28.12.15

Quando passas...



Quando passas, é inevitável, não há como deixar de sentir o teu cheiro. Estás em cada lugar, em todas as esquinas e obviamente, em mim! Quando passas, cada pedaço do meu corpo reage, os meus sentidos apuram-se e fico tão alerta que seria capaz de te seguir até de olhos fechados. Quando passas todos os outros cessam de existir e o mundo passa até a girar ao contrário. Quando passas, fico quieta, à espera que me sorrias e te aproximes, que me toques e me beijes, que me abraces e me leves o resto do dia.

Já cheguei a achar que se não te tivesse não teria nada, mas percebi que não era verdade. Mesmo que sejas quem me consegue ver através de mim. Mesmo que me tenhas presa em cada poro. Mesmo que me faças questionar até o sentido da vida, sei que se te fores, parte de ti permanecerá e o teu cheiro voltará de cada vez que te sentir a falta. Já cheguei a sentir o ar falhar, o corpo a retesar-se de cada vez que admiti a possibilidade de te perder, mas percebi que se não ficares é porque o decidiste e não porque te mandei embora, por isso terei sempre o que vale a pena enquanto valer mesmo a pena.

Quando passaste a primeira vez, achei que estaria capaz de fugir deste mundo, largando tudo e todos e devotando-me ao amor que passaste a representar. Mas... e o mas é mesmo tramado, porque com ele abrem-se outras possibilidades, se não pudermos, se não quisermos, NADA, mas mesmo NADA deixará de correr como antes, apenas o cheiro se esfumará eventualmente, mesmo que se mantenha. Ninguém será jamais um mundo, e ninguém poderá alguma vez substituir o que já somos e temos, apenas acrescentar. Por isso, e agora, quando passas o teu cheiro recorda-me de tudo o que foste, o que ainda és, mas também do que continuarás a ser para mim, se não ficarmos.

27.12.15

De onde te vem o talento?

Feelme/De onde te vem o talento?


Acabaram de me perguntar porque consigo expressar-me desta forma, fazendo com que os outros se revejam no que escrevo, mas eu só sei que as palavras vão saindo, sem qualquer plano. Sento-me, olho para as teclas do computador e deixo-me ir!

Se tivesse quem fizesse a correcção ortográfica por mim, nunca relia o que escrevo, porque quando o faço sinto-me estranha, e assustada com os sons que deixo escapar. Por vezes estou apenas a lavar a alma, a impedir que o corpo se ressinta de uma dor intensa, mas outras há em que escrevo fora de corpo, sem qualquer ligação emocional, tão vazia que diria estar num sono profundo.

Quando estou mais "down", bastam os primeiros acordes de uma música, e o resto flui, saindo mais veloz do que a minha velocidade fisica. Mesmo que o meu mundo esteja a desabar, nunca me consigo silenciar, arranjo sempre forma de me debitar, de deitar fora partes de mim, porque sei, que no final, ficarei mais tranquila e restaurada.

Já tive ocasião de dizer que este alegado "dom" chega a ser um castigo, porque seria tão bom conseguir silenciar-me, impedindo-me de querer demasiado, esperando, dos outros, o que nunca parecem ser capazes de me dar.

Onde estará, afinal, a metade de mim, aquele que saberá tudo o que tenho dentro e que nunca terá que ler, uma única palavra, para saber do que falo?
Onde estará quem me consegue incluir, de forma natural, sabendo por onde podemos e devemos começar?
Onde estará quem tem a força, emocional, para me aceitar como sou, não temendo nenhuma das minhas palavras, porque elas não são escritas para magoar, são apenas pedaços de mim que não tenho forma de silenciar?
Onde estás tu, quem eu até já vi e senti, mas que continuas com uma imagem tão difusa, que não sei como lhe chegar?

Estávamos a precisar...

Feelme/Estávamos a precisar...


Estávamos a precisar, os dois, e a descarga foi tão intensa e real, que nenhum de nós se arrependeu!

Existem males do coração que o corpo consegue curar, e eu decidi que podia, que contigo seria possível, e foi realmente. Não nos prometemos nada, pouco falámos, apenas nos abraçámos, como se o amanhã já não fizesse falta, e tivemo-nos, um ao outro.

Não me recordo, não desde que me conheço por pessoa, de ter feito amor apenas por precisar de pele. Ter sido contigo foi um acaso do destino, ou talvez não. Enquanto deambulava, solitária, numa rua fria e deserta, apareceste tu, com um olhar de quem se sente abandonado, e sem me pedires, abriste a porta do carro e eu entrei.

Não te olhei, deixei-me conduzir e senti que precisava de alguém que estivesse a precisar de mim da mesma maneira. Não sei onde fica a tua casa, não teria como voltar porque não estive atenta ao percurso. Não sei a cor das paredes, não me lembro sequer de onde estava a porta da entrada. A tua mão empurrava-me, de mansinho e foste tu que me despiste. Recordo as palavras de encorajamento, porque mesmo que tivesses percebido o meu sofrimento, querias que o nosso prazer me devolvesse o chão e me pusesse de pé, outra vez.

O som da tua voz guiou-me, dizias que eu era tal como sempre me tinhas imaginado e que era uma visão que fizera por merecer. Fazer amor contigo foi ritmado, tranquilo e desesperado. Ardemos ambos num desejo que quase nos consumiu, mas tivemos exactamente o que parecíamos precisar. O teu corpo também me surpreendeu, estás tonificado, musculado, e tens uma força que me fez levantar como se eu fosse uma pena.

Também não falámos, no regresso, mas o beijo, sincero e cheio do desejo que tivéramos, selou a promessa de que iremos voltar a tentar. Olhaste-me, de forma tão profunda, que quase me desnudaste a alma, e fizeste com que te disesse, ainda sem palavras, que confiaria em ti para me sarares. Se começarmos, os dois, do mesmo ponto, acredito que não tenhamos que fazer muito mais para nos acertarmos.
Começámos pelo fim, eu sei, mas também sei que a ti conheço, que tens o que tenho eu, e que não estás preso a qualquer grilheta física ou emocional.
Começámos pelo fim, mas qualquer começo é válido se o que desejamos for comum.

Não te agradeci ontem, mas faço-o, aqui, hoje. Obrigada por me teres vindo salvar, de mim!

23.12.15

Acordar contigo foi assim!

Holding you in my arms...I want to spend eternity and beyond with you in my arms CM,#:
Feelme/Acordar contigo foi assim!


Acordar contigo foi natural, tranquilo, mesmo depois de uma noite bem agitada, onde estivemos quase sempre acordados, tocando-nos para nos certificarmos que eramos mesmo nós, ali, juntos, em abraços que não quisemos despegar, com beijos que nos colavam as bocas sequiosas, com os corpos incapazes de se satisfazerem, mas satisfeitos com cada carícia.

