31.5.15

Desamores!




Parece que nem a crise chega para nos provar que sozinhos não somos nada, que tudo se torna mais fácil de gerir, o bom e sobretudo o mau, se estivermos acompanhados e ao lado de quem nos muda o humor, nos permite acordar mais confiantes, adormecendo a acreditar que existirá sempre solução, para o que não correr tão bem!

O que provoca afinal tantos desamor? Porque nos tornámos tão desconfiados e de pé atrás? Quem nos "enganou" ao ponto de sentirmos que voltar a amar não será mais do que um sonho, idêntico aos números mágicos do euro milhões?

Será que se ama à velocidade a que se "desama"?
Seremos mesmo assim tão descartáveis, até nos sentimentos?
Porque fugiremos do que nos manterá em alta, mais plenos e confiantes?

Caramba, há por aí muita gente que foi tão mal amada, que agora até duvida da sombra, da capacidade de apenas receber e de ir fazendo o caminho, devagarinho sem precisar de saber, o tempo todo, como se chega ao fim.

Estou um pouco triste perante o número, a cada dia mais ascendente, de pessoas que se queixam da falta de amor, e das que quando o encontram, correm o mais que podem no sentido inverso, nem arriscando olhar para trás e deixando o outro sem uma explicação que lhe alivia a alma e lhe pacifique o coração.

Bolas, estamos a tornar-nos seres egoístas e frios. So sad!

28.5.15

Adormecida!




Ainda não estou a contar os dias, nem me atrevi a ver-me do lado de lá, a parar de controlar tudo o que sempre me pertenceu, por obrigação e por direito, e não sei muito bem como irei sobreviver desta vez, porque a minha força interior vai ser testada ao limite, tudo o que sabia gerir e que permitia aos outros, aos que me pertencem verdadeiramente, continuar de forma suave e tranquila, vai simplesmente desaparecer, vai ter que ser delegado, sem que sinta a confiança de que correrá bem, tão bem como sempre corre comigo.

Não me digam que temos que deixar ir os filhos, permitindo-lhes crescer, porque eu sei tudo isso e também exigi que mo fizessem, mas não era a hora, não ainda.

Estou a sentir o meu coração a apertar, forçando-me a respirar alto, de forma descontrolada, com medos que me acordam nas noites que deixaram de ser tranquilas. Este peso vai ser levantado com demasiado esforço, e não será apenas meu.
Estou a sentir um medo que quase me paralisa, porque não estarei, aqui, quando chamarem por mim, sempre que alguma dor os assole, de cada vez que os pesadelos os atemorizem, ou sempre que desejem, simplesmente, ter-me por perto.
Estou cada dia mais convicta que suporto, de forma estoica, qualquer dor, e que não fui feita para partir, mas desta vez ficarei a saber, verdadeiramente, de que massa sou feita.

Acreditei, lá atrás, que não iria ser forçada a entrar por aqui, mas já percebi que para mim tudo chega em forma de teste, daqueles a que muitos não sobrevivem, mas que a mim servem para me deixar ainda com mais fibra. Eu sou das que não morre nem que me matem. Ponto final!

26.5.15

Mesmo que não o queira...

Feelme/mesmo que não o queira...


Não tenho forma de impedir, que cada ano avance e me vá tirando, por vezes, bem mais do que dá!

Não está a ser assim, não este ano, porque para além de tudo o que tem chegado, em catadupa, estás TU, e TU és o que me enche a alma e o coração, é por ti que, quase, não me importo de ter feito 49 anos, tendo ficado bem pertinho da outra barreira, mas dela falaremos para a próxima.

Como diz a música da Whitney Houston, "está na hora de tentar fazer tudo à minha maneira, sem me importar que esteja certo ou errado", mas a verdade, e se bem me conheço, é que muito certamente será o que deveria fazer, da forma que sei, e bem feito.

Não estou na fase dos balanços, não ainda, mas consigo ver o meu progresso, a forma como me tornei mais tolerante, aceitando as incapacidades dos outros, dando-lhes o tempo que precisam para se expressarem, desacelerando, eu, um pouco, sendo menos emotiva, partilhando-me, não me importando, tanto, de me perder na imensidão de "desgraças" e infortúnios que povoa a vida dos que chegam até a mim.

Não iria querer voltar atrás, a nenhuma outra idade, porque em cada uma fui o que deveria, da forma que consegui aprender, até ter chegado, finalmente, a esta mulher que já reconheço, com a qual me identifico e que gosto de ver de cada vez que me olho. Sou bem mais forte, determinada, resolvida.

