Ontem!

by - março 10, 2017

adults, audience, band
Feelme/Ontem!Tema:Contos!

Ontem estava inquieta, apetecia-me dançar, ver gente, sentir-me viva, estar aqui, neste mundo, não apenas para cumprir, mas para ser e ter!

Tenho tomado pílulas de calma, de paciência, para que quem já tanto significou para mim não saia magoado, afastado da vida que sempre conheceu. No entanto o meu "eu" continua a ficar para trás e começo a sentir-me exausta, sedenta de escolher o meu próprio destino, de regular os meus dias e noites e de poder, sem qualquer peso ou responsabilidade, ser eu mesma, ir, viver.

Enchi-me de coragem, vesti o meu vestido vermelho, pus o casaco preto e as botas altas até aos joelhos igualmente pretas. Com os cabelos já bem longos, brincos até aos ombros, maquilhagem discreta e muita vontade, fui.

Entrei no bar, a música inundou-me de imediato o corpo e os meus pés rogaram-me que os mexesse. Olhei em redor, caramba, demasiados homens, muitas cabeças que se viraram, antecipando "carne fresca", não foram nada discretos e acompanharam-me com sorrisos e palavras que não descortinei, até à pista, onde fui tentar perceber o ambiente.

Abstraí-me totalmente de mim, de estar num lugar apinhado de gente cujos rostos jamais vira. Deixei que a música me invadisse e usufruí da minha noite de libertação, da minha vontade de decidir e de querer.

De mansinho comecei a seguir os ritmos, o meu corpo não resistiu mais e ali mesmo, no local onde estava, libertei os movimentos que me prendiam, dancei, muito, sem ver ninguém. De repente era como se tivesse sempre feito aquilo, sentia os meus lábios sorrir, o ritmo a invadir-me, a minha sensualidade a sair por todos os poros, do meu ser, da minha vontade e da minha liberdade emocional. Tomar as rédeas à nossa vida parece fácil, mas existem tantas portas para fechar, tanto para deixar no passado...

Ontem a noite foi minha, não conheci ninguém, nem permiti que se aproximassem, só queria ser eu, não me apetecia falar, explicar-me, queria exorcizar medos, celebrar a coragem, regressar à vida. Once again!

You May Also Like

0 comentários

Como terminam os meus dias?