22.10.18

Se insistires, só perderás!



Se insistires, mesmo quando perceberes que já não tens forma de continuar, só perderás o teu tempo, a tua frágil fé nos outros e sobretudo a ti mesma. Não queiras migalhas. Não aceites que te recebam nos intervalos das vidas que não sabem viver. Não compactues com conversas de conveniência, ouvindo o que não te acrescenta e tendo que dizer o que não resolve. Não te ponhas em nenhum outro lugar que não o primeiro, gosta de ti, muito e depois sim, poderão gostar-te como esperas. Só perderás se não mudares de rua e se não olhares mesmo, para o que está à tua volta agora. Ninguém pode ser mais do que o ar que respiramos se não respirar do mesmo. Ninguém poderá completar o que nos falta, se não nos souber ver, ou sequer entender.

Se não estiver contigo minha querida, então não adianta, certo?

Sozinha não fazes uma relação. Sozinha não consegues abraçar-te, beijar-te e tomar o teu corpo de forma a que fique completo, por isso organiza-te, recalcula, reorganiza e estabelece prioridades. Não teimes mais, liberta-te, e vais ver que em breve terás quem valerá realmente a pena, de contrário e se insistires no que tens agora e que não te basta, acabarás a perder o que tanto te levou a conquistar.

21.10.18

A que é movida a tua coragem?


Que coragem precisas de ter para sobreviveres à vida que vives agora, e resistires ao que deixaste de fazer enquanto apenas sobrevivias? Será que tens noção do que sobrou e do que ainda não foste capaz de começar? Será que encontras respostas para a tua pequenez e medo?

A que é movida a tua coragem quando estás a ser testada, e quando até sabes que o és grande parte das vezes? O que te afasta do objectivo, ou te impele a ir ainda mais longe? O que precisas que te peçam, ou o que nem precisam de te pedir, porque já sabes o que ser e quem?

A vida nunca será tão fácil quanto desejavas, mas nem tão difícil que te impeça de conseguires ainda mais e melhor. A vida é o começo depois de muitos recomeços e apenas o final quando desistes e sabes que desistir não pode ser opção. A vida passa por fazeres escolhas, dia pós dia, mas com a certeza de que não repetirás as erradas. A vida terá que reflectir a tua coragem, ainda que tenhas medos infundados, porque é suposto que existam.

A que é movida a tua coragem? Vais ter que o determinar, tranquilamente, a cada novo acordar, certa de que depois de adormecer terás muitos mais dias para seres ainda mais corajosa. É apenas isto!

19.10.18

E se eu te quiser sempre?


Bruna Marquezine (Foto: Reprodução/ Instagram)


Começou a minha azáfama, muito trabalho como gosto. Uma correria imensa que faz os meus dias parecerem mais pequenos. Uso, talvez inconscientemente, de tudo para não te pensar e para não te querer, mas mesmo em poucos segundos, o pensamento corre veloz para o que outrora foi o meu colo, a minha vontade de estar mais viva e acordada.

Estás demasiado longe de mim, aliás sempre estiveste. O teu mundo é mais corrido, exigente e não permite hesitações. Quiseste sempre respostas rápidas e que eu estivesse pronta para ti, mas não fui capaz então e desconheço se já o estarei agora. Ainda penso demasiado, sobretudo no que será assumir nova relação, séria and totally commited. Tenho vontade de ti, mas cada um no seu espaço, não cruzando necessidades diariamente. Estou mais egoísta? Talvez, mas quero o meu sofá só para mi e a ti sempre que necessitarmos um do outro.

E se eu te quiser sempre?

Mas porque dificultamos tudo, porque precisamos de palavras dos catálogos? Não poderíamos apenas usufruir, sentir e amar sem pressas e sem horários? Não me digam que estou a querer o impossível e que não é natural estar com quem queremos, só quando queremos. Por vezes apetece-me desistir, entregar os pontos e aceitar as tuas condições, mas depois levanto-me corajosa e digo que amar não pode ser só servir o outro. Cada um de nós é um ser, um indivíduo, com vontade própria e não deverá ser subjugado em nenhuma circunstância, nem mesmo por amor!

17.10.18

Quando é que reconhecemos quem nos ama?

Certas lembranças São suficientes para fazer a alma sorrir. Para sempre...

Os começos fazem-se pelo princípio, claro, mas nem sempre iniciamos da mesma maneira e com a mesma intensidade. A necessidade de encontrarmos no outro o mesmo amor que sentimos, por vezes deixa-nos a fantasiar bem mais do que a viver e as quedas poderão ser fatais.

Os sinais estão sempre lá. A forma como sentimos quem nos sente, é clara e apenas nós escolhemos a versão melhorada da coisa. Quem nos quer demonstra-o, sempre e em todos os momentos, sobretudo nos começos. Quem não sabe o que fazer connosco, escuda-se a mais emoções e retira-se, nem sempre de forma airosa, para que os seus danos não sejam maiores. Nós, os sonhadores de serviço, escolhemos no entanto fingir que não estamos apenas a ler bem as legendas e espetamo-nos de cara no chão, deixando cicatrizes bem visíveis e duradouras.

Quando é que reconhecemos quem nos ama? Quando nada carrega dúvidas, mesmo que as relações sejam envoltas em muitas perguntas, avanços e recuos. Quando as emoções têm a mesma densidade. Quando as palavras nunca são suficientes para que nos digam o quanto somos importantes, mas as acções acompanham cada uma. Quando o olhar não foge e os abraços se prolongam. Quando os "ses" são substituídos pelos "sim"; "claro"; "tu" . Quando dizer amo-te não é arrastado, nem difícil, nem embaraçante. Reconhecemos quem nos ama quando não precisamos de perguntar, frequentemente, se nos amam. Reconhecemos quem nos ama de cada vez que sentimos que ninguém se poderia encaixar na sua vontade de ter alguém, para além de nós. Reconhecemos quem nos ama quando o futuro é precedido dum presente onde estamos, ambos, verdadeiramente presentes. Reconhecemos quem nos ama quando o amor é fácil, natural e óbvio, tudo o resto são apenas desejos e nem sempre podem ser satisfeitos!