10.3.14

Estás aqui?

Feelme/Estás aqui?Tema:Contos!
Imagem retirada da internet
O convite para o jantar e saída sem hora de regressar estava feito há duas semanas e durante todo esse tempo fui tentando fugir dele, ensaiando desculpas, mas o bom do Jorge não me permitiu vacilar e foi buscar-me bem antes da hora combinada.

- Achaste que eu não iria?
- Não te conheço já miúda?
- Não sei se estou preparada e tu melhor que ninguém o deverias compreender.
- Estás sim, todos nós olharemos por ti. Um dia terias que resolver esta situação e hoje é um bom dia, como qualquer outro.

Até nos meus sonhos eu tentava exorcizar o meu medo de o voltar a ver. Fora acusada de egoísmo, de não conseguir amar o bastante para o seguir até ao fim do mundo e a verdade é que não conseguira porque também gosto de mim, muito por sinal. Não o segui porque tenho vida própria e porque ficaria aqui, como estou agora, à espera que regressasse, mas entendeu que seria assim ou não de todo e acabámos a apagar, em segundos, após trocas de palavras bem amargas, anos de cumplicidade, tanto cuidado, tempo em que fomos apenas nós, mesmo quando meio mundo nos rodeava. 

- Terra chama Mariana.
- Desculpa Jorge, estava dentro dos meus pensamentos, bem dentro.

O que se passou quando chegámos foi bem para além do que eu poderia esperar. O Pedro não resistiu e mal me viu deu-me um abraço que me apertou até os sentidos, roubou-me o ar com o beijo pelo qual que ansiei noite após noite nestes últimos 8 meses. Senti-o estremecer e o mundo, os amigos que certamente nos estariam a olhar tão espantados quanto o estava eu, simplesmente desapareceram, deixaram de existir.

- Eu não sei ser sem ti, tu és a pessoa que faz tudo valer a pena. Sabes que te amo não sabes?
- Sim Pedro, sei e nunca deixei de te sentir. 

Nunca pensei muito no que seria ser lamechas, mas certamente o cenário o representaria muito bem. Duas pessoas bem crescidas a retomarem o que nunca deveria ter sido interrompido. Quando se quer alguém assim, tanto, de forma em que o que somos não conta se não a tivermos, os padrões, os formatos, tudo se esvaie e deixa de ter importância.
















Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...