Para quem?




O que tenho dentro não tem como se segurar, nem sequer tento, não tenho intenções de explodir ou de implodir.

Será para mim em primeiro lugar, que permito que toda a minha revolução interior, o desasossego, a vontade de nunca me silenciar, saia em forma de palavras, que o meu Universo tão verbal nunca pare de girar, se me "calarem" encho-me de ar sem oxigénio e morro!

Se todos os outros souberem como me escutar, ler, então o que tenho irá sempre direitinho ao único lugar possível, aquele que nos mata, mas também nos trás de volta à vida, a cada dia...

É para vocês que sopro os sons de dentro, que partilho o que não tenho como calar, que me dou, de forma mais ou menos clara, mas sendo eu a cada vogal e consoante.

Obrigada a todos quantos inspiram o que importa realmente!