Acordar contigo bem que podia ser sempre assim. Eu e tu, sem horários, esperando pelo cair de cada noite, e empurrando as manhãs para que nasçam bem mais tarde, permitindo-nos o tempo que nos recusámos antes.

O que mais se pode desejar de quem desejamos do nosso lado? O que se pode esperar quando as esperas terminam, e o que é nosso chega, como se não pudesse ter sido de outra forma? Para onde acabaram a ir os dias onde não éramos nós?

Não me importa o que tinha, quero saber do que tenho, agora, quero saber de ti, do que és para mim, e de tudo o que me consegues proporcionar, começando pelas noites das quais sei que irei acordar, contigo.
Não me importa quem estava antes, nem para mim, e muito menos para ti, porque o que importa afinal acabou por vir, e ficou.

Nunca sentimos falta, verdadeiramente, de algo, até que o deixemos de ter, isso já eu sei, mas também passei a saber que só poderia valorizar o que fosse meu, quando o sentisse, assim, com uma entrega que me deixasse inteira, a saber que ou era desta forma, ou jamais poderia voltar a ser.

Hoje acordar contigo foi assim, mais um dia de todos os que já são nossos e nos quais acordamos, ambos, com um sorriso que nunca ninguém será capaz de perceber.
Hoje, acordar contigo foi apenas para nos certificarmos, mais uma vez, que todos os restantes dias terão que passar a ser nossos.

Merry Christmas!!

Feelme/Merry Christmas!

21.12.15

O que faria por ti?

Feelme/O que faria por ti?


Já foi menos, e até mais. Já foram imensos sentimentos, misturados e saboreados também!

Gostaria de dizer que tudo o que faço é por ti, mas não seria verdade. O que faço, tem-te, isso sim, sempre em mim, porque os minutos não correm sem que estejas em cada um, e porque sei, que à hora que é certa, para os dois, o telefonema chega e a tua voz confirma o que já sabemos, tu e eu.

Tu és quem conheço, cada vez de um modo mais completo, e quase natural, como se de outra forma não pudesse sequer ser possível.
Tu és por quem fui esperando, com algum medo, achando que poderias nem vir a existir.
Tu és quem torna a minha vida, agora, capaz de ser vivida, em pleno.
Tu és com quem eu partilho o copo, meio cheio, de um amor que não terá que transbordar, porque o sentimos da forma certa.

Quem nos conhece, sabe, que há muito pouco que não faria por ti, e sem imprimir qualquer esforço, deixando-me apenas ir, e estando onde e como precisas. Quem nos ouve falar, do nosso amor, consegue perceber que de outra forma, ou com outros, não seria possível, não desta forma. Quem já nos viu chorar, com a falta que nos fazemos, percebeu que ou estamos juntos, ou metade de nós nunca mais será aproveitável.

Não sei se existirão músicas que oiça que não te tragam na melodia, assim como todas as que danço me forçam aos movimentos que repetimos, quando e de cada vez que os nossos corpos se juntam, para um outro tipo de dança.
Já não sei se conseguiria ser desta forma, sem ti, mas sei o que faria, mais ainda, por ti, se o pedisses e precisasses, por isso PEDE, podes, deves, e sou eu que o confirmo.

Já estás na minha pele!

Feelme/Já estás na minha pele!Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

O meu corpo acabou por aceitar o teu, cada um dos meus poros se abriu e permitiu que entrasses, TODO, alojando-te na minha pele e passando a ser parte do que já era eu!

Começaste por ser aceite pelo coração, o tal que, ou bate desenfreado, ou regressa aos batimentos normais, sem se interessar por mais nada, nem ninguém. Depois a minha mente decidiu analisar-te, para perceber se terias alguma das características que tanto me importam, e sem as quais jamais embarcarei numa aventura emocional. Gostei de cada uma, revi-te em todos os comportamentos, e senti-te em todas as emoções, mesmo nas que receaste mostrar. Depois, e só depois é que veio a pele, não menos importante, porque ou nos entranhamos, ou estranhamos sem volta.

Já estás na minha pele, cada pedaço de ti tem-se vindo a juntar a cada pedaço de mim, impedindo-me de voltar apenas a ser eu, no que quer que faça. Para qualquer decisão, para os passos que antes dava solitária, e até para as decisões que tenho que tomar, tu estás lá, aqui, sendo parte do que já sou, e permitindo que me sinta mais completa e acompanhada.
Já estás na minha pele e passei a sentir o que sentes, a tristeza, as desilusões, mas também os prazeres, as conquistas e sobretudo e mais importante ainda, o amor que me tens, esse sinto-o sem me atrever a questionar a forma ou sequer a origem.

Eu sei, tal como o sabes tu, que duas pessoas jamais poderão ser apenas uma, e que tentar nem sequer é realista, mas podem fazer mais sentido, querer de forma parecida, ajustando os gostos, ou vivendo-os separadamente, porque o prazer de uma, crescerá até à outra.
Eu sei, tal como acabaste a saber tu, que fui eu que te escolhi primeiro.

20.12.15

Não desistas. Não ainda...

warm side of winter  - steve hanks by JUAN DE FLANDES, via Flickr:
Feelme/Não desistas. Não ainda...Tema:Relações!
Imagem retirada da internet

Dá-lhe tempo, tenta percebê-lo, lê-o melhor e talvez o "esforço" até venha a compensar!

Não desistas de quem parece ter sabido como te tocar.
Nao desistas de um amor que surgiu quando mais nenhum te parecia já ser possível.
Não desistas de tudo o que vos une, de cada pequeno nada em comum, e que até se tem transformado no muito que já te atreveste a sentir.

Os medos, as dúvidas, as incertezas, vão sempre existir, mas podes escolher confiar, deixando que ele te veja, como és, e olhando-o tu, como ele é mesmo, porque algumas pessoas foram feitas para estarem juntas, para se tornarem mais completas, fornecendo, cada uma, o seu pedaço de história, e ajustando o que ambas procuravam.
Os medos impedem-nos de tanto, que já nada do que éramos antes, nem a coragem que parecíamos ter perante a vida, tem forma de nos conseguir confortar nos momentos mais desafiantes.
Os medos atiram-nos até para a chuva, deixando-nos de alma ensopada e numa solidão que se entranha, na pele e na carne.
Os medos fazem-nos esquecer de tudo o que já fomos capazes de resistir, vencendo cada etapa e passando à seguinte, mais capazes e confiantes.

Se desistes, eu vaticino que muita dor estará à espera, na vossa esquina, para um e para outro, e que acabarão tão magoados, que o afastamento emocional com os outros será ainda maior, e mais difícil. Dá-te a ti mesma mais uma chance, mesmo que seja a última, e depois, se mesmo assim não resultar, eu estarei aqui, para te dar o abraço que te encaminhará, aliviando de alguma dor, garantindo que terás mais dias, depois do cinzento, e que sobreviverás, a tudo, mas não sozinha.

