Também já tinha tão pouco!

abstract, brick, bricks
Feelme/Também já tinha tão pouco!Tema:Sentimentos!

Julguei que fosse mais difícil. Julguei que te fosse sentir a falta e que não conseguisse funcionar por já não te ter, mas a verdade é que também já tinha tão pouco!

Tu só chegavas aos pedaços, da forma que te dava jeito, quando te dava jeito. Eu era a que esperava, paciente, para que te anunciasses, para que me fizesses ter a certeza que estavas do meu lado, mesmo que longe. Tu só chegavas quando precisavas muito de mim. Tu só chegavas se o resto do teu mundo já estivesse resolvido e depois, depois então vinha eu.

Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque na verdade nunca estiveste, não comigo e não por inteiro. Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque nunca me fizeste sentir a única, a que precisavas e a que te bastaria. Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque provavelmente tudo fizeste para que nunca sentisse.

Quando paramos e quando olhamos para trás, para cada segundo de todos os minutos que tivemos que esperar, tudo se torna tão claro e tão evidente, que nem nos atrevemos a sentir falta. Não do que não era. Não do que não tínhamos. Não de quem nunca tinha sido.

Não te imaginei, tive-te, senti-te, toquei-te e fui tua, mas esfumaste-te demasiado rápido e sem qualquer esforço, porque a verdade é que não se perde quem nunca se teve. Não se sente a falta de quem apenas nos sussurrou, de quem nunca sequer prometeu, e de quem até ao beijar deixou pouco sabor. Foste sempre tão pouco. Fugiste sempre, com tanta mestria. Procuraste, sempre estar tão ausente, que só me poderias ter deixado com o que tenho agora, com NADA.

Não arrisquei, achar que jogaste o tempo todo, que me mentiste, o tempo todo, que me usaste, o tempo todo e que nunca me quiseste como te queria eu, o tempo todo. Não o arrisquei para não ter que pensar em ti e no que cheguei a desejar que fosses. Escolhi deixar-te ir, sem te sentir muito a falta, e aceitando que teria que ser assim, porque até já o fora antes, e porque também já tinha tão pouco...