7.2.18

Já não gostas de mim?

Desventaja


Sei quem foi que me abordou e de que forma mostrou gostar de mim. Sei quando chegou e porque demorou, supostamente, muito tempo. Sei o que senti quando me tocou e porque me rendi a cada palavra. Sei tanto, mas de repente, sem qualquer aviso, passei a questionar tudo e a não ter como responder a nada.

Já não gostas de mim?

Por vezes nem queremos ouvir a resposta, talvez porque não seja necessário, as evidências por norma estão todas à vista, mas porque as palavras têm poder, elas curam, matam ou deixam morrer, precisamos sempre de algum som que acompanhe os consecutivos silêncios.

Já não gostas de mim?

Ainda nem te vi pestanejar. Não dás qualquer sinal de cedência. Não estás disponível, não para mim ou para as minhas perguntas. Não estás aqui, já não...

Como é que nos transformamos, do nada, a uma velocidade que parece superar a do pensamento, e mudamos tudo o que esperavam de nós? Qual é a nossa desculpa para o alheamento que força a que desistam de nos incluir? Se não queremos ou já não somos capazes, temos que abrir caminho para que outros retomem do mesmo ponto. Se não somos capazes de responder a perguntas óbvias, já demos todas as respostas!