Avançar para o conteúdo principal

De repente!

*Em bỏ chồng, về ở với tôi không?*:
Feelme/De repente!Tema:Contos!
Imagem retirada da internet

Esbarrámos literalmente um no outro! De repente, em apenas alguns minutos, tudo estremeceu. As minhas fundações, aquelas que eu julgava firmes, sólidas e seguras, abanaram e mostraram-me como se pode ser realmente frágil e vulnerável.

Encontrei-te numa daquelas viagens que reservava apenas para mim. Ia sozinha, desfrutava dos meus silêncios e por norma avançava alguns capítulos do livro com data firmada. A Itália tem uma luz muito própria, uma língua votada ao amor. Pessoas que se entregam à dádiva e aos abraços. Pessoas que nos pregam mil e um beijos, que nos olham e conseguem ver. Tu eras assim, contigo a vida era uma montanha russa de sentimentos, mimo, sexo do melhor que alguma vez tive, passeios à beira-mar e silêncios cheios de palavras.

Durante o dia, quando não podíamos estar juntos, porque tu eras banqueiro, eu escrevia como uma louca. Os meus dedos pareciam ter vida própria e nem a Carlota, a minha agente, conseguia acreditar no avanço que estava a dar ao livro. Andava eufórica, a enviar-me mais projectos e a sugar-me a alma. À noite tinha-te por completo. A casinha de pedra cinzenta que alugara recebia-nos, permitindo jantares ao luar, muito amor feito sobre a relva. Tu querias-me inteira. Querias que te lesse os meus livros e que dançasse ao som dos discos que ias escolhendo.

- Já sabes como vais encaixar a distância, como se vão ver e se alguma coisa se irá manter?
- Sabes Paula, não me apetece pensar nisso agora, se passar a ser apenas um amor de verão, que seja. O que tive já não me pode ser tirado, cresci, aumentei o ego e também o peso com tanto jantar.
- Ama-lo?
- Muito, mas de forma serena, sem esperar mais do que estou a ter agora.
- És escritora, quanto a isso não restam dúvidas. Tens uma forma muito própria de te veres e aos outros.

Já no meu apartamento, da janela que me deixa olhar para o mar que nos separa, bebo o meu chocolate quente e tenho nas mãos o livro com a história de outras vidas, da minha e daqueles que vou deixando cruzar-se comigo. Não tenho qualquer receio, o que tive bastou-me, o Salvatore chegou e fez-me acreditar outra vez, em mim, no sonho, no amor, aquele sobre o qual não me canso de escrever. Deixámos promessas, muitos beijos que selaram todas as palavras de amor que fomos capazes de pronunciar e ficámo-nos na pele para sempre. Mesmo que não o volte a ter. Mesmo que o depois já não seja tão encantador e colorido, tudo o que nos demos preencheu-nos. O amor tem várias formas e formatos e o nosso teve o que nos cabia.


Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…