Não desistas, não agora, persiste já que resististe tanto tempo.
Não desistas, não agora, não ainda...

17.12.15

E cheguei aos 2,500 posts!!

AMAZING!

Feelme/E cheguei aos 2,500 posts!

Não sei como o consegui fazer, mas a verdade é que 3 anos e 8 meses depois, já depositei muitas palavras neste blog, e encontrei, através dele, muita gente maravilhosa!

Cheguei a um dos meus marcos para este ano, não pensei nele todos os dias, mas quis atingi-lo, até porque chegar, "lá", só me poderia dar uma enorme sensação de poder.

Cheguei aos 2,500 posts, e em cada um ficou muito de mim, mas também de outras almas e corações. As palavras são minhas, mas por vezes, mais de 70 por cento do tempo, limito-me a usá-las para tranquilizar, ou abanar os outros.

Tenho recebido histórias, incríveis pelas dores e pelas conquistas, ouvido lamentos que forçaram a paragens, a sentimentos depressivos e a ódios também.
Tenho tranquilizado quem não encontra forma de entender quem ama,
Tenho ajudado a fazer travessias e tenho-me ajudado a mim própria, ouvindo com atenção o que fizeram de errado, tentando, com muito empenho, ser também eu melhor e mais coerente.

Nunca poderia ter escrito tanto, se apenas olhasse para mim e para a minha vida, e certamente que não teria sido tão convincente e motivadora. Nunca, desde o dia em que decidi criar o meu cantinho de palavras, imaginei chegar onde estou, partilhando as emoções que nos fazem querer continuar a viver, ou simplesmente apagar e morrer,  Nunca imaginei que o amor fosse uma arma TÃO poderosa e letal, e que tantos sofressem com ele e pela sua falta.

Gostaria de vos poder agradecer, um a um, mas já vão sendo mais do que conheço ou sequer tenho acesso, mas preciso que saibam, sem qualquer dúvida, que tudo o que faço é de mim, para cada um, e que se vos ajudar, de alguma forma, por aqui me manterei, até que registe mais 2,500.

Conseguir ter, na palma da mão!

Follow my blog with Bloglovin
I need a night like this in my life.. In the near future.. this would be cool with faces at the bottom:
Feelme/Conseguir ter, na palma da mão!
Parece difícil, mas se o consigo pensar e visualizar, então estou pronta para o receber!

O mais difícil já foi conseguido. Eu já sei o que quero fazer, onde me vejo no futuro, e com quem. Nada mais simples, certo? Todos nós sabemos que não é verdade, e que muitas pessoas, se não a maioria, passarão a sua inteira existência sem saber o que vieram "aqui" fazer, o que lhes está destinado, e de que forma poderão contrariar o que acabaram a atrair, mas que não as satisfaz, em nada.

Primeiro temos que sonhar, a seguir planear e visualizar, juntando empenho, e resiliência. Abanamos bem até conseguirmos a persistência necessária, e depois, depois é só permitir que chegue, estando com os braços, e a mente bem abertos.

TANTO que já acabei a ter, na palma das mãos, mas não se iludam, não se limitou a cair, eu fiz, e muito, para que acontecesse. Não desisti, procurei formas de contornar os desafios mais exigentes, desafiei-me a mim, sempre, testei e fui testada quanto à minha verdadeira vontade.

Na minha casa abundam os cadernos, os diários, as agendas, tudo que possua folhas, com imensas linhas, e as quais preencho com os meus objectivos e não terão forma de imaginar, a não ser que também o façam, o prazer que dá ir riscando cada ponto, sentindo cada concretização.

Também já aprendi que sou um íman, e que atraio TUDO, o bem e o mal, daí o cuidado extra, a necessidade imperiosa de não ser demasiado, arriscando-me a que chegue o que menos desejava, e afastando o que faria realmente sentido. Aprendi que há forma de controlar o que estiver a sentir, e que me caberá, sempre, reavaliar a sintonia, procurando o melhor para mim e para quem me importa.

15.12.15

Já sabes do que padeces?

I miss you so much it physically hurts. Or maybe I miss the idea of you, or rather, I am just sad that you lied and manipulated me in to loving you with no intention of returning those feelings.:
Feelme/Já sabes do que padeces?


Qual foi o diagnóstico, e que "médico" te consultou?

Para saberes do que padeces terás que fazer umas quantas reflexões, começando por parar de culpar, tudo e todos, pelo que te viste incapaz de concretizar.

Quem é que te conhece melhor?
Quem é a pessoa mais importante da tua vida?
Quais são os teus sonhos?
Onde te vês dentro de alguns anos?

Estas são as inevitáveis perguntas das sessões motivacionais, mas comportam o essencial e só nos cabe, a nós, responder, a cada uma, com toda a honestidade e depois sim, analisar as dores, e a forma como nos estamos a conduzir.

"TU" sabes que sempre existirão, histórias, sensações e pensamentos aos quais ninguém mais terá acesso. Até sabes que se por vezes te sentes no chão, apenas pela impossibilidade de te partilhares, completamente, permitindo que te salvem, ou que apenas te oiçam e aceitem, sem cobranças nem julgamentos.

"TU" és quem precisa de saber, exactamente, o que esperas, da vida, e de quem te afaga o coração. Mais ninguém pode, nem deve, impedir-te de escolher, mesmo que achem ou que tenham a certeza de que te vais esborrachar, porque o amor também é isso, deixar que se viva para se poder ter uma vida, e a nossa será sempre a que importa.

Para saberes do que padeces, se é que não o sabes já, terás, primeiro que parar de fugir, refugiando-te na tua zona de conforto, porque a vida não acontece lá, e se insistires, apenas te manterás a sobreviver!

Entrevista em directo da Rádio Hertz!


14.12.15

Dependências emocionais!


This is the cutest.:

Cada vez mais se ouve falar de ligações bizarrassentimentos deformados e dependências que se tornam tão cáusticas quanto o são as drogas duras. Mas o que "nos" leva a depender de outra pessoa de forma a perdermos a nossa própria identidade? O que "nos" falta assim tanto, para apenas conseguirmos funcionar se o outro estiver por perto? Provavelmente a crise de valores, os medos, o conforto que deixamos instalar, o não querer voltar a ser exposto, mostrando o que somos realmente, impede-nos de sermos verdadeiramente felizes e mais grave ainda, impele-nos a espalhar a nossa infelicidade, minando tudo ao redor.

Ninguém deverá ser mais importante do que nós mesmos, e temos que acreditar que a pessoa que nos chega, a mesma que escolhemos para fazer um percurso de vida, tem ela mesma vontades, desejos e sonhos que deveremos ser capazes de alimentar. Dar, recebendo, e ser, permitindo que o outro também o seja, será a forma certa, não esperando, em nenhum momento que sintam por nós e que a responsabilidade caia toda sempre sobre o mesmo. Não temos corpos iguais. As nossas almas viveram muitas outras vidas, e mesmo que nos tenhamos cruzado antes, NADA do que vivemos faz de nós a metade perfeita do outro. Ao invés de nos esforçarmos, em vão, para nos encaixarmos, deveremos usufruir das diferenças que certamente aumentarão a diversidade. Eu, comigo + Tu, contigo = Nós, connosco.

