És tu, já percebi!



Se dúvidas houvesse, certamente que a Andreia as teria perdido todas, logo ali, mal olhou e tocou o Paulo.

Marcaram, de fugida, um encontro para que se pudessem sentir, para que o respirar fosse mais próximo e profundo.

Assim que o seu sorriso se rasgou, Andreia soube que era ele, o seu toque que acompanhava agora a voz que a seguia e perseguia dia fora, era familiar, fazia-a vibrar, sentia-o bem dentro de si, e o prazer, caramba, o prazer de o ter tão perto era tudo o que poderia desejar, mesmo os pedacinhos de momentos, mínimos que nunca lhes iriam bastar, mesmo esses eram maravilhosos.

- Estás bem miúda?
- Contigo estou sempre bem.
- Quando é que te vou ter inteira?
- E se fosse agora?

E foi! Aconteceu, tiveram-se, amaram-se, ansiosos, desesperados. As duas horas pareceram pouco, seria sempre assim, mas pareceram dar a força que por vezes lhes queria fugir.

Relações, são sempre complicadas, penosas por vezes, mas sem elas estamos vazios, os dias caminham, não correm, não se vive, sobrevive-se. Se amar é isto, querer demasiado e recear, recear sempre o que não se entende ou desconhece, então que se ame, mil vezes, do que ficarmos vazios por dentro. Isso sim é morrer devagarinho!