Tornar-me piegas?

NO, PLEASE!!! Não me apetece de todo, mas também sou humana e tenho dores, sobretudo de alma e sei que esta dor vai custar a passar se eu a remoer, se olhar demasiado para o que podia ter sido feito, se me culpar por não ter percebido!


Tornar-me piegas? Mas é que nem pensar!

Mesmo quando viajamos para o nosso destino, e até conhecemos todo o percurso visualizando-o, teremos sempre que ir percorrendo cada pedaço de estrada onde por vezes surgirão buracos, obras, ruas cortadas e desvios. Eles surgem quando menos esperamos e estão nos lugares menos prováveis, simplesmente porque não controlamos nada, ou muito pouco.

Não me vou castigar, não desta vez, porque sei que me dei toda. Sei que fiz o que era suposto e que baixei as guardas. Sei que estive quando me foi pedido e que me visualizei do outro lado, no teu caminho, mas não deu, tu não quiseste, não o soubeste partilhar comigo, pensando nas soluções, esperando e viver um dia de cada vez, ajustando-o.

Nem tudo é mau, já te tive e senti, provei-te, estive nos teus braços e gostei de cada segundo. Vou-me agarrar ao que realmente importa e seguir com a minha vida. Depois de ti virá quem saberá de mim, tenho a certeza!