Será que conseguem imaginar dois seres totalmente felizes consigo próprios e juntos? Que relação bombástica!

"Eu quero mais para mim e desejo que encontres tudo para ti. Quero poder partilhar o que fores encontrando, ajudando-te a cumprir cada desejo. Quero que encontres no meu melhor, o que te manterá mais completo e que sejamos ambos suficientemente egoístas para termos TANTO em nós, que deixe de nos caber e jorre até ao outro. Não quero depender de ti, quero apenas depender da minha vontade de te ter comigo!

Parei-me!

Rosendorff 'Indulgence Collection' Brilliant Diamond Necklace:
Feelme/Parei-me


Deixei de me preocupar com quem te deseja, com quantas consideram que serias o homem ideal, e já nem quero saber do que julgam saber elas!

Parei-me quando percebi que estávamos em sintonia, e parei-me, sobretudo, porque nunca te poderia forçar a seres e a sentires o que eu preciso. Parei-me porque nos magoava, aos dois. Parei-me porque acredito que a forma como te amo, é tudo o que sempre precisaste.

Não existe nada, neste ponto da minha vida, que me deixe mais tranquila do que o amor que te tenho. Consigo sentir toda a energia que me passas, de cada vez que me lembras que acabaste de te lembrar de mim. Tal como sei que NADA permanece por tua causa, também é certo que é contigo no pensamento, que tudo caminha, de forma mais intensa.

Saber que existes e que é de mim que precisas, aumenta os meus poderes, desafiando a minha determinação e vontade de ser bem melhor do que já sou hoje.
Saber que te estou reservada, conseguindo esperar, de forma tranquila, para que venhas, deixa-me livre para fazer o que faço, desafiando-me e prosseguindo os meus sonhos, porque já te encontras em cada um.

Já sei que sou suficientemente mortal, para precisar de alguém.
Já sei que não preciso de ser forte, todos os dias.
Já sei que és tu, porque te reconheço a capacidade de fazeres de mim a mulher que quase arrisquei perder.

Parei-me, e já não quero buscar mais nada do teu passado. Preciso, apenas, de te continuar a sentir, e enquanto fores da forma que eu entendo, tudo em nós e connosco ficará bem. Um dia de cada vez, porque mesmo quase tendo tentáculos de polvo, não tenho como chegar a todo o lado.
Parei-me, porque se não o fizesse muito provávelmente te perderia.
Parei-me, mas apenas às partes menos boas, porque tudo o resto, e que até já vais conhecendo melhor, continua aqui, à tua espera.

11.12.15

Vou dizer tudo o que sentir por ti!

minha vida sem te ter , é uma enorme solidão, és quem dá cor aos meus dias, és quem me faz estar feliz, é em ti em que eu penso todos os segundos, minha vida resume-se a ti, simples!:



De agora em diante, se me fizeres falta. Se sentir que te quero muito e que preciso que me toques para me certificar que te tenho, vou dizerSe sentir, como acontece em grande parte do dia, que não consigo estar contigo, vou dizer que mudas cada olhar que uso para ver o que quero. Se para te deixar bem e fazer feliz eu tiver que dizer, 120 vezes que és o homem que preciso, vou dizer.

Quando nos dispomos a aprender, a prosseguir com o que nos veio parar às mãos, negociando e renegociando tempos, sentimentos e momentos, tudo acabará por se encaixar, eventualmente. Quando nos conseguimos distanciar de emoções revoltas e de medos, parando, falando e pensando no que pensará o outro, os elos da corrente manter-se-ão ligados, firmes e inquebráveis.

Eu sei o que sinto e de que forma passei a sentir-te. Sei por onde entraste e porque não planeio deixar-te sair. Posso dizer que é bom, querer-te assim? Não me fica mal reconhecer que és importante e que quero continuar a precisar da forma como preciso de ti? Devo aceitar o que me provocas e soltar-me?

Raios levem os medos, as vergonhas e tudo o que nos impede de nos deixarmos ir, acreditando no que ouvimos e ouvindo apenas o que nos soa bem. Que vidas deixamos de viver, e das quais tiraríamos muito mais, especialmente gente nova, completa e real, se ao menos tivéssemos coragem...

Está decidido. Vou interromper o ciclo, vou aceitar a minha evolução e vou abrir as mãos, sem receio do que receber. Desta vez certamente que será o dobro de tudo o que já dei, tu incluído.


De agora em diante se sentir, vou dizer, até porque já sei que me ouves!


9.12.15

E já são 16!

Feelme/E já são 16!


Mesmo que tenha a sensação de que passaram demasiado rápido, sei que vivi cada ano, e que fui SEMPRE a que estive em todos os passos que o vejo dar!

O meu segundo filho, o contestador, o que sabe o que quer e de que forma, até quando muda de ideias, é um ser muito especial, e não o digo por ser a mãe, mas porque sempre foi, mal nasceu, e me começou a desafiar, tal como faz agora, mas com ainda mais convicção, forçando-me a ser melhor e deixando-me envergonhada de cada vez que não consigo.

É seguramente a minha versão melhorada, porque encontra, mesmo no turbilhão de ideias que sempre o assolam, a tranquilidade que me falta. Não julga ninguém, nunca sem factos, e tem um coração que leva todos quantos vai conhecendo pelo caminho, armazenando-os com imenso carinho e respeito.
É um jovem homem, que se preocupa, genuinamente, comigo, e é a quem recorro sempre que sinto o medo disparar, medo de não o poder proteger, ou aos irmãos.

- Oh mãe, assim até me ofendes, quando achas que preciso da tua protecção.

É o que me diz com ar crescido, o meu praticante de Jiu Jitsu, já com um porte bem masculino e com uma força física acima da média. Porque haveria eu de o ter que proteger afinal? Porque sou a mãe, porque as mães têm um poder mais do que humano. e que nos permite esticar os braços, até onde estiverem, para os recolher das dores, dos desenganos, dos desamores e até do que nem sabem ainda poder vir a sentir.

Não queria nascer, veio com quase 4 quilos, desafiando a minha estrutura física, e sendo o único filho que senti no peito, deixando-me um calor que permanece até hoje. Se eu fechar os olhos ainda vejo o contorno da sua cara ansiosa, olhando-me para se certificar que era mesmo eu, a mãe que ouvia falar e cantar de forma suave para o incentivar a vir até a mim.

