forma doce, que sempre usas quando me falas. Tu sabes, melhor do que ninguém como me dizer tudo o que preciso de ouvir, mas da forma certa, a que me fará estar verdadeiramente atento para que aceite e entenda o teu ponto de vista.

És doce quando me tocas, porque consegues passar-te, toda, entregando-te, sem reservas.
És doce sempre que me lembras do quanto me amas.
És doce até quando tentas ficar zangada, mas reconheces que não consegues, que não precisas e que gostas bem mais de gostar de mim, como sou.

Foi a tua doçura que me cativou e foi por ela que fiquei até hoje, desejando que te mantenhas assim, só para mim e que me ensines a ser par…

Falha minha!

Peço poucas vezes, muito poucas, e nem é contigo que tenho por hábito falar, mas quando os momentos de medos tão profundos me prendem ao chão, acabo a rogar-te que olhes por mim e pelos meus, que nos guies e me mantenhas a mim, forte e confiante!

Não duvido que a tua luz ilumina mais do que o Universo como o conhecemos, que a ti rogam milhões de almas famintas, sobretudo as que necessitam de quem lhes consiga estender a mão, assegurando-lhes de que tudo se ajeitará, de que as dores desaparecerão, e que tudo o que falharem entender acabará a ser aceite, lavando, mas já sem lágrimas, todo o mal de que padecem.

Raramente, te peço, que me leves até ao lugar onde me poderei sentir segura, com o coração tranquilo, a entender que existirão batalhas que terei de perder para vencer a guerra.
Raramente, me sinto, assim, tão frágil, e a desejar que os teus braços me apertem, e me digam para pousar a cabeça e descansar.
Raramente, te sinto, tão presente, que ao fechar os olhos te consiga ver, e ent…

Não quero, não consigo...

Não quero, não consigo sequer imaginar, como seria, ver-te, com outra mulher, ver os teus olhos pousados numa outra pessoa que não eu, com o teu sorriso aberto, o mesmo que já sorriu para mim, vezes sem conta. Não quero e até me sinto arrepiar, por dentro, de te saber a tocar outro corpo,  a saber que proporcionas prazer e que consegues, tu mesmo, tê-lo, sem ser comigo...

Não estou preparada, se é que alguma vez o estarei, para te saber a continuar, a recomeçar num outro lugar, tendo por perto quem te preencha os dias, quem tenha a tua voz, com todas as variações que ela carrega quando te sentes, triste, ansioso, ou até excitado, quem te oiça dizer os "amo-te" que apenas queria para mim.

Não quero que te resolvas sem mim, que consigas seguir em frente, que já não me penses. Preciso de te manter comigo, porque ainda não desisti de te tocar, de te conseguir sentir, e de te beijar até que me peças para parar. Não estou limpa de ti, quero-te comigo, tanto, que por vezes deixo de …

Tudo o que sou!

Olá meu amor,

Gostei de saber de ti, de como a viagem correu bem, e que me continuas a pensar, mantendo-me contigo, mesmo quando estamos longe e não nos podemos tocar.

Por estes lados ainda sou eu, a que decidiu manter todo o amor, por ti e para ti, guardando-o do que nos pode afastar, e tendo a certeza de que nunca me distraio do importante, porque mesmo que me digam que precisava de alguém mais presente, a viver a mesma vida, às mesmas horas, eu sei do que falo quando anuncio que és tu, que sempre o foste e que tudo o que guardo é à tua espera, porque sei que virás para ficar.

Não é de todo fácil gerir os meus dias sem ti, desejar que estejas do meu lado para que possa encostar a cabeça ao teu ombro, apertando as mãos que abafam as minhas, que me passam a sensação de protecção que apenas tu consegues, porque nessas alturas não preciso de me defender de nada nem de ninguém, e é quando te consigo cheirar, sentir e tocar, que sei o quanto me pertences.

Já falámos do quanto é important…

Impotência!

Fiquei sem poder fazer nada, sem te conseguir parar, ou impedir de ires embora, para sempre, sentindo um vazio, tão grande, e um medo de me vir a arrepender, como nunca experimentara antes!

Já me "matavas" os momentos em que me conseguia, ir  esquecendo, de que caminho sozinha, e de forma egoísta, mantinha-te, alimentava-te, na esperança de acabar a ver-te, deixando de me ter apenas a mim.

Vai ser difícil, já o está a ser, porque sei que te sentirei a falta, que daqui para a frente não voltarás a entrar na vida que te dei a conhecer, e nada, mas nada mesmo, voltará a ser como antes de ti, nem eu, nem tu, e tudo para quê e com que propósito?

Eu sei que terias que ser tu a decidir, e que não haveria outra forma, não para nós, mas precisava de ter o melhor dos dois mundos, queria-te por perto, a saber de que forma gostas de mim, a usarmos todas as infindáveis palavras com que nos expressamos. Queria saber-te desse lado, talvez por estar mais preocupada comigo, mas sejam lá qua…

Querer sentir-te!

Do que são feitas algumas relações, de que forma conseguem acertar-se, terem-se em comum, saberem do outro e conseguirem-no deixar bem?

Não imagino, nem visualizo, nada mais importante, do que ter do outro lado de nós, a pessoa com quem tudo faz sentido,  que sabe do que falamos, como sentimos quando nos falha tocar, e que quando nos toca, acabamos a afastar-nos de todos os outros, porque deixam de importar.

Queria sentir-te assim, gostava de ser a única pessoa que te fizesse mudar e acrescentar momentos, e que em cada um deles estivesses tu. Sabia-me bem conhecer o teu sabor e poder afirmar, com toda a certeza, que era a única, que sem mim não terias como mostrar-te, que sem mim toda a gente perceberia o que te faltava. Gostava de sentir que apenas eu importava, e que seria comigo e por mim que farias tudo o resto.

Ainda não desisti de uma relação assim, daquela em que o olhar consiga falar de tudo o que esperamos, e que o toque que se lhe juntar seja, apenas, para nos assegurarmos …

Com MAIS de 40?

Quem disse que me sinto assim?

Não faço a mínima ideia de que forma vim parar aqui, a esta idade que nem na minha cabeça encontro. Nada do que eu conhecia, sobre as mulheres para lá dos 40 e ponham para lá nisso, é a minha realidade e de muitas mulheres hoje. Conseguimos manter-nos mais activas e equilibradas, galgando anos apenas no documento de identificação oficial, porque a idade mental, essa vai-se simplesmente apurando, tal como os bons vinhos e a idade física, acompanha a nossa capacidade de nos mantermos simplesmente nós, independentemente da data de nascimento.

Quando tenho de referir a minha idade, não consigo deixar de ficar incrédula, WTF, parece que ainda ontem tinha 16 e só pensava em ler, e em não perder demasiado tempo com pessoas vazias, mas eis que, do nada, já sou mãe de 3 filhos, enormes, com toda a responsabilidade que isso me trás, mas ao tempo, nunca perco demasiado tempo a dar "conversa" à idade que ainda não senti, em nenhum momento. Bem, das duas, u…

Para ti de mim!

Também tenho pai, também lhe sinto a falta, e não apenas em dias como o de hoje, porque ninguém precisa de me lembrar do que não tenho como esquecer!

Lá atrás, quando ainda não sabia para que lado do passeio deveria caminhar, tive um pai que me ensinou o que me ficou, até hoje, e mesmo que eu seja esta "enxertada", um pouco azeda, nunca me permiti amargar ao ponto de deixar para o passado o que tem comandado o meu futuro.

Foi com o meu pai que deixei de usar as calças que me protegiam dos olhares, que me impediam, achava eu, de ser tão visível, dizendo-me que era bonita e que sendo menina precisava de me mostrar porque merecia ser olhada.
Foi com ele que aprendi a a usar as palavras para me expressar, o que reconheço fazer em demasia, quase matando todos à minha volta com tanto que pareço ter sempre para dizer. Recebia cartas maravilhosas, que rimavam sempre no final com o seu nome e o da minha mãe, e com elas tinha sempre a perspectiva certa de uma das pessoas que certamen…

Porquê?

Porque chegam, os outros, de forma tão rápida e consistente, até a mim, se não são quem eu quero?

- Queria poder gostar de ti, sem precisar de ti!

Eu respondi que deverá ser esse o sonho de todos nós, de apenas gostarmos, sem ter a necessidade, que quase nos rouba a sanidade, de precisar do outro, e de o ter onde estamos, o tempo que nos faz falta...

Porque será que atraio tanta gente, até as que já estavam esquecidas? Parece um claro teste às minhas decisões, como que se o Universo me estivesse a perguntar se tenho a certeza, se fiz tudo o que podia e devia, se não quero voltar atrás. O telefone vai tocando, com números que já apaguei, com vozes que quase já não reconheço, mas que me pedem mais algum do meu tempo, e eu vou-me dando, na esperança de que um dia também possas chegar tu, quem me foi vedado, quem, tal como eu, acabou a tomar decisões e a fechar o que eu esperava se tivesse mantido aberto, só que fosse numa fresta, na qual eu pudesse caber.

Porque é que, quase do nada, to…

Saí de circulação...

Apaguei contas e deixei de estar onde alguns me esperavam. Agora sou apenas eu, outra vez. O final do ano lectivo está aí, não tarda, e com ele a viagem, não a da minha vida, mas a que a mudará por completo!

Vou-me expurgar, curar por dentro, deixar que as feridas sarem, mas sem qualquer mágoa, estou totalmente aberta a ajudar, como sempre o fiz, quem precisa de mim, e assim sei que terei a ajuda necessária.

Não quero ninguém a substituir-te, não me apetece, sequer, que se aproximem demasiado, e não tenho que continuar por esse caminho, porque preciso de voltar a ser a que importa realmente e a não me deixar levar só porque me dói.

Já estou de novo no casulo, como até dizia hoje o meu pai, mulher azeda, dura e enxertada, outra vez.

