Avançar para o conteúdo principal

Por vezes...

Such a sweet photo. Love the way the entire focus is on the couple and the background is completely blurred.:
Feelme/Por vezes! Tema: Contos!
Imagem retirada da internet



Por vezes conseguimos ver nos outros o que também nós fizemos de errado e finalmente entender porque nunca poderia ter dado certo!

Num sábado soalheiro com um grupo agradável, cheio de gente bem-disposta, num almoço que se prolongou, que se estendeu pelo prazer que estávamos a tirar uns dos outros, fomos falando de tudo, rindo, adivinhando sensações, recordando os inícios de cada relação. Sem filhos por perto, sentimo-nos de novo jovens, descontraídos, sem pressas, mas igualmente apressados para conseguir ter um amor que nos completasse, conseguir a certeza na escolha, nos olhares da outra metade de nós.

A Ana estava um pouco cabisbaixa, mesmo rindo eu senti que não estava completa, que algo a magoava por dentro e fui olhando mais atenta, tentando descortinar pensamentos, até que finalmente, porque sou uma pessoa pouco dada a silêncios, derramei todas as palavras que certamente ela gostaria de ter usado.

- Sabes Paulo, estou para aqui a olhar-vos e pergunto-me, porque andas tu a desperdiçar tamanho amor?

- Não entendi - olhou-me baralhado.

- Não? Então eu explico. Tens uma mulher que enche os olhos de uma luz tão própria e intensa, sempre que te vê passar, a companheira que nunca adianta os passos, mas que os mantém próximos e acertados com os teus. Viste-a crescer fisicamente, aprender contigo a desinibir-se a partilhar o único corpo que reconhece e com o qual fica ainda mais bonita e mulher. Não precisas de perguntar porque o sei, nós falamos de tudo, sobretudo dos sentimentos que lhe negas, mesmo sabendo eu e todos aqui, que a amas realmente. No entanto escuta-me com a atenção de um condenado, assimila cada palavra, porque doravante te irão servir, responder e permitir que também tu cresças e te completes. A diferença entre quereres e seres realmente feliz, está na forma como amas e amar meu querido amigo, é esperar, desejar  bem no fundo de nós, que cada final de dia tenha sido intenso o suficiente para dar ao outro tudo o que queremos para nós. Ver como o nosso cuidado consegue manter a alma tranquila, o sorriso aberto, o desejo inteiro de quem nos laçou as mãos e não pretende largar, quem carregará, se preciso for, cada tijolo de uma casa com todos os andares que vão crescendo até já não ser mais possível vislumbrar os contornos, porque se ampliou a caminho das estrelas, do azul que pacifica, do sol que nunca deixará de nascer e de se pôr.

Todos me olhavam deixando que o silêncio se instalasse e eu pudesse ter o protagonismo que ansiávamos servisse para mudar algo. Por esta altura a Ana deixava rolar grossas lágrimas e incitava-me para que não me calasse.

- Nunca te vi abraçá-la desenvolto, descontraído, jamais pronunciaste os amo-te que ela, como todo o comum mortal, tanto necessita de ouvir. Andas a arrastar-te na incapacidade de dares e de seres o homem que ela viu algures, num tempo que forças a que se distancie. Acorda meu amigo, amar só poderá ser sempre o começo e recomeço de tudo o que nos dará um final mais preenchido. Usa e abusa de quem te ama como ainda não fizeste por merecer.

O que vimos depois foi o beijo mais meigo, intenso, sentido, suplicado, sofrido e partilhado que a vida nos deixara alguma vez sequer imaginar. Eu, deixei cair um sorriso vitorioso e chorei de felicidade vendo como, também a metade de mim, me acolhia de braços abertos.

- Anda cá minha guerreira, espero que eu consiga fazer-te sentir tudo o que descreveste, porque de contrário estou condenado a não te manter inteira. Sabes que te amo, não sabes?

Não foi preciso responder, desta vez os protagonistas desta história eram dois seres que pareciam estar a ver-se pela primeira vez, uma vez mais!

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…