Avançar para o conteúdo principal

Cuidado com o que dizem!

Feelme/Cuidado com o que dizem!

Por esta altura do campeonato já não vou dizer que é um atributo meramente masculino, porque já existem imensas mulheres a usarem conversas de "chapa 4", UI se há, a diferença é que aos homens falta a originalidade e o sexto sentido, tirando isso a treta é toda a mesma!

Querem uns quantos exemplos? Eu dou:

- "As coisas não estão bem no meu casamento há muito tempo, em breve saio disto e divorcio-me,
    MESMO".
- "O sexo nunca mais foi o mesmo, aliás, já nem nos encontramos na cama (mas o dito cujo continua     a acontecer, por esta altura até com mais fulgor devido às escapadinhas)".
- Já não fazemos nada juntos, o que nos une agora são os miúdos (e lá vão de férias, todos, para as         Maldivas, com tudo o que a legítima tem direito)

Vou reforçar que isto acontece em ambos os lados, e olhem que conheço umas quantas mulheres que dão com cada chifre aos maridos, e com cada peta aos amantes, CARAMBA, digno de um verdadeiro romance, um dia destes quem sabe não me aventuro a escreve-lo.

Os pontos negativos de tanta fugida ao galinheiro avolumam-se. Os homens arriscam-se, ainda, a encontrarem mulheres meio enlouquecidas, daquelas que vão atrás das digníssimas esposas, que até sabem do que se passa, mas fingem porque também lhes convém, e tornam a vida destes "miseráveis", numa miséria total. Quanto às mulheres, de quando em vez, lá aparece um que distribui uns balázios e depois entram para as estatísticas, mas tirando esses percalços, dão-se muito bem e usam e abusam de uns quantos lorpas. Olhem que já me ri com algumas das conversas que travam com os atuais candidatos, fiquei até envergonhada, porque na verdade é feio enganar seja quem for, mas pronto, não sou eu que faço as regras.

- Ele acreditou no que disseste?
- Claro, ele acredita em tudo, eu faço aquele beicinho, ponho um ar de virgem Maria e consigo vender-lhe tudo, até o que já comprou e pagou.
- Mas conta-me lá o que te pergunta.
- É sempre do género:
- Não fazes amor com ele pois não, ele nunca mais te procurou?
- Achas meu querido, eu lá conseguia estar na cama com ele depois de ti, tu sabes que te amo, e que até me arrepio só de pensar noutro a tocar-me.
- Se estivermos juntos, dou-lhe o beijo mais apaixonado e sentido que consigo, nestas alturas ele até comia peixe e jurava que eram bifes de porco preto.

Gargalhada geral, tudo na galhofa e a puxar dos galões, espero conseguir anotar tudo porque mais tarde certamente que vou usar. Não para enganar, calma, para escrever sobre isso, é que como podem imaginar, eu sou a última alma correcta e sã do planeta feminino e que disso não restem dúvidas. Quem se rir leva uns açoites.

- Vá e que mais, do que falam quando não estão juntos?
- Querem saber o que temos vestido, eu nessa esmero-me sempre, puxo do cigarro, abro a revista da Max Men e descrevo a lingerie que lá está, ao pormenor, e nessas alturas quase que jurava que o sinto salivar. São tão visuais que nos basta apenas alguma imaginação e pimba, no próximo encontro até a barraca abana. Claro que as mulheres deles só usam cueca de gola alta, camisas de noite até aos pés e outras atrocidades que matam qualquer tesão. Até pode até ser verdade, o que já duvido, mas se for assim com os legítimos, garanto-vos que não é com os amantes, pois, é que as sonsas que têm em casa também os enchifram.

Oh mundo perfeito, o que mais poderei dizer? MUITO mais, me aguardem, em breve terei umas crónicas fabulásticas, e quem sabe ainda não se transformará em manual!


Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…