- Mas não há quem te adoce minha filha?

Pois, pelos vistos não há por aí gente com talento, e desculpem lá, mas não me parece que a culpa seja minha, eu sou a mesma, do início ao fim, NÃO, correcção, eu melhoro com o avançar do tempo, porque se peço mais é…

Sabem o que sinto?

Sabem o que sinto? Que tenho a vida ideal. Agora, cada vez mais, sei que fiz as escolhas certas. Sei que estou do único lado possível, e fico devastada, quando encontro vidas desfeitas, que caíram, algures, após tanto tempo e investimento, e que falham reerguer-se, não conseguindo vislumbrar a luz ao fundo do túnel. E se adicionarem a tudo isso o factor idade, fica ainda bem mais negro.

Tenho-me deparado com verdadeiras batalhas, com gente igual a todos nós, mas que por diversas razões, viram todo o seu Universo cair, abruptamente. Sem forças para recomeçarem, alguns, mas determinados, outros, aos necessários ajustes, a conseguirem, uma vez mais, experimentar os sabores que acompanham as relações novas, as conquistas, de um emprego, de uma mudança de casa, de amigos que se instalam e que "lavam" as feridas.

Como tudo chega, na hora certa, para nos mostrar o que é importante.Para nos fazer repensar e reavaliar muita coisa, "obrigando-nos" a olhar mais para nós, de f…

Do que adianta...

Ter alguém, uma relação, se não nos podermos ter realmente, olho no olho, com todos os toques que vão aumentando a intimidade, os pedaços de cada um, os toques que mudam tudo?

A distância deixa de ter importância, se cada momento puder ser realmente acrescentado a todos os que se vão tendo, em passos firmes, fazendo perguntas e conseguindo as respostas que nos deixarão avaliar, e perceber, se avança, se para a frente é o caminho certo.

Gostava que já me conhecesses mais, que já tivesses feito todas as perguntas, que estivéssemos ambos do lado certo, que não fosse preciso erguer mais nada, apenas manter. Gostamos de galgar uns quantos passos, de ter uma máquina do tempo e de andar, para trás e para a frente, a fazer os ajustes que se impõem nas relações novas.

Gostava que pudéssemos ser, eu e tu, quem melhor soubesse, um do outro, que cada pedaço de vida que já vivemos e a que estaremos a construir, passasse por nós primeiro, fosse totalmente nosso e apenas partilhássemos o que já não…

Quando sinto medo...

Ligas, aflito, e apressas-te a tranquilizar-me!

Vou-te ouvindo, com muita atenção e concordando, porque a tua maturidade deixa-me perceber que pode ser como antecipas, e que se confiar, será da única forma possível, será bom.

Hoje estive assim, e nem o sol me deixou derreter o nervosismo, porque sei de que forma me queres e o que acontece quando me tocas.

Temos química, eu e tu.
Temos o mesmo sentido nas palavras, e conduzimo-las de igual forma. Um acaba sempre por concluir a frase do outro, ou por perceber o que se diz, muito antes de ser dito.
Temos uma necessidade emocional latente, queremos alguém na nossa vida que ajude a superar tudo o resto.

Somos ambos tão lá acima, estamos no mesmo patamar e andámos pelos mesmos caminhos.
Lemos compulsivamente, gostamos dos mesmos autores e até descobrimos que já relemos mais do que uma vez, os livros que nos tocaram a ambos.

És tão eu, que parte de mim duvida que estejas desse lado.
És tão cuidadoso e acolhedor, nesses teus braços que me pa…

Ao longo do dia...

Vamos "matando" os momentos mais parados, e nos quais podemos voltar a estar intensamente um no outro!

Nunca paramos de nos pensar e acabamos a trocar milhões de mensagens, sentidas, cheias de vontade de nos tocarmos, com um desejo que cresce e cresce, sem controle. Por vezes "gritas-me" para que pare, para que não me carregue demasiado em ti, porque te deixo mal, sensível e a querer voar até mim. Numas quantas, sou eu que te digo que estás a ser mauzinho e que assim também não aguento eu. Não deixa de ser um jogo, de sedução, de entrega, de procura do que nos faz querer um ao outro, e é importante que aconteça, porque só assim teremos a certeza de que realmente nos faz falta.

Já li e reli um post que escrevi sobre qual seria o meu homem ideal, CARAMBA, não podias estar mais lá, dentro de cada adjectivo, e ainda a sobrares para o que falhei acrescentar. Tanto que esperei por ti, chegando até a duvidar de que fosse possível, mas eu sabia, bem lá no fundo, que a met…

Não posso dizer...

Que serás feliz para sempre, que tudo o que desejas e a forma como visualizaste a tua relação, vai durar e manter-se, assim, grande, proporcionando-te o que estás disposta a dar de ti mesma!

Nada é para sempre, tudo se mantém em "modo" descartável, de curta duração, na secção dos perecíveis. O que queremos, hoje, com, muita intensidade, na tentativa de que não nos magoem, demasiado, não poderá ser jurado manter, amanhã, em todos os outros amanhãs de que se compõem os teus medos, os teus desejos e sonhos.

Talvez o mais fácil fosse fugires, agora, já, sem olhares para trás, mas assim não viverias, não terias como saber do que é feito o agora, o que se sente para depois poder parar. Não ficarias com nenhum sabor na boca, não beijarias ate que se te faltasse o ar, não terias toque, nem um outro corpo, que se juntasse ao teu e te passasse emoções reais, misturadas de um prazer e dores que nos trespassam e atiram para lá desta vida, que nos provam o quanto precisamos que precisem…

Será que me magoarias?

Acredito que terias ficado quieto, no teu canto, não te mexendo mais do que o necessário, se o tivesse feito também eu, se não te tivesse cobrado, respostas, os mesmo cuidados de antes, se não te tivesse cobrado tu todo, como me fizeras conhecer antes!

Talvez não me magoasses, como o fizeste, se eu me tivesse deixado ir, aceitando, parando de ser o tanto que disseste não ter como aguentar, mas esta sou eu, a que conheceste, sem outra cor que não a que me cobre a pele e a alma, esta sou eu, de todos os formatos, com todas as indecisões e choros, com cada riso que chega de parte alguma, mas que vem porque é por ti, e eu só tive que me manter para que afinal quebrasses tu.

Não sei de onde te veio tanto amargo de boca, tanta dor camuflada, e acabei a não conseguir olhar para os olhos que me largaste, tão acesos, tão magoados, a parecerem não entender do que falava eu, mesmo que tivesse usado as mesmas palavras.

Acredito, preciso de acreditar, que apenas te cansei, não de mim, mas do que …

Com a música certa...

Estar contigo, ver-te  a ver-me, assim, tão próximo, com a música da qual me tentava abstrair, mas que parecia ter sido escolhida, enviada para nos envolver, nos tons certos!

És muito mais, fizeste-me crescer em admiração, e quase que me conseguiste encolher, não apenas pelo teu tamanho, bem acima do meu, mas pela tua força, por todos os mundos que já correste e dos quais trouxeste tudo aquilo que fez o que acabei a ver, bem de perto.

Vais-me dar trabalho, ser um desafio constante, vais-me obrigar a ajustes, bons, mas intensos, e não me vais dar tréguas, o teu sorriso deixou tudo bem explícito.

Estar contigo foi o que esperava, não me desiludiste, mesmo que tenha criado e antecipado muito, a verdade é que tudo se colou, a ti, à imagem que me passaste. Estar contigo foram horas, e horas de muitas palavras, de toques, de sorrisos, de beijos suaves mas tão quentes e cheios de desejo, que sentimos ambos não poder, nem dever, fazer movimentos bruscos.

Gostei de ti, gostei da tua perspecti…

Não sei...

Como me levanto às vezes, de que forma o meu mundo se consegue completar e fazer-me chegar até onde sou precisa!

Depois de apenas 4 horas de sono, continuei a correr, para atender a quem se deixa fragilizar ao ponto de não se encontrar de volta. Fiz o caminho todo em silêncio, nem conseguindo juntar os meus pensamentos, sentindo que precisava de doar alguma da minha intensidade e força. Afinal sou tão resolvida que me assusta ver quem ainda se tenta encontrar, e o medo dos outros entranhou-se-me tão dentro que dei comigo a ouvir-me respirar.

Ainda estou assim, meia meia, com cada músculo do corpo dorido, a parecer que corri uma maratona, léguas e léguas de desaires dos outros, num percurso que não me pertence, mas que se cruza com o meu e do qual não terei como fugir.

Já me fartei de agradecer, hoje, por ser como sou, por tudo o que consigo concretizar, pelos desejos dos quais não abdico, pela minha capacidade de não me deixar partir, não em pedaços que não se possam colar de volta.

Achava que seria!

Achava que seria difícil de saber onde e como encaixar quem já tivesse saído, de mim e da minha vida. De que forma me iria ou poderia, relacionar com a pessoa que importou tanto, que me fez desejar até absurdos, que me tirou vários sonos e ensombrou sonhos, transformando-os em pesadelos reais, mas afinal não é de todo!

Estranha esta coisa dos relacionamentos, levam-nos tão rápidamente quanto nos trazem de volta. Num momento estamos a deitar fumo pelas orelhas, e a usar impropérios, e no outro a passar pela mesma rua, como se nada fosse. É aí que passa a ser possível, que a amizade se sobrepõe e que nos conseguimos acrescentar.

Tem sido engraçado, ligeiro, desprovido da dita cuja importância que as relações carregam, agora é tudo simples, não se cobra nada, apenas se usufrui. Estou a gostar, e a perceber que afinal tens muito mais talento para meu amigo, do que para o que quer que eu tenha imaginado antes.

Se está a acontecer assim contigo, logo contigo, então estou preparada para o s…

Quem consegue?

