Mais música...

Feelme/Mais música...

Depois de ouvir o Rod Stewart a cantar "Have I told you lately that I love you?", fiquei a pensar em quantas pessoas conseguirão, a cada dia, dizer a alguém que a amam, e se serão as que bastam, certamente que não, de contrário teríamos um mundo bem melhor!

Ter quem nos ame tanto, que nos arranque a tristeza, e nos encha o coração de felicidade, ter a quem possamos dizer o que sentimos, sem medo de interpretações e de juízos errados, alguém a quem a nossa metade precise de manter reconfortada, e que tudo o que possamos fazer ou dizer sirva para que tudo o resto se encaixe, no lugar certo, amando de forma desmedida, sem recuar perante o que nos sai, sem controle, de tão dentro, que fará efeito imediato, não é o que sonhamos todos?

O que nos impede então?

Porque será que dizer Amo-te, parece vir com mais responsabilidade do que a conseguimos garantir? Porque teremos que pensar e repensar o que a razão não explica, apenas o coração e a nossa essência sente e deseja? O que nos impede de sermos apenas nós e felizes?

Não consigo deixar de me sentir triste, por todas as almas que apenas se deixam vaguear por este mundo, que se recusam a sentir tudo com a intensidade que nos é devida e que merecemos porque sim, sem explicações, e é por isso que vos vou agora oferecer-vos uma pequena história que partilhou a nossa amiga de Luz, a Vânia, uma mulher deste e de outros mundos, sobre a felicidade e que reza assim:

Há uma lenda interessante sobre os deuses. Com medo do homem se tornar perfeito e não precisar mais deles, os deuses reuniram-se para decidir o que fazer. O mais sábio dos deuses disse: “Vamos dar-lhes tudo, menos o segredo da felicidade”. “Mas se os humanos são tão inteligentes, vão acabar por descobrir esse segredo também!”, disseram os outros deuses. “Não”, respondeu o mais sábio – “vamos esconder a felicidade num lugar onde eles nunca vão achar – dentro deles mesmos”.


Afinal parece que todos, mas todos mesmo, temos o que precisamos, dentro de nós, basta que paremos de questionar o que não tem forma de o ser e que apenas nos deixemos fluir, sentir e amar quem nos ama de volta, é tão simples que até se torna ridículo, mas quanto mais o penso, mas sinto que é totalmente verdadeiro, e por isso escolhi encontrar a minha felicidade para a partilhar com quem saiba mesmo o que significa!