Dizer que o amo, pode parecer natural hoje, mas não o penso nem recordo apenas por fazer anos, eu sinto-o até quando não está comigo e vejo-o com a grandiosidade que demonstrará aos outros um dia, porque a mim já provou ser tão especial quanto o desejei. Amá-lo, a ele hoje em específico, tem sido um desafio à minha altura e mesmo que ache que não precisa, estarei sempre aqui, para o proteger e ensinar tudo o que sei, não apenas por palavras, mas mostrando-me, até as minhas fragilidades, e fazendo, para que me copie e para que complete o que deixei de fazer, por escolha minha, e porque não poderia estar em dois lados e amá-lo da mesma forma.

Desejo-te um dia cheio de amor, nosso, como sabes que tens, mas que hoje sentirás, certamente, de forma diferente. Um dia com mais recomeços, e entendendo que a idade também te trará responsabilidades, mas umas quantas certezas. Um dia no qual eu te possa continuar a garantir que tenho o mais importante para te dar, e que depois disso tudo o resto ficará demasiado pequeno.

Um abraço apertado, é o que te darei assim que voltares do mundo, para o único lugar onde NUNCA precisarás de ser outro que não tu mesmo.

Parabéns meu filho!

1.12.15

We used to!

Feelme/We used to!


We used to figure it out, going the same places, and being the same ones!

Nothing ever changed, not before, as it does now, the minute we walk out the door, because we´re not there, nor you nor I. We should have learned how to fight our differences, we should have accepted us both, with what we brought to one another, but we simply let it all go.

We used to be such good friends, laughing of silly jokes, wondering around for the same periods of time, and going whenever we had no other chance.
We used to love the same things, sharing the food and the sounds, dreaming of places where only one would never make sense.

Nothing is totally lost until we really lose it.
Nothing seems far when we manage to stay close. And no distance ever separates who wants to be together.

We used to know what the other wanted, with no effort, no rules, free of charges.
We used to know what was really important, and all the rest stood still, for as long as we made love.
We used to know each other´s body, so well, that just looking turned us on.
We used to see us, in the future, in the exact place and time.

Are we truly lost, can´t we go back? Please reassure me, please forgive me first, and I promise I will lock you in, you and the only heart in which I want to belong.

We used to be the only ones!


27.11.15

Estreia na escrita em andamento!

Feelme/Estreia na escrita em andamento!Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Estreia na escrita em movimento. Ontem não consegui deixar nenhum post agendado, afinal de contas até uma mulher tem limites e eu terei certamente os meus. Assim restou-me escrever no comboio, a caminho de um caminho que certamente terei que fazer muitas vezes, e perdoem-me a redundância, mas aqui tinha que ser.

Estou a precisar, mesmo, de me descolar do papel de mãe, porque eu uso de um exagero e de um contole que ainda os sufocará um dia. Não sei delegar, sou de um exagero que cansa, cansa-me sobetudo a mim, por isso esta nova etapa irá trazer ajustes benéficos para todos nós.

Mais logo darei notícias sobre o maravilhoso evento, no qual estarei presente. Tudo tem um início, um encadeamento, e como já ouvi dizer esta semana, a vida só é dura para quem for mole.

Mexam-se, para chegarem a algum lugar que valha mesmo a pena!




20.11.15

Estou preparada!

Summer Slumbers Free Photo
Feelme/Estou preparada!Tema:Me!
Imagem retirada da internet

Não sei se estou ou se fiquei, de repente, preparada, após ter percebido mais um milhar de coisas, mas seja lá o que for o estado, ou o caminho, a verdade é que me sinto diferente, como se tivesse, de repente, renascido!

Eu sou mulher, é um pequeno grande pormenor, que significa sobretudo, que gosto de dar nomes às coisas. Aos sentimentos então nem falar. E por isso pergunto-me porque afinal só consigo ver agora, com clareza, o que sempre esteve antes? O que mudou em mim?

Hoje é dia de reconhecimento, amanhã poderá ser de análise, e mesmo que não pare de pensar no assunto, já o consigo segmentar. Como tudo o resto na vida, cada coisa na sua hora e lugar, porque se não for assim, rebento como os sapos quando lhes põem um cigarro na boca.

Agora já acordo preparada.
Agora sei como me relacionar com algumas pessoas que me faziam ferver de frustração.
Agora condescendo ao ponto de as deixar circular, como sempre o fizeram, mas sem me perturbarem.
Agora mando eu, até no que escolho sentir.

Viver não custa... nós todos conhecemos o ditado popular, e é mesmo verdade que tudo passa pela forma como vivemos, nós, e permitimos que vivam, os outros. Assim como também é verdade que o que tivermos que percorrer, cedo ou tarde o deverá ser, de contrário nunca nos sentiremos capazes de dar e de ser mais.

Uma mulher resolvida, sobretudo consigo, que já teve tempo de perceber onde errou e porquê, acaba a largar da mão e que não lhe cabe mais, e aceita o que vier, com mais energia e foco. Pareço um psiquiatra a falar, é só mumble jumble, treta, para ser mais específica. Estou a dar umas quantas voltas apenas para explicar que fiquei preparada quando achei que devia, nem um minuto antes, e mesmo que não fosse assim tão perceptível para mim, eu já sabia, porque me conheço, que tudo o que me esforço por conseguir, é alimentado, mesmo, e depois só tenho que aguardar que chegue.




17.11.15

Não te encolheste, nem quando te partiram!


Não te encolheste, mostraste alguns medos quando te partiram pela segunda vez, mas não te fechaste ao amor e acreditaste que terias um tempo e um lugar.Tens sido uma lufada de ar fresco, para todos e até mesmo para mim quando arrisco desiludir-me, achando que a minha vez nunca chegará.
Tenho-me alimentado do amor que te vejo reflectir e que reflexo maravilhoso chega do teu olhar, das palavras que agora carregas e já sem os medos de antes.

Conheço tão pouco de ti, mas consigo sentir cada pedaço de alegria que espelhas. Não sei praticamente nada do que vives, mas consigo perceber o quanto tudo se encaixou e como encontraste quem te ama, verdadeiramente, tanto quanto te sabias capaz de amar.

Precisamos de nos voltar a encontrar, para que me insufles cada gota dessa coragem de que te envolveste para teres tudo o que recebes, agora, com mérito reconhecido. Precisamos de nos aproximar, para que também eu te passe a certeza que me ficou, da possibilidade que nos caberá a todos, bastando que o queiramos, de ter quem conta do nosso lado e para que não pensemos em desistir do que é importante, porque mesmo que a entrada no caminho não seja a mais fácil, certamente que depois de estarmos no piso que reconhecemos saberemos até se de pés descalços o conseguiremos percorrer.

Este pedaço de mim foi todinho para ti, porque és uma mulher linda, de alma e de corpo, de carácter e de perseverança e porque é desta forma que te sei homenagear. Toda a felicidade do mundo e que cada sorriso teu se multiplique e espalhe para todos nós!

15.11.15

Nada é por nós ou para nós

Feelme/Nada é por nós ou para nós! Tema: Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Vivemos numa sociedade na qual nada, mas mesmo nada é feito de forma a que nos facilitem a vida, e para que sejamos mais felizes e completos!