Sei amar devagar, sei esperar, e quando me dou, ninguém fica indiferente. Sou a amiga que todos gostariam de ter, tenho o talento que me enche e preenche a alma, caminho de forma segura e pretendo, em breve, ter TUDO o resto que ainda me falta.

Esta mulher tem sido a mãe que visualizou, quando ainda nem sonhava sê-lo. Não deixo nada por dizer, absorvo cada nova experiência, e por vezes pareço estar a nascer outra vez, reparando em tudo o que tenho, o que me rodeia e desejando conseguir manter-me assim, pura de sentimentos, sem me deixar corromper.

Sou a condutora do meu destino, e já sei até onde me vou levar. Hoje sinto que consigo desejar, até aos que me deixaram de asa caída, que sejam tão felizes como eu sou a cada dia. TUDO do que desejo para mim, para todos vocês, e um ano de cada vez para que tenha tempo de vos amar como merecem. Obrigada por estarem aí!


25.5.15

Stressada?

Feelme/Stressada?


NÃO, completamente tranquila contigo. Mesmo que ainda só tenha o código de uma das portas, não me incomoda que as outras permaneçam fechadas, e que do lado de lá esteja o resto de ti. Por agora, calma lá, porque se pesarmos e medirmos bem, certamente que estaremos em patamares muitos idênticos, até poderás saber um pouco mais de mim, mas o que importa realmente, não sabes, não ainda.

Estamos na fase 3 da nossa relação. Na fase 1 entraste a matar, querias porque querias, e por isso correste o mais veloz que foste capaz, até eu te aceitar, depois apanhaste um susto de morte e começaste a correr ao contrário (depois venham-me cá dizer que as mulheres é que são complicadas). Na fase 2 ficámos de costas voltadas, cheios de tretas por resolver e por discutir, e a minha paciência esgotou-se, aí sim fiquei stressada. Agora, estamos na fase da consolidação, ou não, sabemos ambos que ou vai, ou racha, ou rebenta. Não existirá uma fase 4, não no campo das tentativas, se chegarmos a ela por estarmos juntos, então sim iremos sobreviver, de contrário...

Já aceitei que não te controlo nem ao que escolhes, por isso, e depois de já te ter passado o que quero, teremos que ir andando, à nossa velocidade, até que cheguemos a algum lugar. Já não há volta a dar.

Talvez eu esteja apenas com demasiadas coisas em mãos, ou talvez esteja mesmo mais tolerante e focada em ti, o que quer que seja está a resultar. Agora só preciso de te ir dizendo o quanto gosto de ti, as vezes que achar necessárias, e esperar, sem stress, que gostes de mim de igual forma e que o digas.

Desisti do stress, deixa-me com mais rugas e com menos sorrisos, não tenho ganhos, por isso arrumo-o na prateleira. Aproveita enquanto estou adormecida!

20.5.15

Estou a guardar...




Estou a guardar todo o meu amor para ti, só para ti!

Aprendi a ouvir-me, a escutar o que algumas partes de mim, as que importam, me dizem e estou a dar-me bem, estou a chegar lá, a ti.

Tenho guardado, com alguma, ou talvez até sem qualquer consciência, o que é meu, e que possa valer a pena, o que sinto possa fazer a diferença, numa relação, no que dois seres por norma desejam, para prosseguirem, para segurarem o tempo.

Estou a guardar a minha forma mais doce, a que conservei porque agora já não quero batalhas perdidas, porque agora já não desejo lutar em vão. Estou a guardar os meus sorrisos, mantendo os lábios quentes e prontos para te beijar até que nos sequemos ambos. Estou a guardar o corpo que se arrepia com o teu toque, para que me entres tão dentro que sair já não seja mais possível.

Estar próxima de ti, estar ao teu lado, em todas a frentes. permite-me enfrentar os dias, sem me cansar, sem pensar desistir. É por isso que me guardo, enquanto aguardo por ti e pela altura em que também estarás tão pronto, que todo o teu amor seja para mim, só para mim!


19.5.15

Tenho vontade de ti hoje!




Não se consegue, ou não se deveria conseguir, estar longe de quem nos faz falta muito tempo e hoje estou cheia de vontade de ti!

Os toques complementam os sentimentos. Os olhares mostram-nos a extensão do que desejamos do outro e não mentem. Se olharmos com atenção, passamos a perceber o que se esconde por detrás da pessoa que ainda vamos descobrindo, passo a passo, com toques mais ou menos seguros, com desconfortos que, ou se instalam, ou se esfumam mal nos vemos.

Eu disse que queria aprender a amar-te devagar e estou a consegui-lo. Não é apenas talento meu, é toda a minha conjuntura emocional, física e territorial, mas venha de onde vier, está a seguir para o lugar certo e da forma certa até a ti. Fazes-me sempre falta. Sei que não me cansaria de me enrolar em ti, de te beijar e ser beijada, de te amar até que me doesse o corpo e se me inflamasse a alma, mas já não desespero, já não me deito a pensar nos "ses", agora começo e termino os dias convicta de que quero que sejas tu sempre e que te irei ajudar a que o percebas também.

Hoje tinha uma enorme vontade de me aninhar no teu peito, de ouvir a tua voz junto ao meu ouvido, de que me ligasses todos os botões, como tão bem sabes fazer e de cimentar esta relação que vem crescendo e amadurecendo. Hoje acordei com vontade de ser tua, tão somente isso!


16.5.15

Não me esqueço de ti!

Feelme/Não me esqueço de ti!Tema:Sentimentos

Não me esqueço de ti! Continuo a ter a tua imagem na minha cabeça, o som da tua voz, sobretudo das tuas gargalhadas. Ainda não aprendi a deixar-te ir, a aceitar que não me pertences e que desejas outro homem. Mesmo sabendo que sou louco, tenho uma ponta de esperança de que olhes para mim, de que percebas que comigo serias uma rainha, de que aceites tudo o que tenho para te dar!

Estou a ouvir-te falar, mas as palavras que vão saindo não são as que chegam até a mim, estou focado nos teus lábios, os mesmos que matava por beijar, gesticulas de forma suave, enquanto falas, tudo em ti é controlado, comedido, seguro. És uma mulher delicada, de porte aristocrático, por vezes levas-me a pensar que te podes partir a qualquer momento, mas não é de todo verdade, sou eu que me parto perante a frieza com que me encaras, porque não me vês, porque não me queres.

- Estás cada dia mais bonita.

Sorris-me agradecida, mas não comentas, tens algum receio de que me "estique", de que desate a falar do amor que te tenho, um amor que parece querer matar-me, um amor que nunca julguei encontrar, não na pessoa errada.

- Sabes que por mais distante que estejas, e que por muito que eu fuja, ou tente, continuas tão presente em mim e tão real, que fico desconcertado com esta minha capacidade de te manter e de me recusar a deixar-te ir.

- O que queres que eu te diga? Tu sabes tudo já, nunca te escondi absolutamente nada e entendes melhor do que ninguém, que não escolhemos quem amamos e que controlamos muito pouco.

Estou a sorrir-te de forma triste, um pouco conformado, mas depressa me encho de uma coragem que até pode ser absurda, mas decido que não vou desistir de ti, que te vou continuar a manter nos meus sonhos e que o meu querer um dia terá o poder de te fazer querer-me de volta.

Não me esqueço de ti. Sou louco? Talvez, mas não o serão todos os apaixonados?


13.5.15

Só perderás...

Feelme/Só perderás...


Se insistires, mesmo quando perceberes que não tem forma de continuar, só perderás, o teu tempo, a tua frágil fé nos outros, e sobretudo a ti mesma!

Não queiras migalhas, não aceites que te recebam nos intervalos, não compactues com conversas de conveniência, não te ponhas em nenhum outro lugar que não o primeiro, gosta de ti, muito e depois, sim, poderão gostar-te como esperas. Só perderás se não mudares de rua, se não olhares, mesmo, para o que está à tua volta agora. Ninguém pode ser mais do que o ar que respiramos, se não respirar do mesmo, ninguém poderá completar o que nos falta, se não nos souber ver, ou sequer entender.

Se não estiver contigo, minha querida, então não adianta, certo?

Tu sozinha não fazes uma relação, não consegues abraçar-te, beijar-te e tomar o teu corpo de forma a que fique completo, por isso organiza-te, recalcula, reorganiza, estabelece prioridades.

Não teimes mais, liberta-te, e vais ver que em breve terás quem valerá realmente a pena, de contrário, só perderás...

12.5.15

Ainda à espera!

Feelme/Ainda à espera!


E vou continuar. À espera de te ter, mesmo, o tempo todo, sem reservas, sem tempos medidos, sem que tenha que partir de cada vez que esteja a ser bom, e sempre que te queira, ainda mais.

