Avançar para o conteúdo principal

Onde andas tu?

Resultado de imagem para mulher a olhar o mar
Feelme/Onde andas tu?Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet


Por onde andará a pessoa que nos está destinada e será que existe mesmo?

Não devemos deixar de acreditar que existe um chinelo para cada pé, até mesmo para o nosso e que o "the one" anda por aí algures, à nossa espera também. Precisamos que seja assim, para não desistirmos.

Na realidade, andamos bastante desiludidos com os homens em geral, e eu não sou excepção, mas entenda-se, não é porque me relacione com eles, mas simplesmente porque não me apetece relacionar e isso já diz tudo. Acho-os demasiado "vazios" de conteúdo aproveitável. Parecem parados no tempo, não sabem o que querem e como querem. Recusam-se a crescer e ao mínimo sinal de perigo, recolhem à toca, fogem do que lhes poderá dar "trabalho" e passam eles a dar IMENSO trabalho e preocupações, porque das duas, uma, ou viramos TODAS a lésbicas, ou desistimos e sentamo-nos à espera dos dias bons, ou menos maus.

Os homens da minha geração estão tal qual os putos, os adolescentes e jovens adultos em formação emocional. Os casados estão mal casados e falam dos ditos casamentos como de um mal necessário. Uns saltam fora porque os empurram, literalmente, outros saltam fora porque aparece um rabo de saia mais convincente, mas que terá que ser uma mesma versão da ex, porque homem que é homem, não quer chatices. Há que haver casa, roupa lavada e cama à discrição. Vá lá, também não posso exagerar, afinal sempre vão às compras e alguns até cozinham. Os outros, os que já estão "fora", empurrados ou não, querem o sol quente na Gronelândia e neve intensa em África.

O tema da cama tem que ser mais aprofundado, no que toca aos homens, porque já ouvi umas quantas reclamações em relação à performance das suas companheiras. Mas as célebres dores de cabeça meus caros, bem como o cansaço extremo, só podem ser legendadas assim - estão a precisar, URGENTEMENTE, de uma reciclagem - A história do vais ser bom não foi, não nos serve. Os sonhos de posições mirabolantes que desejam porque as viram em filmes de quinta categoria, não dão prazer, são compostas e fabricadas em estúdio (esta informação foi apenas para os menos informados, passo a redundância). A falta de cuidado e de tempo no toque e no olhar da pessoa que vos poderá passar o mesmo prazer ou outro bem maior, é mais importante, do que terem os bíceps definidos. Claro que todos nós sabemos que existem mulheres insípidas, que não sabem nada vezes nada sobre toque e que possuem uma imaginação colada. Há de tudo, mas agora deixem que vos pergunte, a mulher é vossa, começou a vida convosco, vive do vossa lado há, nem sei quantos anos e só vos tiveram como único parceiro. Ora bolas que fiquei baralhada. Então afinal com quem aprenderam a arte do amor? É que eu acho que ainda não existem cursos sexuais na farinha amparo (a dita cuja às tantas já nem está à venda, a farinha claro). Pois é, bom instrutor, excelente instruendo. Vou usando, uma terminologia que conhecem para facilitar um pouco.

Estão a ver porque optamos por não pensar muito, ou para as que estão como eu, escolher ficar sozinhas? É que dói perceber tanta incompetência. Dói mais ainda, porque não conseguem assumir que às tantas os papeis já deveriam estar invertidos. Larguem lá a tocha, passem-na para mãos mais conhecedoras e deixem-nos ser, todos, felizes para sempre.

Onde andas tu? Eu bem que peço ao meu anjo que seja um pouco mais paciente com o meu desespero diário, mas que vá procurando, alternativas, ainda neste século por favor que eu também já não sou nova...

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…