As leis são apenas para um dos lados, os benefícios para os de mais poder, e todos os outros seguem, como ovelhas, pelas linhas da cor que determinaram. Não é suposto que reclamemos, que demonstremos desagrado, porque tudo foi feito de forma tão automática, que ainda nos conseguem deixar com sentimentos de culpa, de cada vez que nos atrevemos a discordar.

Ter uma voz dá trabalho. Dizer o que pensamos, como queremos e porque pensamos de forma diferente, obriga a que se tire o rabinho do sofá e se vá. Falar de trás, com uma voz de burro, não nos trará resultados, mas infelizmente para o país, a maioria prefere que seja assim.

- Vou-me chatear para quê?

Deves-te chatear para que nos chateemos menos, passo a redundância. Temos que ir aos sítios certos para que todos à volta possam beneficiar das melhorias, porque se for bom para ti, será certamente para mim, esta é a regra. Dividir para conquistar, e tão bem que se divide este nossa país à beira-mar plantado. Faz-se de mansinho, sem muitas ondas e as mesmas continuamos a navegar, só que já não para descobrir, apenas para sobreviver.

O que é meu será meu por direito, O que eu mudar ficará para os meus, e de cada vez que eu lhes puder mostrar que ter iniciativa, saindo da nossa zona de conforto, pode ter resultados práticos, fá-lo-ei e serei o exemplo que tomarão para quando um dia precisarem de se defender a si e aos outros.

Nada do que me quiserem forçar, sem explicações e usando uma tabela única, alguma vez terá resultados, não sem que eu lute e esperneie.
Nada do que eu não precisar de engolir, será mastigado. Nunca!







10.11.15

Será que ainda se pode simplesmente estar presente?


Será que é possível, doable, como dizem os ingleses, ajudar os outros, sem mais nada, apenas porque nos preocupamos e até conseguimos forma de resolver o que mais ninguém consegue? Dito assim parece que a resposta só pode ser um sim redondo, mas aparentemente nada é claro nos dias de hoje.
Se fazemos é porque temos alguma intenção escondida, se não fazemos somos uns egocêntricos. Se ajudamos os de fora perguntam-nos logo pelos de dentro. Preso por ter cão...

Cada vez entendo melhor os que se arredam da vida alheia, os que dizem lamento, mas não posso, porque esses apenas se livram, na generalidade das vezes, de problemas que não lhes dirão respeito. Tudo é bem mais fácil quando somos apenas nós, menos propenso a debates e a análises, mas a verdade é que também existe a ajuda sem retorno, existem pessoas que apenas não conseguem virar a cara e fingir. Olhem só que chatice, ser humano tem mesmo porras. 

Eu acredito, piamente, que é possível sermos mais próximos uns dos outros, e não apenas nas ocasiões boas, porque para essas há sempre filas. Podemos dispensar alguns segundos para sabermos se estão bem, se precisam de falar, de um colo, ou calor especial, daquele que apenas os que se importam mesmo conseguem passar. Eu acredito que se dermos hoje, amanhã alguém se lembrará de nós, porque os ciclos apenas se completam desta forma!


8.11.15

Os nossos sonhos!

Feelme/Os nossos sonhos!Tema:Pensamentos!
Imagem retirada da internet

Todos os desejos que não nos inibimos de partilhar quando somos jovens, de sangue na guelra, a achar que o mundo congeminará a nosso favor, oferecendo-nos todas as oportunidades, que, aprenderemos mais tarde, apenas chegarão se fizermos por isso.

Os dias organizados pelos pais, as orientações académicas, mais ou menos apresentadas por quem aparentemente parece saber do que fala, tudo, mas mesmo tudo, corre sempre de forma previsível e natural, mas o resto das nossas vidas já não será assim, e de uma forma ou de outra, ficaremos a sabê-lo.

Quantos de nós não parámos já para pensar em tudo o que mudou, em cada sonho que jurámos manter, nos amigos que perdemos, e não porque o fossem menos, mas porque nos forçaram a entrar numa outra pele?

- É a vida - dirão alguns. É a passagem à vida adulta, que supostamente não pode ser envolta em risos, em concretizações, em amores que resultam, no modelo de família que tantas vezes vimos retratados nos melhores romances de cinema. Tudo parece ser possível, sim, mas apenas para os outros, porque para "nós" os restantes, existe o fatalismo, a inevitabilidade, as mágoas de grandeza, os sonhos que já não sonhamos mais porque seria até pecado tanta felicidade.

Soubéssemos nós, quando, inocentes e livres, corríamos pelos pátios do recreio das escolas pelas quais fomos passando, e mais forte e alto teríamos sonhado, porque pelo menos, e nessa altura, seriam sempre possíveis de manter.

6.11.15

Agora sim, sinto a tua falta!

25 Divertidas fotos que toda chica debe tener con su mejor amiga â‹® Es la moda


Mesmo o cinzento do céu não abafa o verde das árvores, agora com pinceladas de um castanho-mel. Até as nuvens que correm, velozes, permitem continuar a sentir o calor que virá das pessoas certas, das que ligam para um simples olá, das que se preocupam mesmo e que nos provam que a amizade quando instalada, permanece.

Já não te tenho tantas vezes, mas sabemos ambas que estamos lá, aqui, em todas as frentes, uma para a outra, partilhando-nos e às nossas preocupações. Rindo das tolices e quase chorando das derrotas inevitáveis, porque nem sempre se vence.

Sinto-te diferente, uma mulher mais determinada, de mente mais disposta e aberta ao que será bom para ti. Acho que percebeste, finalmente, que afinal controlas bem mais do que julgavas, que tens algo a dizer que merece ser ouvido, e é por isso que aceito os teus conselhos, porque o fazes de forma a provar-me que nem sempre estou certa, ou tão simplesmente, que tenho que aprender a ceder.

Sinto-te a falta. Falta dos nossos momentos de análise desenfreada da vida, das partilhas, dos medos, das esperanças, dos amores mais ou menos correspondidos e das nossas vidas num todo, porque já estamos por aqui há umas quantas décadas.

Ainda há verde, muita cor, mesmo que envolta em alguma solidão, sobretudo porque apenas sentimos falta do que acaba a fazer falta realmente. É bom que saibas que acabei de embarcar em mais uma "viagem" promovida por ti, e espero, sinceramente, que desta vez tenhas mesmo razão, até porque estou a precisar de que precisem de mim como atestas.




Depois da noite...


Feelme/Depois da noite...Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Chega um dia novo, mais um, e este, mesmo sem sol, chegou claro, simples e a fazer sentido!

Estou a ouvir uma música suave, com um bater de ondas que mesmo vindas de longe, chegam de forma libertadora e a recordar-me do que comecei e porquê. Não é desta forma que conduzo toda a minha vida, a fugir, a evitar o inevitável, a esconder-me de mim. Não foi isso que aprendi e não é o que pretendo ensinar. Tudo tem uma forma de terminar ou de continuar, mas há que o saber, é forçoso que se entenda e se pare de viver em suspenso, não é natural e não faz bem, a ninguém.

Do outro lado da minha vida ainda estás tu, e preciso de saber quem está do lado da tua, quero entender-te, falar a mesma língua, usando a mesma linguagem. Se for para que nos arrumemos, que seja, mas se houver uma luz, mesmo que pequena, então quero que se mantenha acesa, mesmo.

Será que conseguiste perceber que sou apenas eu a falar, e que não ter respostas muda as perguntas? Não posso continuar a dizer "eu", tenho que saber que "tu"estás mesmo aí, porque sabendo-o posso mudar muitas coisas, acredita em mim, por favor, uma vez.

Se tudo o que "li" foi distorcido, se errei na legendagem, temos agora o tempo e o momento de nos esclarecermos. Depois desta noite percebi que alguma coisa tem que acontecer ou simplesmente deixar de ser, por isso te estou a pedir que me aceitas, mais uma vez, só por um pequeno período da tua vida, para nos limpar-mos de nós, de uma vez só, ou para ficarmos juntos, para sempre.

Já pedi...

5.11.15

Quem é que nos percebe?



Quem é que nos percebe, a cada um de nós, homens e mulheres, sobretudo porque parecemos ter partes que pertencem ao outro, numa mistura que apenas serve para complicar ainda mais tudo?

Umas com cérebro de gajos, e uns com cérebro de gajas, puxaaa, assim é que não dá mesmo, já passamos metade do nosso tempo a tentar descodificar informações, ora se elas vierem em duas línguas em simultâneo, quem é que aguenta?

Por favor, mais paz e amor, mais entrega e paciência e menos cobranças, só temos esta vida, não vale a pena guerrear por um quinhão de terra que nem sequer é nosso. Eu pessoalmente, mesmo sendo de um sigo de ar, não gosto de pairar muito tempo lá por cima. Preciso de estabilidade, sobretudo emocional, as inseguranças e dúvidas dos outros desgastam-me. Já voltei a enterrar o machado de guerra, voltei à concha e fui-me restaurar. Preciso tanto, mas tanto das minhas energias, que nem conseguem calcular. Os dias são longos, as solicitações enormes, as responsabilidades gigantescas, e sempre eu a fazer acontecer, por isso não me quero amargar, não preciso de não ser gostada por mim.

Os silêncios e a comunicação difusa, trás mal entendidos inevitáveis. Sem sons, cada um "lê" o que bem lhe apetecer, da forma que lhe soar, no momento que estiver a viver, daí ser sempre tão verbal, dizendo o que sinto e quero, mas pronto, esta sou eu, desta forma, não o és tu e certamente nunca serás. Como me dizia alguém, hoje, que até te parece entender, ou vou eu à luta e te faço acreditar que te quero e que estou disposta, ou jamais sairás do teu casulo, da tua armadura, porque és assim, porque não consegues ser de outra forma.

O que eu sei é que não gosto disto, não gosto de mim assim, dura, agressiva, na defensiva o tempo todo. Não quero lutar contra quem amo, não quero e não preciso de parecer o que não sou. Vou deixar que a sabedoria da noite me traga a serenidade de que preciso, e amanhã decidirei se te quero realmente, e o bastante, para lutar por ti. Se a resposta for um não, prometo que nunca mais te voltarei a "pisar", porque se não é suposto ficarmos juntos, então que pelo menos fiquemos bem, sozinhos...




Bardacaca!

Feelme/Bardacaca!Tema:Me!
Imagem retirada da internet


Agora já sabem o que digo quando me pisam o pé!

Olhem que é preciso muito para que me saiam umas asneiras boca fora, mas há dias em que na falta de eu poder dar uns berros, mando bardacaca e sabe-me, QUASE, tão bem.

Quem é que consegue ter paciência para meninos? Que não sejam os filhos, claro está, os nossos e os dos outros, porque para homens crescidinhos e de barba, é que já nem a fazer bonecos.

Também gosto do "vai-te encher de moscas", esta uso quando estou com fraca imaginação, porque há quem diga que tenho muita e que até faço filmes, faço pois, o pior é que faço mesmo, sobretudo quando tenho o actor principal já escolhido e quando é um Romeu de esquina dá logo um filme mexicano.

Pronto, já percebemos os dois que o que lá vai, lá vai, por isso chega de atirar bolas, eu nunca fui grande coisa no ténis de mesa, e bolas mesmo, mesmo, só das outras. Eheheheh, hoje estou imparável, mas eu prometo que paro quando tu parares. Prometo que te deixo respirar sozinho, quando me deixares continuar, como estava antes de teres vindo pingar amor para estas bandas. As conversas de surdos não surtem efeito e se fosses homenzinho já te tinhas vindo explicar, pessoalmente - Isso é que era bom - respondes tu que até tens amor ao pelo, é que se viesses com conversas da treta para cima de mim, eu dizia-te com quantos paus se fazia uma canoa.

Está o repto lançado, vê lá se consegues crescer um palmo a mais, ou se apenas te mando, bardacaca!







3.11.15

Ser desconfiado!




Imagem relacionada


Ser desconfiado, por si só, é um defeito e bem feio. Eu digo sempre que quem é desconfiado não é certo, mas quando os não desconfiados começam a desconfiar, ui, é porque vai mesmo correr mal. A sensação de desconfiança é extremamente desagradável, eu pessoalmente odeio-a, porque enquanto não tenho as devidas confirmações, não consigo sossegar e o mau estar instala-se. Juntem a tudo isto o facto de ser mulher e a combinação é terrível, porque não raras vezes, quando estamos a caminho de descobrir algo, encontramos mais 4 ou 5 verdades.

Tudo poderia ser evitado se fossemos honestos e não andássemos a camuflar verdades que, cedo ou tarde, serão descobertas e desenganem-se os que pensam o contrário, a mentira pode até não ter perna assim tão curta, mas a dada altura cansa-se de caminhar sem destino. De boas intenções está o inferno cheio, por isso permitam-me discordar das "boas" intenções que sempre parecem vir embrulhadas em meias verdades. Uma verdade dita na hora certa pode ter efeitos balsâmicos e evita que passemos a ser eternamente rotulados, é que já diz o ditado que mentiroso que mente uma vez, mente sempre.



Não sou por natureza desconfiada, dou SEMPRE o benefício da dúvida a todos os que considero iguais a mim, mas se me enganarem uma vez, terão que se dobrar e desdobrar em acções contrárias para voltarem a fazer parte do ciclo de pessoas por quem tenho respeito. Ser desconfiado é tentar, em vão, não ver repetido o que se comeu, sem qualquer escolha. Mas ser desconfiado como defesa, é atacar quem não mente nem engana. Ser desconfiado, é recusar quem pode ter chegado para sarar todas as feridas e se não nos soubermos limpar do que tanto parece ter-nos magoado, então nunca saberemos quem são. Ser desconfiado é ter medos que o medo não explica...



