Avançar para o conteúdo principal

Eu, como sou!

Lindsay Fulton in our Nikiya leotard during our photoshoot. Available now at  thedancewearproject.com  Photo by Ballet Zaida.:
Feelme/Eu, como sou!Tema:Me!
Imagem retirada da internet

Nem sempre falo de mim, mesmo que use e abuse das palavras. Os que acham que me conhecem aoenas pelo que escrevo, podem desde já desenganar-se, porque a verdade é que nem eu mesma sei do que sou capaz e é sempre MUITO e TUDO. Nunca me defraudo e nunca me permito choramingar e reclamar do que me chega. Quanto mais vivo, mais aprendo e mais sou capaz de resitir às intempéries.

Estou, incrivelmente, mais serena e melhor preparada. Estou mais determinada a ser esta pessoa que me tornei, não tendo nada o que me apontar, porque sou para os outros o que espero que sejam para mim, mesmo que saiba já, que muito dificilmente estarão à altura das minhas exigências. Quero mais. Quero melhor. Quero voar porque correr já não me chega e quero, sobretudo, recomeçar a cada recomeço. Quero amar cada novo amor. Quero olhar e ver mesmo, o que distraídamente deixei passar. Quero que me queiram como sou, por inteiro, porque como escrevo, MILHÕES DE VEZES, metade de alguma coisa é coisa nenhuma. Quero continuar a ter respeito e orgulho em mim, o mesmo que o meu pai ainda conseguiu sentir. Quero que os meus planos sejam bem mais do rabiscos na agenda que vou enchendo ao longo do ano. Quero manter a capacidade de deixar que os outros façam escolhas, afastando-me, ou aproximando-me, para que não colida e provoque danos.

Já percebi, há algum tempo, que sou demasiada areia para a maioria dos "camiões", mas ao invés de me preocupar, vou-me deixando sorrir, sem qualquer receio de terminar sozinha, porque a minha felicidade não vem do exterior. A minha felicidade, não está nas mãos dos outros, se assim fosse teria mais altos e baixos que os gráficos da bolsa. A minha felicidade é fruto de tudo o que fui capaz de me ensinar e aprender. Já percebi que a cada ano algumas pessoas partirão irremediávelmente. umas de morte natural e após terem vivido uma vida em pleno e outras porque não me restará outra opção que não "matá-las". Já percebi que até me podem beliscar, mas nunca permito que me "mordam".

Para os amigos que criei, sou o que precisam e recebo deles o que me sabem dar. Para cada um dos novos que vão chegando, arranjo sempre mais um cantinho, aumentando-me e enriquecendo-me, porque esta caminhada deve ser feita na passada certa, mesmo que com hesitações.

Não sei tudo, mas já sei bem mais do que ontem e para hoje quero apenas continuar a ser eu, assim mesmo como sou!

Mensagens populares deste blogue

Qual é o nome que chamo?

Qual é o nome que chamo? O teu, sempre, e em primeiro lugar!

Chamo o teu nome porque me conforta e aproxima de ti. Chamo o teu nome para te acalmar e para te deixar a ferver, cheio de vontade de mim. Chamo o teu nome quando desespero, por não ser capaz de me explicar.

Chamar por ti, de cada vez que preciso que me entendas e que te foques, em mim, sabendo que te irás aproximar, ainda mais. Já há algum tempo que chamo por ti, e que procuro fazer o que sempre fiz, contigo por perto. Já há algum tempo que chamar por ti, me passa a sensação de realidade, e de certeza. Chamo por ti por todo o amor que tenho e pela saudade que se foi agigantando e que se recusa a sair.

Estou pronta, hoje bem mais do que ontem, para chamar o teu nome quando o meu corpo se enroscar no teu, quando sentir do que és feito e quando o meu prazer se misturar no teu. Estou pronta, como nunca estive antes, para deixar para trás o que eu era, quando era apenas eu, e para receber o que passaste a representar. Estou pronta

Em quem pensas?

Pensas em ti ou em nós?

Pensar inclui querer, ao outro, o que queremos para nós, tudo o que nos deixar melhor e que nos souber aos sabores que nos passam os sentimentos verdadeiros. Pensar em quem se ama, terá que ser feito bem antes de pensarmos em nós mesmos. Não conseguir pensar, significa apenas que queremos fechar a porta que abrimos, porque mantê-la aberta será demasiado.

Pensas em ti, ou em nós, quando estás sozinha, a olhar para o nada que criaste quando afastaste quem amavas? Pensas em ti, MESMO, quando te impedes de sentir o que apenas o outro te pode passar? Pensas em ti quando desistes, quando te magoas nas tuas palavras e de cada vez que rasgas, mais um pouco, o que já começou débil e inseguro?

Quando e enquanto o sono não chega, avalias o que foi passando, a uma velocidade que excedeu a tua capacidade de adaptação. Ouves as palavras, sentes os toques, mas somas cada lágrima e foram realmente muitas.

Pensas em ti quando percebes quem és e entendes que és assim mesmo, mais f…

Decidi!

Decidi escrever sobre nós e vou tentar fazê-lo sendo o mais fiel e genuína possível!

Não sei o que tens, ou talvez até o saiba, porque o que conseguimos foi sempre crescendo e melhorando. Não acontecemos logo no princípio, mas chegámos a uma velocidade estonteante, como nunca tinha sequer ouvido falar. Já não somos exactamente crianças e é por esse motivo que sempre acreditei que sabíamos o que queríamos e precisávamos um do outro. Pensava, mas pelos vistos de forma errada, porque nesta equação eu não sou a única parte importante.

Nunca me cruzou a ideia de que não tivesses aparecido no momento certo, porque encontrámos forma, eu e tu, de estabelecermos prioridades e de nos cuidarmos emocionalmente. Nunca, em momento algum, tive vontade de recuar e de me arrepender de ter embarcado na viagem mais louca da minha existência. Nunca senti que te deveria culpar por me teres procurado, porque me soube bem deixar de te fantasiar, tendo-te mesmo.

Dizias-me que sabias quem eu era e porque te d…