6.3.18

Quando a impotência se instala...

O Perfume:    Os dias sem ninguémpequeníssimos recados escrit...

Tive sempre mais de metade de mim a funcionar em pleno. Soube sempre o que fazer com o que não me era feito e nunca me rendi à pequenez generalizada. Consegui, sem sequer saber muito bem como, contornar obstáculos e continuar em frente. Nunca me deixei levar, não pelo desalento e muito menos pelas dificuldades, mas confesso que o resultado está a ser um desligar gradual e determinado de tudo o que não me basta, nem resolve.

Quando a impotência se instala. Quando e de cada vez que não me consigo movimentar, eu mesma, sem que precisar de alguém seja uma exigência, sinto o frio nas entranhas e torno-me igualmente fria, distante e dura. Todos os meus movimentos passam a ser mecânicos e até o sorriso se torna uma imposição. 

Não estou a ver o mundo com menos cor, mas as que me movem passam a esbater-se e o descrédito junta-se ao meu nome próprio. Não escolhi parar-me, mas parei de me mover em algumas direcções. O meu coração não se cansou, não ainda, mas forçou-me a subir os muros para além da altura regulamentada. Não deixei de ser eu, mas já sou uma mulher muito diferente, menos presa aos outros e muito mais solitária. Não tem que ser mau, nem sequer bom, é apenas uma condição, uma escolha e um estado de alma. 

Quando a impotência se instala, a vontade acompanha-a, e a minha está em níveis demasiado baixos para que me interesse pelo que deixou de ser interessante!