Avançar para o conteúdo principal

Quando nos mentimos...

Mistivlav Pavlov:
Feelme/Quando nos mentimos...


Quando nos enganamos, achando que queremos o que nunca seremos capazes de dar, acabamos a mentir ao outro, a quem começou por acreditar que seríamos nós, no "sempre" possível. Quando nos mentimos, e até seremos capazes de o fazer durante algum tempo, fazêmo-lo até que venha o tempo certo, aquele em que veremos para além da neblina, e perceberemos que nunca será possível e que não somos talhados para continuar...

Querer, muito, desejando quem parecia ser certo e talhado para nós, não é errado, o que transformamos em erro é o sabermos, como sabemos tudo o que nos diz respeito, que não somos fortes o bastante para permanecer ao lado de quem nos recebeu e até ficou.

Não sei o que é mais triste, se a mentira deliberada, a que usa e abusa de quem apenas ama, sem condições, numa entrega tão natural quanto é respirar, se a mentira que camuflamos, esperando que o dia seguinte seja mais radioso e menos real. Quando não conseguimos conversar, connosco, de forma honesta e determinada, dificilmente seremos capazes de o fazer com o outro.

Já senti, na boca, no corpo e na alma, o sabor amargo da mentira, a que foram capazes de usar para me usarem e convencerem. Já fui enganada, sim, mas apenas porque decidi desviar o olhar e ignorar os sinais. Já me mentiram e magoaram numa dor que julguei não ser capaz de suportar, mas acabei a fazê-lo porque percebi que tinha sido eu a mentir-me a mim mesma.

Quando nos mentimos, acabamos apenas a adiar o inadiável. Mas para que possamos sair regenerados, sem muitas mazelas emocionais, apenas teremos que nos focar no que tivemos, pelo tempo que durou, jurando-nos não voltar a acreditar no que há muito sabíamos não existir.

Andar por "aqui", é isto, é aprender!

Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta