Avançar para o conteúdo principal

Ninguém...


rain:
Feelme/Ninguém...Tema:Relações!
Imagem retirada da internet

Ninguém se meteu entre o que eu sentia, por ti, e o que desejava ter feito, de nós. Ninguém me conseguiu convencer de que seríamos certos, ou errados. Ninguém te trouxe, vieste sozinho e partiste da mesma forma. Ninguém, me viu, como o fizeste tu, mas certamente que terás visto demais e sentido menos do que precisavas. Ninguém, a não ser tu mesmo, me disse que deveria parar ou continuar. Ninguém soube, tanto do que eu sentia, como o soubeste tu e por isso mesmo terás descartado o que tanto fiz por construir. Ninguém me perdeu, de forma tão deliberada e consciente como o conseguiste tu.

Quando iniciamos uma viagem a dois, teremos que nos manter, os dois, na maior parte do percurso, para que não arrisquemos estar a vir quando o outro se vai e sem sabermos quando retornaremos ao mesmo ponto. Terminar uma viagem também será sempre solitária, porque mesmo que se grite que estaremos a ir, de vez, para sempre, sem volta, se insistirem em não ouvir, só nos restará mesmo continuar, na maioria das vezes como começámos, apenas nós.

Ninguém irá saber, sobretudo não agora, o que fui capaz de mudar para te tentar mudar. Sabia que era errado, soube sempre, porque o amor não muda ninguém, a falta dele sim, e marca, com ferros o que nunca mais terá forma de sair. Insisti e persisti durante o tempo que o meu tempo me deixou, mas acabei derrotada, esgotada e a não saber o que me faltava, quando parecia até ter tudo. Quis salvar-nos, aos dois, levando-nos para a frente, juntos, com certezas, sabendo o que precisávamos para nunca pararmos de precisar um do outro. Ninguém irá entender como fui capaz de esperar, por nada, tendo sempre tão pouco, menos do que as palavras duras que me oferecias. Mas ninguém poderá, não depois da história que escrevi, culpar-me de ter pelo menos sonhado, porque enquanto o fiz, tive-te.

Ninguém me afastou, nem sequer eu. Ninguém desistiu de nós senão tu mesmo...

Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta