Quem disse?



Quem afirmou, como se soubesse dos mistérios do mundo, que não se sobrevive a um desamor sem mazelas?

Quando gostamos de nós e nos respeitamos, o que não conseguem dar os outros deixa de ser problema nosso. Eu fui das que aprendi a apenas amar quem o deseja. Ao fazermos uma triagem, percebemos do que padecem e o que esperam de alguém, e assim conseguimos chegar a algum lugar ou a entender que não se chegará a lugar algum.

Os amores não podem ser unilaterais, quem dá precisa de receber, quem sonha precisa de matéria para manter vivo o que criou, precisa de chama, de oxigénio e ou o outro é capaz ou terá que sair de cima.

Sou um ser afortunado por nunca ficar a remoer dores que não pretendo carregar. Levanto-me e continuo, arregaço as mangas e produzo, faço os meus dias correrem à minha velocidade, sorrindo no percurso e entendendo que o que não me pertencia não teria como ficar.

Quem disse que se fica a sofrer horrores de cada vez que nos olham sem nos conseguirem ver e nos avaliam por baixo? Eu atesto que as pessoas só têm a importância que decidirmos atribuir-lhes, nem mais nem menos.

Cada vez que cresço um pouco mais, coloco-me um lugar à frente, já sou eu em primeiro, em segundo, em terceiro...