Avançar para o conteúdo principal

Vou confessar...

Feelme/Vou confessar...


Não sei jogar, não entendo as relações como dois lados opostos, porque se o forem jamais se transformarão em apenas um!

Não quero ter que te pedir para que olhes para mim, já não, sinto-me numa tranquilidade tão profunda, que por vezes quase que me sinto a flutuar, tão leve que a ideia de nunca chegares a ser meu deixou de me perturbar. Cada um de nós terá aquilo para o qual "trabalhar", e o que tiver que ser nosso, sê-lo-à com toda a certeza, mas sem forçar e sem ter que implorar.

Gostar de alguém, sentindo, nem sempre de imediato, que será com ela e por ela que conseguiremos superar o que vier, faz com que tudo se encaixe e faça sentido, mas nunca pela imposição, porque quando não estiver claro para uma, não estará onde deve.
Gostar de alguém é um acto tão natural como respirar, e sem ar ninguém vive.
Gostar de alguém é ter certezas, não deixando que o medo se instale.
Gostar de alguém é perceber que ele pode ter o prazo que cada um lhe atribuir.

Tudo é tão efémero, e tão frágil, que percebi não valer a pena desgastar-me para te conquistar. Quem me quiser querer que me cuide, para que eu possa acreditar, mesmo. Palavras, uiii, essas têm um eco tão próprio em mim, que usar, mesmo que ao de leve, a errada, significará o fechar da única porta pela qual poderiam entrar. Não sou pretensiosa, vim apenas "armada", de nascença, com uma capacidade que enlouquece muita gente, mas quem não souber como me segurar, por palavras, então que use, uma única vez, a certa, e ficará totalmente livre de amarras. Palavras usadas sem cuidado, provam apenas que a pessoa a quem as dirigimos não tem qualquer valor

A insegurança é dolorosa, a dúvida é feia, e ambas, juntas, não valem o resultado final. JAMAIS, mesmo arriscando o arrependimento, forçarei alguém a ver o que esteve sempre lá. JAMAIS darei amor a quem não fizer por me merecer. JAMAIS voltarei para o ponto de partida, recomeçando o que nunca terminará da forma certa. JAMAIS voltarei a estar disponível quando a indisponibilidade se instalar.

Já me confessei, tal como já me redimi, deixando de ser responsável por outra pessoa que não eu mesma!


Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta