Avançar para o conteúdo principal

Dezembro!

Imagem relacionada
Feelme/Dezembro!Tema:Me!
Imagem retirada da internet


Mais um final de ano. Mais um mês que pronuncia o final, o fecho, mas também a possibilidade de voltar, de recomeçar e de mudar, para quem, realmente, deseja a mudança!

Já estamos em Dezembro e parece que, do nada, se passaram mais de 300 dias. Passou rápidamente realmente, mas não tanto que me impedisse de ver o que consegui construir e todos os passos que dei em apenas um ano e ele ainda nem sequer terminou. Eu não ando neste mundo para ver andar os outros, Eu não começo o que sei não ter forma de terminar. Eu não espero por aprovações de terceiros para ser o que sei fazer tão bem, ser eu mesma e este ano tem sido o desenrolar de tudo o que fui fazendo nos anteriores, porque eu sei o que pretendo de mim, da vida que me foi tão gentilmente oferecida e de todos aqueles de que sou responsável. Sou das teimosas, não morro nem que me matem e apenas desisto de quem desistir de mim.

Os balanços são inevitáveis e eu faço-os sempre. Não apenas aqui, com a esperança de que ajudem alguém, porque se há coisa que eu tenho é determinação e vontade de ser feliz. Faço os meus balanços no papel e vou riscando cada item concluído com tanto prazer, que certamente se assemelhará a um orgasmo emocional. O balanço deste ano está a ser bem elaborado, porque ele foi rico, em oportunidades profissionais, em propostas que aguardo poder encaixar, no tempo certo e até no amor. Quem não gosta e não precisa do amor? Eu preciso que não sou tola e tive-o, da forma possível e fazer-me o que estava disposta a receber. Tive sustos e testes como mãe. Tive a confirmação de que existirão pessoas que nunca deixarão de nos pertencer e que se importam, verdadeiramente, comigo. Este ano chegou para me provar que as minhas ideias pré-concebidas poderiam ser arrumadas. Vi uma nova faceta minha e endureci mais um pouco para mal de muitos, mas para minha própria defesa.

Estamos em Dezembro e eu percorri cada mês deste ano com a noção, clara, de que ainda tenho muito para melhorar, mas com a certeza, se não a teria antes, de que apenas não consigo transformar água em vinho, o que não é grave porque até nem bebo álcool.
Estamos em Dezembro, às portas de mais um fecho de ano e eu sorrio a tudo o que percorri e fiz acontecer. Não tenho superpoderes, mas acreditem que me sinto quase invencível, porque percebi, finalmente, que nunca estive sozinha, não poderia, afinal também sou filha de "Deus" e o meu não é menor. O meu é igual a todos os homens e mulheres de boa vontade, justos e coerentes. O meu, tenha o nome que tiver, sabe que já avancei mais uns degraus e que amadureci o bastante para saber perdoar, entender e deixar viver.

Façam o mesmo também vocês. Cuidem-se o bastante para serem cuidados e estejam apenas onde fizerem falta. Parem de acreditar num mundo cor-de-rosa, mas não desistam de colorir o vosso. Sejam a mudança, na vossa vida e acabarão a mudar muitas outras. Amem com toda a vossa força e esperem pelo amor que vos serve, porque ele chegará quando estiverem prontos para o receber. Não se deixem amargar pelas dores dos outros e cuidem, verdadeiramente, da vossa. Ainda não vos vou falar nos desejos para o próximo, porque tudo é tão fugaz, mesmo que consolidado e porque na verdade ainda nos faltam 29 dias. Sejam felizes em cada um, à vossa maneira e sorriam mais vezes, porque eu estarei a sorrir deste lado para vos contagiar!

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…