Quando é feito com amor!




Tudo aquilo a que nos propomos, cada projecto e sonho perseguido, tem sempre um duplo sabor quando é feito com amor. Quanto a isso julgo que ninguém tem nada contra.

Felizmente para mim, por um lado, tenho sempre trabalhado em áreas que me deram imenso prazer, e sempre que deixou de ser assim, voei o mais alto que pude e fugi. Do tédio, da rotina, das mentes pequenas e sobretudo da falta de visão. Isso tem-me custado, obviamente, alguns dissabores sobretudo financeiros, porque poderia já ter viajado meio mundo e conhecido outro meio, bastando que não tivesse muito para opinar. Fugindo ao que a maioria das pessoas faz, eu não considero que umas férias durante o verão, ou uns quantos dias no inverno, compensem o restante ano, o que fazemos da vida deve ser contínuo e não apenas centrado em algo que jamais terá poder para abafar o que nos minará a alma, e a resistência física.

Amor, paixão, entrega, não são apenas adjectivos comuns às relações amorosas, o trabalho, a nossa "luta" diária, pede tudo isto, exige-os uma exigência maior, porque é a trabalhar que passamos grade parte dos nossos dias.

Nunca quis pouco, nunca me contentei com migalhas, vindas de onde viessem, até porque tenho filhos a quem tudo o que faço os influenciará de uma maneira ou de outra. A coerência e a determinação, levar-nos-ão sempre muito longe, acreditem.

Quando é com amor, até o sol rompe em dias cinzentos, e a chuva passa a ter um som especial e reconfortante. "Façam-me um favor, e sejam felizes"!


2.11.15

O que fazes com quem não faz?


Feelme/O que fazes com quem não faz? Tema: Sentimentos!
Imagem retirada da internet
Como se lida com quem não espera nada de si mesmo? Bem, isto é o que eu digo, porque às tantas têm apenas uma forma diferente de lidar com a vida, passando por cima de quem tenta andar por ela da forma certa. Mas que me faz confusão faz!

Conheço umas quantas pessoas, ultimamente tenho a sensação de que estão a aumentar, que parecem andar neste mundo por ver andar os outros, ou pior, andam de uma forma tão estranha e tão pessoal, que mais ninguém parece ter importância. Será que acham, mesmo, que só têm a receber e que nada lhes será pedido?

Por vezes apetece-me desistir e apenas ignorar que existem, porque não está escrito em lado nenhum, que estou aqui para lhes ensinar o que lhes cabe por direito. ou caberia se quisessem ter um bocadinho de trabalho que fosse.

Eu esforço-me, juro que sim, por tentar entender que não somos todos iguais e que uns serão sempre os machos alfa, enquanto que a restante "matilha" apenas os seguirá, mas mesmo assim não me consigo animar, porque na verdade estamos a construir uma sociedadedch e todos deveriam desempenhar o seu papel.

Fiquei com a sensação de que não estou a dizer nada de jeito, mas bem espremido, tudo isto significa apenas que os parados, os que não mexem um pé sem permissão do outro, me dão urticária. Ohhh gente pequena...




31.10.15

O Sexo e a Cidade!

Feelme/O Sexo e a Cidade!


A minha geração teve acesso a esta série estrondosa e cresceu com ideias bem vincadas sobre qual das 4 mulheres gostaria de ser. Lembro-me perfeitamente de achar, na altura, quando via os episódios, que tudo aquilo era fantasiado e que não existiam mulheres assim, sobretudo não existiriam em Portugal, naquela altura, mas se falarmos no agora...

Bem, agora temos muitas Carries, Samantas, Charlotes e Mirandas, sem falar nos senhores Big que andam por aí, e o que nas décadas de 80 e 90 abundava nos Estados Unidos, mas que chegaram até nós com uma enorme força, para o bem e para o mal.

A tão apetecida independência feminina, o poderem andar pela vida tal como os homens, tendo vários parceiros, apenas e só para sexo, usando-os e aprendendo com eles sobre as relações, parecia ser o Nirvana, perdoem-me a analogia, mas a verdade é que todos procuramos estados de libertação, quer física quer espiritual, no entanto, e porque somos feitos, homens e mulheres, de características específicas e muito próprias, a dita liberdade de escolha era boa até deixar de o ser.

As mulheres são mais emocionais, mais pele envolta em sentimentos e mesmo que se tentem masculinizar, a dada altura sentirão falta do que lhes sopram os genes e séculos de inputs. Óbviamente que sempre iremos ter as Samantas, as que não foram feitas para casar, as que adoram, MESMO, sexo e querem vivê-lo sem apegos desnecessários.

Ainda hoje, e sempre que posso, dou uma espreitadela a alguns episódios, e acabo a rir de forma desenfreada, num misto de concordância e de absoluto descrédito. Quem sabe se com a mistura das 4 eu fosse menos céptica, mas também já vi tudo muito mais longe do que está actualmente, e sinceramente, tudo aponta para que, e em breve, os papeis se invertam e nos deparemos com um problema bem mais grave do que o que já vamos tendo. Se nos mudarmos mesmo, quem irá ter os bébés?

Pois, esta parte do programa não estava a ser devidamente analisado, por isso, mulheres do mundo, modernizem-se, mas não em demasia por favor, eu já cumpri com a minha parte do povoamento populacional, agora já posso, mas as restantes...



Estou a sorrir!

Smile...:


Hoje acordei assim, com um sorriso que não me sai dos lábios, com um ânimo muito próprio, e com um sol maravilhosos a acompanhar. Já corri, logo cedo, já dancei até transpirar e tomei o meu merecido duche, sem pressas, apenas eu, numa casa silenciosa, onde todos dormem tranquilos e felizes porque eu o proporciono.

Tenho a minha gata em cima da mesa onde estou a trabalhar no meu novo romance, ultimamente tenho condescendido com ela e deixo que esteja mais por perto, que sejamos mais próximas, coisa difícil porque o nosso grau de independência é muito semelhante, mas ela entende-o. O sol entra por entre as cortinas e aquece-me o ombro direito, a paisagem que consigo vislumbrar da minha sala é fabulosa e basta para me encher a alma já cheia.

Nem sempre nos podemos dar ao luxo de experimentar sensações de paz interior, de fecho e de recomeços, como se o mundo de repente se tivesse tornado claro, mas a acontecer, há que beber cada gota e é o que farei a partir de hoje.

Hoje já sei que vou sorrir mais vezes, por mim e por todos quantos passaram já pela minha vida, porque mesmo que não tivessem ficado, foram parte da história que já escrevi e que nada terá forma de apagar.

Espero ter-vos contagiado!