Avançar para o conteúdo principal

Conselho masculino!

Feelme/Conselho masculino!


Conselho masculino que eu vou acatar, religiosamente. Os homens ainda não saíram da idade da caça, aquela na qual tinham que palmilhar, sem palmilhas que não existiam na altura, quilómetros e quilómetros para encontrarem a presa. Ora bem, tirando os actuais caçadores, muitos deles de meia tigela, já nada parece ter o mesmo interesse, e já nem a maioria das mulheres dão o mesmo trabalho. Que tédio!

Então isto tudo para dizer o quê? Que quando andam entretidos, os homens, a "caçar-nos", às mulheres, claro está, até fazem escalada em paredes a pique, mergulho em grutas recônditas e muitas outras coisas igualmente extremas, mas que não me ocorrem agora, também porque não sou dos seres mais visuais.

MAS, e há sempre um MAS, mais cedo ou mais tarde, quando nos tornamos previsíveis, submissas e definitivamente caçadas... estragamos tudo.

- Então mas não querem lá ver que deixou de me dar pica? - Fala assim um gajo.

já estou até a esfregar as mãos, depois de ter teclado mais umas palavras, que eu não sou malabarista, o que podemos fazer para contrariar a coisa? Jogar. No sentido literal da palavra, manter o interesse latente e dar uma enquanto tiramos três.

- Explica lá bem isso.
- É assim, hoje ligas, melosa, disponível e aceitas o que te propuser. Amanhã "esqueces-te" que existe, ficas incontactável, e momentaneamente esquecida. O resultado vai ser um homem desesperado atrás de ti e a salivar perante a possibilidade de já estares noutra. Percebeste?

Eu perceber até percebo e como aprendo rápido, vou fazer uns quantos testes, puramente educacionais e informativos, para ajudar o publico feminino. Se eu gostar muito deste novo tipo de caçada, e as probabilidades é de que venha mesmo a gostar, até porque acho que na outra encarnação fui homem, quem sabe não faço disso uma forma de vida. Estou certa de que me darei muito bem, mas depois falamos!





Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta