Avançar para o conteúdo principal

Sou humana!

Ariel looked around as this mist began to clear around her.  The a violent coughing attack hit her.  She couldn't get air in her lungs.  She gasped trying to inhale but only succeeding in coughing harder.  She feel to her knees & grabbed her throat it desperation.  Then the gas dissipated entirely & she could breathe.  She blinked & opened her eyes.  Startled she fell backwards.  Everything had changed color.  Day looked dark as night & the thin mist that remained looked white all around her...:
Feelme/Sou humana! Tema: Sentimentos!
Imagem retirada da internet


Sou humana, sim, e é por isso que me apetecia pedir-te, ou melhor, implorar-te que ficasses comigo, que me quisesses apenas a mim, que não precisasses de mais nada, nem ninguém. Claro que te amo, muito, mas é por essa razão que não forço, que te deixo ir e viver à tua maneira, porque quero acreditar que será o melhor. Quero, mesmo, acreditar que sabes do que falas e o que fazes, mas a verdade é que sinto a tua falta e gostava de te ter ao meu lado, no meu corpo, enchendo a minha boca com a tua toda, para que fosses, outra vez, o homem que já reconheci e tive!

Aprendi, não sei se de forma errada, que não devemos forçar os sentimentos dos outros. Que o livre arbítrio significa isso mesmo, a possibilidade de se escolher e que ao interferirmos, poderemos estar a causar danos a longo prazo, arrependendo-nos ambos mais tarde. Sei tudo isto, mas sou humana mesmo assim, e o meu corpo degladia-se com a minha mente, todos os dias. O meu coração grita à minha alegada razão que bem lhe podia dar uma possibilidade, e que acabaríamos mais felizes se eu fosse atrás, se forçasse, mas "alguém" tem que tomar as decisões e eu nunca fujo, nem do que me deixa mal e magoa. Ser crescido tem destas coisas.

Voltando à minha humanidade, lá em cima está escrito o que sei estar certo, mas o que me apetece mesmo é mandar tudo à merda, correr para ti, agarrar-te, agarrando-me, e mostrando-te do que sou feita. Gostava que sentisses como te posso deixar pronto, cheio de vontade de mim e a jorrar um prazer que nos envolvesse. Gostava que a tua carne se misturasse com a minha, que a pele se arrepiasse, e sentisses como ficaria por dentro quando me tocasses.

Isto de ser a que faz tudo bem, sucks, e provoca um mau estar interior que me balança a cada segundo e me impede de saber se é este o caminho. Será que me estarei a perder por te ter perdido. Serei a minha maior inimiga e será que esta dor tem algum propósito?

Sou humana, raios, e tu bem que também poderias ser um pouco mais, tentando participar na metade que te compete. Até que poderias, se ao menos me soubesses amar da mesma forma...

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…