Avançar para o conteúdo principal

Medos de escritora!

"The Hallway" by Frank Bramkamp This is my first major composite photo. I took the photo of the hallway a few days ago. It belongs to an abbey of our local cemetery, Aachen, Germany that I discovered recently. I think the dress of the model perfectly fits ot the historic scene.:
Feelme/Medos de escritora! Etiquetas: Pensamentos!
Foto de: Frank Bramkamp em Fivehundredpx


Medos de escritora! Medo de falhar as palavras, os timings, a junção das ideias que levarão à história. Medo do vazio, de um cérebro cheio de conteúdo, mas que não se restaura para o colocar em páginas, é basicamente disso que sentimos medo, ou direi melhor, PAVOR!

Para ser mais simplista, vou dizer que sinto medo das brancas, de não ter como me colocar em cada palavra, de não fazer sentido, ou simplesmente de ser demasiado intensa e confusa. O facto de já escrever há alguns anos não facilita em nada, porque subo, eu mesma a fasquia, deixando todos à espera de mais, de melhor, das sensações e emoções que mudam, por breves minutos, os que consigo levar até ao meu tempo e lugar.

É suposto sabermos fazer sonhar, termos a capacidade de ampliar desejos, de despoletar vontades e habilidades nunca antes pensadas. porque parecemos conseguir mover máquinas deixadas em armazéns, sem uso e a precisarem de olear. Algumas até obsoletas. Ficamos imóveis nas nossas vidas, enquanto criamos outras, atravessando corredores de tempo e espaço e chegando onde mais ninguém parece conseguir.

Ainda pareço conseguir manter um esquema próprio, um mecanismo que vou despoletando, por vezes miraculosamente, que me leva os dedos ao teclado e simplesmente espalha, vomita, larga, e despeja, palavras, umas atrás das outras, sem que as controle, ou controlando-as tanto que acaba a sair demasiado de mim em sons que deveria manter dentro. Ainda vou sendo incrivelmente fértil e entusiasta o bastante para não me demover do que me deixa com esta sensação que reconheço, um prazer que vem não sei muito bem de onde, mas que fica nos lugares certos, permitindo que me continuem a desejar ler, sabendo como distinguem a minha escrita e insistindo para que não seja igual, porque a sê-lo, retirava-me sem reforma, deitava-me e demovia-me, a mim mesma, de fazer o que não viesse com algum talento. Ou faço bem, ou não faço de todo.

Para já ainda vou conseguindo afastar medos, veremos lá mais para a frente!

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…