Ter uma vida,e passá-la, ao lado de quem por vezes chega sem ser anunciado, por alguém que revolve tudo o que mantínhamos bem dentro de nós,mas que acabamos a incluir e a aceitar, como se tivesse sido sempre assim, certo...

Uma vida ao lado de quem nos traga mais, outros mundos, choros e risos, corpos, que mesmo quando não estejam juntos, jamais poderão sentir-se afastados.
Uma vida ao lado da metade de nós, que se encaixe, quase perfeita, como perfeito pode ser o sentimento mais forte e tão brilhantemente inventado, para se nos entrar tão dentro, que sair arrancará até os pedaços que não sabíamos existir.

Quero passar uma vida, esta, a que falta dela e toda a que sobrar de quantas virão contigo e por ti. Quero conhecer a sensação que provoca a calma de um futuro e caminhos em comum, quero sentir os dias a correrem para o mesmo lado, emoções que me venham de mim, dirigidas para ti, nunca deixando de te sentir, de te pensar e de te querer no final como o foi no início.

Queria consegui…

Será que sabemos?

O que precisa o outro, de que forma podemos acrescentar os dias, fazê-los correr com mais cor, dizendo o que é suposto, de forma a que se entre e pacifique tudo o resto?

Que cuidado "largamos" em cada palavras, com quem nos importa?
Será que olhamos, atentos, para quem nos olha de volta?
Diremos, as vezes que bastam, tantas quantas encham as falta que acabamos a fazer, o que o outro deseja ouvir?

Quando me perguntam de que forma amo eu, respondo sempre que amo comigo dentro, inteira, sem precisar de subtrair nada, não agora, porque com o novo ano chegou uma nova mulher, uma que parece ter galgado milhas, aprendido a não se segurar, dizendo e fazendo o que importa para ser o que basta a quem me consiga ter.

Não sei tudo, mas chego lá, porque quero, porque sei da importância de dar, de mostrar, de fazer a diferença, sendo diferente. Se for de outra forma não vou conseguir bastar a quem me basta!

Eu aceito!

E deixo-me ir, parece-me que é possível e que se parar de me segurar, chego onde é preciso!

Não me apetece ser apenas eu, e estava errada quando achei que conseguiria ficar mais quieta, no meu canto, sem ter que me armar de nada, de me proteger, porque me sabe bem, que estejas aí e que te possa incluir.

Os dias voltaram a ter mais sol, juntando-se ao que parece ter chegado para me aquecer, por fora, porque dentro já estás tu, e eu volto, devagarinho, a experimentar a sensação de ser desejada, outra vez, de ter quem pensa em mim, quem me mostra estar do lado certo, mesmo que o não peça, porque não deverá ser preciso. O amor não se pede, as emoções apenas se partilham. A vontade de fazer bem ao outro, junta-se ao desejo de que nos façam bem, de que nos preencham os vazios, os que inevitávelmente se irão instalar, quem nos afaste os medos e nos dê a mão, segurando a vida dentro de uma outra que se deseja começar a escrever.

Já estava no lugar certo, já me tinha decidido a incluir, a dei…

Falar contigo...

Falar contigo seria diferente, tal como o era ouvir-te pronunciar o meu nome, mas como não é mais possível, não agora, e quase que me faz desesperar, vou pedir-te sem sons que me oiças!

Não me deixes ir por favor. Segura-me contigo, forte dizendo-me ao ouvido que não adianta que siga por este caminho, o mesmo que me parece inevitável agora, porque és tu, porque me queres e porque precisas também de mim. Não me percas assim. Não olhes para o lado, porque tu sabes e sentes o que está a acontecer agora. Tu sabes que estou a desistir, que já estendi a mão para ser tocada por outro, mesmo que continue a desejar que seja a tua a prende-la. Fui desistindo devagarinho, sem muita determinação, mas entendi que deveria escolher o mais fácil, outro caminho que já não me leva a ti, porque o barraste tu, porque me impediste até de o visualizar e já não sei como se chega até a ti.
Não me deixes ir por favor, estou a implorar-te, a gritar por dentro, a chorar já sem lágrimas, que me mantenhas onde qu…

Porque escrevo afinal?

Porque não existe outra forma, porque tudo o que faço, sinto e vejo, tem a forma das palavras e é apenas com elas que acabo a mostrar o melhor de mim, a fazer-me entender, a dar aos outros o que também me alimenta a mim!

Escrevo como penso, penso como respiro e acabo a escrever como amo, e amar para mim tem que ser um estado natural, uma necessidade, uma vontade de ser vista como me vejo.

Por vezes dou comigo a pensar que outro talento poderia ter se não fosse capaz de me por em palavras,mas nunca chego lá, porque não seria eu e eu sou, SEMPRE, eu mesma, em todas as situações, até mesmo nas más, mesmo que ache e saiba que sou muito mais, que tenho muito do que falta a algumas almas, eu sou o que fiz para e por mim.

Quando termino de delinear e executar os meus começos de dias, sento-me no mesmo lugar, de frente a um ecrã que me olha e incentiva, esperando que eu dispare a primeira palavra, porque depois dela já nada poderá ser parado, nada voltará para trás, o que quer que me segurav…

What must it mean...

What must it mean, to really and phisically lose someone?

I can feel it in my bones, the despair, the fear, the hepllessness, and it hurts, as much as it would, if I really lost you now!

Some people are meant to come into our lives, to stay, or simply to make a way for others, for new plans, new beginnings. They will eventually arrive, and there´s nothing we can do to stop it, nor should we, because they bring something, they teach what was lacking, and I want to believe that they make us stronger, by rebuilding our character and finally shaping us.

I lost you, back there, to life, to your concealed wishes, to your fears, lack of love, guilt, or any other similar shit, but I refuse to really lose you, because I am not ready, not just yet.

What goes around comes around, so I will know, I will have the chance to understand, it has happened before. Waiting is the option, for now, nothing else I can do. I can take it, as long as I don´t really lose you!

Rever estratégias!

O que tem que ser, tem mesmo...

Vou ter que rever e mudar as estratégias anteriores, porque o que vem aí envolve demasiadas pessoas e eu preciso de tomar a dianteira, de ir na frente para que não tenhamos que dar passos atrás. Já calculava que teria que ser assim, por isso embora lá.

Vou assegurar-me de que não te magoam mais, que te deixam recomeçar, para te fortaleceres, porque mesmo que tenhas errado, lá atrás, agora estou aqui eu, para te dar a mão, firme, que te estão a recusar. Não te vou deixar abater, ceder às palavras amargas e demasiado duras, para quem, como tu, está tão frágil e não consegue gritar e bater com a porta, alguém terá que o fazer por ti.

Todo o meu Universo se vai revolver, muitas adaptações a fazer, precisava de mais tempo, um pouco mais, mas se tem que ser desta forma, então embora lá, vamos marcar a viagem e embarcar em mais uma aventura, mas desta vez juntas, como nunca estivemos antes.

Já não se trata mais e apenas de sangue, de história, de vida em comu…

Dia da Mulher!

De todas nós, e nem eu poderia "fugir" de escrever sobre isto!



O meu blog foi criado com a finalidade de passar emoções no feminino, e tanto que eu piso e repiso nas Mulheres, no modo como pensam, sentem, exageram e sonham. Na sua resiliência e capacidade infindável, de amar, sobretudo quem não as ama, (deve ser por isso mesmo).

Falo tanto nas Mulheres, usando imagens que nos caracterizam, e é TANTO, que até já me perguntaram se sou lésbica. IRRAAAA!! Não tenho nada contra quem o é, mas não me rotulem, indevidamente, afinal de contas, se falo muito de nós, e do nosso Universo, é tão somente com a intenção de nos dar a perceber, de partilhar sentimentos que serão comuns a todas nós, ou à grande maioria, de aliviar alguma da já pesada carga que por norma carregamos todas.

Ser Mulher não é apenas amar, ou desejar sê-lo.
Ser Mulher é carregar vários mundos, neste que ainda falha em nos entender.
Ser Mulher é nunca parar de pensar, mesmo que o desejássemos, desesperadamente. Só q…

Disseste-me...

Disseste-me que ficaríamos juntos, sempre, que me tinhas escolhido, que irias até ao fundo do mar e voltarias, para não me perder, disseste-me e eu acreditei!

Já te perdoei, o que acabaste a dizer, mesmo sabendo que não o poderias cumprir. perdoei-te as ausências, as horas que me fizeste ficar sentada, à espera, adormecendo para que não tivesse que pensar demasiado.
Já te perdoei a forma como fizeste amor comigo, mas cuidando de ti, do que gostavas e precisavas.
Já te perdoei a ironia, os ajustes desajustados, o não teres vindo, nem partilhado os momentos em que contava eu.

Do que adianta, afinal, amar alguém, se o mais importante não for feito? Saber que nos querem é sempre pacífico e simples, entender que já não nos querem, isso sim custa, mas só até que o deixemos, também, de querer nós.

Disseste-me, tanto quanto te disse eu a ti, falámos muito, de nós e de tudo o que nos poderia juntar, e supostamente manter. Não correu bem, mas acredito que tenhamos tentado, ambos, e que foi possí…

Mulher adulta!

Mulher adulta, sou eu e posso fazer o que quiser!

Onde está quem me impeça, de pensar, de desejar e de agir? NÃO ESTÁ, não existe nada nem ninguém que me impeça do que quer que seja.

Sabem o que me faz sentir PODEROSA? E não é porque esteja aí o dia da Mulher, porque eu o sou, a cada dia, todos os dias da minha vida, desde que percebi que posso, SIM, fazer o que quer que eu deseje.

Sou mulher adulta, mulher determinada, que se sente, por dentro, que se toca quando e sempre que precisa, onde mais ninguém consegue.
Sou mulher crescida, determinada, a organizar todos os minutos de cada dia que me pertencem, na íntegra, e nos quais só entra quem eu permito.

Acordo, sempre,  eu e com uma força e desejo de ter dias à minha medida, cuidando de manter em pé, firme, o corpinho que me deram para cuidar e eu cuido, Ohhhh yes I do! Quem alguma vez duvidou que sendo adulta posso ter o que quero, basta que trabalhe para lá chegar, e a verdade é que chego mesmo. SEMPRE!

Ser uma Mulher adulta, e mais im…

Queres saber a resposta?

Eu digo-te, mesmo que não saiba o bastante, mesmo que não te conheça ainda, pessoalmente, e muito menos a ele, mas eu, do lado de cá, sem ter nada que me prenda, sem receios do que quer que seja, vou-te responder!

Atenção, esta parte da instrução tem que ser rigorosamente seguida. Faz uma pergunta de cada vez, não te percas em enredos, não embrulhes tudo num laço só, sê concisa. Posto isto, vamos lá:

- Amas-me?

O que achas que te vai responder, honestamente? Que não minha querida, que amar é demasiado forte, que não quer amar ninguém, porque pode sofrer.

- Sabes que te amo?

Nesta altura, muito provávelmente baixará os olhos, incomodado com a evidência da qual não padece, porque saber que alguém carrega um sentimento assim tão forte, mexe com todos nós, até com ele que consegue ser frio e distante. É um padrão, apenas isso.

- O que queres de mim?

Uiii, aqui a coisa vai quase azedar. Nunca te pediu nada, está porque deixas, porque não pressionas e a verdade é que não quer mesmo nada, s…

Angry words!

Já não as quero voltar a usar, não quero sair de mim, e colocar-me numa pessoa que não reconheço, já desisti de ser amarga e de achar que o mundo está contra mim, não enquanto estás aí, do lado de fora, à espera que te abra a porta e que me possas tocar, não agora que te voltei a encontrar...
Vieste até a mim, passo a passo, deixando-te ficar, à espera que levantasse a cabeça e te olhasse. Não pediste nada, foste chegando, ganhando passos, oferecendo-me o colo que alguém me negara, chegaste e sorris-te sempre, mesmo quando chorei eu. Senti o teu abraço, o teu cheiro, pela primeira vez e arrepiei-me, sem qualquer controlo, surpreendida pela minha necessidade de outro corpo, percebendo que até poderia voltar a ter, a ser, a experimentar e certamente a gostar.
Estou a sorrir-te de volta, a aceitar, sem palavras, a dizer-te que não me desliguei de nada, apenas estive ausente, que afinal te permito a entrada, que não me apetece impedir-te de mais nada, que preciso de ti e que se fores tu,…

Consigo pois...

Consigo pois, ouvir-te, ver-te, sentir-te, claro que sim, não o fiz já antes, não o fiz sempre e de cada vez que foste fugindo?
Não precisavas de ter ido, deixaste o meu mundo frio, sem ti, e mesmo que te ouça, te veja e ainda te sinta, não é igual, nunca poderá ser, mas eu sei que me vou habituando, conseguindo que te infiltres no meu sistema e que passes a correr como corre o sangue, já não fazendo mal, apenas estando, vagueando por mim, vendo-me por dentro, da forma como não foste capaz, porque te faltou talento, mas pronto, acabaram-se as reclamações, tu sabes que até o sangue se renova e acaba a sair, dando lugar a outro, mais novo e forte, a alimentar-nos do que precisamos para estar vivos, e eu estou, viva, preparada, para te deixar ir.
Estamos na nova temporada, avizinham-se novos episódios, novos protagonistas, com enredos bem mais interessantes, estamos onde o decidi eu, e sou eu também que vou continuar a escrever a minha história, aquela em que já não estarás tu.
Consigo po…

Aceita!

- Eu sou o único homem que te pode amar como precisas, e quero-te ao pé de mim!

Era suposto eu ficar aos saltos, certo? Então porque não terei sentido nada, porque me soou a frase feita, a mais uma a juntar a tantas outras que já me fizeram ouvir, será cepticismo?

Até que acredito que possa ser a mulher que algum homem deseja, mas agora tenho muitos mas na minha vida e não me apetece que me digam o que ontem precisava de ouvir. Hoje só quero silêncios,  mesmo que eles me ensurdeçam, porque não me irão impedir de pensar, mas não falem, não digam nada, não me elevem porque eu só quero estar, aqui, bem no chão, com ambos os pés, segura.

Eu sou emocional, preciso de ter alguém ao meu lado, por isso vaticino que não será por muito tempo, apenas durante aquele em que voltar a sentir-me confortável com algumas palavras, as que nunca deverão ser ditas em vão, porque eu não o faço, nunca.

- O que preciso de fazer para que acredites em mim?

Resposta:

- Nada, não digas rigorosamente nada e espe…

Ficas a dever-me uma!

Mesmo do outro lado do mundo, soube como te dar prazer!

As coisas que o desejo dita e que os corpos que já se tiveram, conseguem reproduzir. Foi fácil, bastou que nos imaginássemos, outra vez. Estavas tranquilo, disposto e predisposto a seres envolvido por mim. Também ajudaste e foste levando, cada palavra, ao sítio certo, com a entoação que precisavas para chegares lá.

Eu sou a mulher das palavras, sei quais usar, em que circunstâncias e com que pessoas. O efeito é sempre o desejado, e começo a achar que tenho mesmo poder e que usá-lo é o que fará a diferença, para quem tem falhas, nos relacionamentos, nos sentimentos, nas necessidades diárias.

É sempre mais tranquilo trocar intimidades com quem nos conhece, com quem não nos julgará e apenas se deixará ir, para que o possamos ir também nós, sem qualquer mau estar, apenas em busca de prazeres que se conseguem para além do amor e do sexo que se faz, com corpos mesmo, em lugares onde podemos, juntos, mostrar do que falamos.

Hoje ficast…

Medo de Mulher!

Estás a preferir o "mal" que conheces, do que o novo que te poderá acolher. Continuas numa demanda de felicidade que tem sido unilateral, que não te olha de volta, que apenas te cuida a um milésimo de até onde cuidares tu. Estás a fechar os melhores anos da tua vida, o azul dos teus olhos, que deveriam estar a ser olhados por quem se enchesse de felicidade apenas por te imaginar...

Oh miúda misteriosa, do que tens tu medo? Já foste amada antes, muito, porque não o poderás ser de novo, do que duvidas afinal?

Tens a beleza das mulheres determinadas, vidas que galgaste até chegares onde estás hoje, que te permitem fechares a porta da TUA casa e apenas deixares entrar quem nela te fizer a rainha, quem souber que desejos carregas, aqueles que te vês forçada a partilhar com outros que não quem amas, assim, de forma tão desmedida, apenas tu, num passo que não é acompanhado, nem sequer visualizado, no futuro de quem te prendeu, num passado que perdeste, já o perdeste, no primeiro m…

Mais um dia...

Sem ti, a sentir que o meu mundo está frio e vazio, mas a levantar-me, à mesma hora e fazendo tudo o que devo, o que é suposto, o que se espera de mim!

Dizem, que numa relação devemos fixar regras, falar do que nos deixa desconfortáveis, com amargos de boca, e que era suposto que o evitasse o outro, sobretudo se gostasse de nós, mesmo que não da mesma maneira, mas afinal do que sabem quem fala, quais são as regras pelas quais se regem alguns, como podemos chegar até eles e fazê-los entender?

Nunca me despeço sem palavras, digo sempre algo que permita, que te permita, avaliar e decidir, por isso não consigo entender a tua incapacidade de também dizeres adeus, não vou ficar, não quero continuar, será que não percebes que magoa mais, que deixa feridas que depois não terão como ser saradas, que o fosso se torna demasiado aberto?

Quem és tu?
Quem era a pessoa que me deixaste conhecer?
Para onde fugiste, se é que alguma vez exististe, assim, como te via eu?

Tranquiliza o teu coração, não t…

Credo Mulher...

Estive hoje nas minhas análises, e por vezes até me assusto comigo mesma. Não pareço ter forma de refrear a enxurrada de palavras que compõem o meu mundo!

Em 3 anos já escrevi 1,876 posts e 4 romances, todos eles foram a concurso e está 1 em avaliação editorial. Em 2 destes já não toco mais, parei de revisar as revisões e já nem os leio, para não cair em tentação de acrescentar ou mudar o que quer que seja. Aos outros 2 ainda ando a virar, páginas, a reavaliar emoções e a não conseguir entender umas quantas, e que sentimentos mexiam comigo na altura.

Escrever é o que sei fazer bem. Gosto de comunicar, de largar sons, de os juntar aos lugares e às pessoas com as quais me vou cruzando, se não estiver rodeada de livros, de cadernos com as notas do que pretendo desenvolver, do computador, com todas as teclas em que já martelo até de olhos fechados, não me consigo sentir completa, nem feliz.

- Credo mulher, tu sossega-me essa "verbalidade" toda. Senta-te aqui e não penses, não a…

Como se parte?

Como se parte?

A viagem até podia estar marcada, porque já estou bem do outro lado, a querer e a precisar que se apresse, para recomeçar!

Tenho muito para cuidar, já o estou a fazer, sobretudo de mim, tentando manter-me de mente sã, de corpo saudável, com as gavetas arrumadas e com cada coisa no lugar certo. Quando chegar o dia, estarei pronta, tudo o que tinha para fazer já o terá sido e partir já será "pacífico".

Deixei de usar os NUNCA que antes disparava a torto e a direito, agora entendo que podemos mudar sim, que cada dia acarreta desafios novos aos quais precisamos de dar respostas e se partir passou a ser a única, então eu vou.

Já tenho a prole crescida, uma base sólida, que cimentei, a retaguarda assegurada, só preciso de me libertar, eu, de ser tão cuidadora, a que controla tudo, a que quer estar sempre por perto, porque afinal já não faço assim tanta falta, mesmo que o faça sempre. Vou abrir mundos, horizontes, vou proporcionar viagens de mente e alma às pessoas m…