Avançar para o conteúdo principal

De repente!

*Em bỏ chồng, về ở với tôi không?*:
Feelme/De repente!Tema:Contos!
Imagem retirada da internet

Esbarrámos literalmente um no outro! De repente, em apenas alguns minutos, tudo estremeceu. As minhas fundações, aquelas que eu julgava firmes, sólidas e seguras, abanaram e mostraram-me como se pode ser realmente frágil e vulnerável.

Encontrei-te numa daquelas viagens que reservava apenas para mim. Ia sozinha, desfrutava dos meus silêncios e por norma avançava alguns capítulos do livro com data firmada. A Itália tem uma luz muito própria, uma língua votada ao amor. Pessoas que se entregam à dádiva e aos abraços. Pessoas que nos pregam mil e um beijos, que nos olham e conseguem ver. Tu eras assim, contigo a vida era uma montanha russa de sentimentos, mimo, sexo do melhor que alguma vez tive, passeios à beira-mar e silêncios cheios de palavras.

Durante o dia, quando não podíamos estar juntos, porque tu eras banqueiro, eu escrevia como uma louca. Os meus dedos pareciam ter vida própria e nem a Carlota, a minha agente, conseguia acreditar no avanço que estava a dar ao livro. Andava eufórica, a enviar-me mais projectos e a sugar-me a alma. À noite tinha-te por completo. A casinha de pedra cinzenta que alugara recebia-nos, permitindo jantares ao luar, muito amor feito sobre a relva. Tu querias-me inteira. Querias que te lesse os meus livros e que dançasse ao som dos discos que ias escolhendo.

- Já sabes como vais encaixar a distância, como se vão ver e se alguma coisa se irá manter?
- Sabes Paula, não me apetece pensar nisso agora, se passar a ser apenas um amor de verão, que seja. O que tive já não me pode ser tirado, cresci, aumentei o ego e também o peso com tanto jantar.
- Ama-lo?
- Muito, mas de forma serena, sem esperar mais do que estou a ter agora.
- És escritora, quanto a isso não restam dúvidas. Tens uma forma muito própria de te veres e aos outros.

Já no meu apartamento, da janela que me deixa olhar para o mar que nos separa, bebo o meu chocolate quente e tenho nas mãos o livro com a história de outras vidas, da minha e daqueles que vou deixando cruzar-se comigo. Não tenho qualquer receio, o que tive bastou-me, o Salvatore chegou e fez-me acreditar outra vez, em mim, no sonho, no amor, aquele sobre o qual não me canso de escrever. Deixámos promessas, muitos beijos que selaram todas as palavras de amor que fomos capazes de pronunciar e ficámo-nos na pele para sempre. Mesmo que não o volte a ter. Mesmo que o depois já não seja tão encantador e colorido, tudo o que nos demos preencheu-nos. O amor tem várias formas e formatos e o nosso teve o que nos cabia.


Mensagens populares deste blogue

Quando já não importar!

Se eu passar mais do que 2 horas sem pensar em ti. Se não apareceres nos meus sonhos. Se deixar de te chamar à atenção pelo que me falhas dar. Se procurar programas que não te incluam, então é porque deixei de me importar e quando acontecer, já nada poderá colar as peças outra vez. Isto é o que chamo de sobrevivência emocional!

Quando entrei na tua vida, foi para ocupar o espaço que tinhas vazio. Foi para me acrescentar, dando-te até o que não te atreveste a pedir e é apenas assim que concebo uma relação. Quando entrei na tua vida foi para termos muito de nós para cada um. Uma relação deverá incluir-nos em todos os momentos, crescendo connosco, sobrando em prazer e em partilha. Numa relação ampliamos o desejo de nunca sairmos um do outro, criando um lugar e um espaço que será apenas e sempre nosso. Uma relação será incluirmos os que já faziam parte da nossa vida, os meus e os teus, aprendendo a misturá-los e usufruindo do que nos oferecem.

Se não te tive antes, se não comecei, lá atr…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta