5.2.18

Será que há tempo que chegue?

Brass Pocket Watches


Será que conseguimos olhar para o tempo da forma que ele corre, rapidamente e sem qualquer contemplação para com os indecisos. Será que há tempo que chegue para tudo o que ainda nos falta fazer? Será que não cedemos demasiado, esperando pelo amanhã e depois e depois, julgando que estaremos cá? Será que não somos demasiado ingénuos?


Caramba há tanto para agradecer e muito mais para melhorar. Existem momentos difíceis para todos nós e alguns sem aparente fim à vista, mas acordar num dia com sol, mesmo que o frio nos corte o rosto. Conseguir mover cada músculo, sorrindo ao que nos move e chorando porque podemos, é tão maravilhoso que deveria ser celebrado, conscientemente. Quando e de cada vez que nos é permitido fazer a manutenção dos sonhos, teremos que entender que há umas quantas coisas para agradecer e que desistir não poderá ser opção, não em nome dos que não conseguem adiar os dias, porque os perdem.

Será que há tempo que chegue para amarmos todos os que vão entrando? Seremos capazes de usar as palavras certas, não deixando nada por dizer, mesmo que usando umas quantas em demasia? Teremos a noção da sorte que nos foi soprada, apenas porque continuamos, alguns de nós, determinados a estar por aqui?

Se pensarmos em demasia, poderemos até entrar em colapso, avivando medos reais, mas se não pensarmos de todo, acabaremos por nos impedir de usufruir do que já foi criado para nós. Assim sendo escolho pensar, reavaliar e redireccionar cada caminho, até porque planeio, com toda a insegurança que a minha segurança me permite, carregar e saborear TUDO.