Avançar para o conteúdo principal

Ela era a minha mulher!

Resultado de imagem para blogazine novembro
Feelme/Blogazine!

Ela era a minha mulher. Era com ela e por ela que eu mudava até o meu caminhar. Ela era quem me acolhia quando o resto do mundo me deixava seguir, sem rumo, sem me olharem e sem saberem como me ver. Ela era a minha mulher e eu deixei de a reconhecer, vi-a partir e não me movi, paralisei num medo absurdo de não ser capaz de usar as palavras para tudo o que se me apertava dentro. Ela era a minha mulher e eu perdi-a!

Do que somos feitos quando parecemos não conseguir guardar dentro, NADA do que nos motiva e incentiva a iniciar uma relação? Porque esperamos sempre demasiado dos outros, de quem conseguimos amar, numa dor que também dói, porque o amor não são apenas corpos que se juntam e tocam como mais nada nem ninguém consegue, e não damos na mesma proporção, subtraindo para depois não ter o que dividir?
Do que somos feitos quando escolhemos não guardar nada do que armazenámos e apenas porque começámos a amar?
Do que somos feitos quando alguém, a nossa metade, nos olha e pede que fiquemos, que partilhemos, que estejamos prontos porque o momento chegou?
Do que somos feitos quando escolhemos não ser feitos de nada?

Ela era a minha mulher ao acordar. Eram os seus olhos de mel que via primeiro e o seu sorriso que beijava, nuns lábios que me sabiam sempre ao seu sabor. Ela era a minha mulher quando se aninhava, carente, mas confiante, no corpo qua tantas vezes lhe deu o que nem precisava de pedir. Ela era a minha mulher de cada vez que me oferecia um abraço silencioso, mas que me gritava alto que estava ali, para mim. Ela era a minha mulher quando corria pelos dias loucos, apenas para estar quando estivesse eu. Ela era a minha mulher e foi-o sempre e a cada minuto. Ela era a minha mulher, mas eu perdi-a!


Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Parece que estou mais velha. Pois!

Mais 1 ano e este passou a uma velocidade assustadora. De repente estou mais velha e atravesso, como se estivesse numa outra dimensão, tempestades, mas pareço sobreviver a cada uma.

Parece que estou mais velha, não que o sinta fisicamente, mas o emocional começa a acusar a pressa e a energia com que sempre fiz tudo. Decidi que quero sossegar-me, porque preciso de mais tempo para me regenerar. Agora procuro a qualidade. As pessoas verdadeiramente importantes na minha vida. Quero mais em menos tempo, porque não quero perder nenhum sem que me sinta plena. Quero um amor que me afogue num prazer que só poderei retribuir. Quero tudo do muito que ainda me falta receber.

Parece que estou mais velha, é o que me diz o cartão que me identifica, mas não me diz muito mais, o resto vou ter que ir descobrindo sozinha porque algumas etapas são muito difíceis de superar, no entanto são essas mesmas que nos fazem crescer. É o que dizem, certo? Pode até ser, mas havia necessidade de ser tão difícil? Eu s…