27.10.13

Lonely...




Foi assim, connosco, num tempo que quero esquecer, num tempo em que nunca paraste para me olhares e dizer o que quer que fosse, em que apenas teria parte de ti quando fazíamos o amor que já não me bastava, mas servia para te sentir, para sentir o cheiro do homem que uma vez me fez amar loucamente, desejando que ficássemos e fossemos um só.

Nunca deixei de te querer, de deixar de me importar, mas sei que passaste a não me ver, e que nunca te esforçaste para "carregares" a Mulher que sabias que eu era, a que te encantou pela força de viver, pela alegria, e pelos sonhos que adiei pela tua incapacidade de sonhar comigo.

Eu sei, hoje sobretudo, que fiz tudo, que te dei tudo, e que de nós nasceu a nossa melhor obra, a que irá perpetuar o que uma vez foi tão bonito, mas agora já não quero olhar mais para trás, simplesmente porque passei a entender, finalmente sei, que se não fomos mais, se não continuámos, a incapacidade foi tua, o teu desamor, pequenez, matou-te e a nós como casal.

ESTOU LIVRE, pronta para voltar a ser a Mulher que alguém irá reconhecer, e aí poderei dar-me inteira, ser quem possam sentir por dentro, oferecer TUDO o que sempre fui, deixar de me sentir só e ter sempre as palavras que preciso povoem o meu Universo.

Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...