Os nossos momentos terão que crescer, os nossos lugares deverão passar a ser comuns, com a nossa história, a que teremos que ir escrevendo, a cada dia, com a entrega que o amor coloca em tudo. Se esperei tanto por ti, e sei que também tu o fizeste por mim, o que serão mais uns quantos minutos, envoltos nas horas que depois poderemos partilhar, em que o que fizermos e desejarmos, terá sempre o mesmo final, eu contigo, nós, no final de todos os dias?

Vou-me manter aqui, à tua espera, não quero que nos desgastemos, mas que nos continuemos a procurar, a desejar, a visualizar juntos.

Já não espero que me ames, porque o fazes, nem que o digas, porque o dizes várias vezes, isso pelo menos já saíu da lista, mas espero consegui ter-te, sempre e de cada vez que todo o meu corpo se arrepiar de vontade, sempre que, e bem dentro, nada me conseguir completar ou preencher, nada a não seres tu mesmo.

Sabes pelo que espero, neste preciso momento? Pelos teus beijos, os que operam milagres, de cada vez que a tua boca se encosta à minha. Espero pela pessoa que me fez ver tudo da forma certa, espero por um amor inteiro, meu, nosso, igual. Espero por ti, sempre!

6.5.15

Pelo que passam as minhas rotinas!

Feelme/Pelo que passam as minhas rotinas!Tema:Sentimentos!


As que nos permitem chegar ao final do dia, mais cheios, devem ser mantidas e incentivadas. Eu tenho umas quantas das quais não abdico, e quando não as posso ter, deprimo, fico triste, com a sensação de que me falta algo!

As minhas rotinas passam por cuidar de mim, emocionalmente, fazendo o que me deixa eternamente apaixonada, por "ti", pelas palavras, pelas cores e sons, sendo que esta última me transforma, completamente. Sou incapaz de passar um dia sem música, sem a sentir dentro, sem dançar, porque eu tenho teclas que passam sons muito específicos e é com elas que canto, danço e continuo a sonhar.

Tenho vindo a acrescentar rotinas, aumentando-as de forma a que termine cada percurso mais enriquecida, com a sensação, única, de que produzo realmente, que sou válida e chego onde faço falta. Era avessa a programar o que quer que fosse, para além do trabalho, mas percebi que me beneficio se salpicar tempos acertados a tudo o que faça.

Sei que preciso de caminhar, de correr, de simplesmente ir olhando para o que existe à minha volta, completamente alheada das pessoas, e totalmente entregue ao que preciso de pensar e repensar. Esses são os momentos que valorizo mais, e nos quais, sozinha, sei que estou completa, que me basto por alguns períodos e que não preciso de recear os silêncios, porque depois deles chegam as palavras ainda mais intensas e numa torrente que nunca cessa de me surpreender.

Eu mantenho as minhas rotinas, mesmo que as vá, rotineiramente, alterando e sei que muitas ainda estarão para chegar, mas estou pronta e ansiosa por as encaixar!



Mudo-te...




Mudo-te e mudas-me a mim também, devagarinho, com passos certos e seguros!

Quero saber como me posso ajustar. De que forma precisas de mim, para te acrescentar mais à vida que tens, que escolheste e onde ainda não caibo eu, não na totalidade. Quero que me ensines a amar-te devagar, a saber usufruir do que nos chega a ambos e a conseguir que me baste até te voltar a ter.

Eu sei que o que sou fará de ti um homem mais completo. Sei que a forma como gosto de ti te deixará a querer mais, a não precisar de ir "lá fora", porque eu encher-te-ei de TUDO. Eu farei o que precisar de ser feito para que sejas o homem que preciso. É o dar e o receber. O ir e o voltar para casa, para dentro de nós, para o que faz de nós estes seres que se querem encaixar.

Deixa-me mudar-te um pouco. Deixa que te ensine a amar-me. Deixa-me tocar-te por dentro, enquanto o meu corpo se move no teu. Deixa-me ser a mulher que imaginaste, prometo que consigo, que me entrego inteira e que não desisto de ti, porque estaria a desistir de mim mesma.

Muda-te comigo, anda!

5.5.15

Não posso, nem devo!

Feelme/Não posso, nem devo!

Seguir por um caminho que não é o meu, do qual nada sei, nem conheço, desejando mudar o que não me cabe a mim, e por muito que me quisesse envolver, não faz de todo o meu género, nem será o meu dever na terra!

Eu sei de mim, de que forma acerto o meu percurso, escolhendo-o, ou mudando-o, mas segurando o leme, para que o resultado, qualquer que seja, me caiba a mim, e apenas a mim.Assim sendo, entendo que todos os outros terão o mesmo poder de decisão, e deverão, supostamente, ter o discernimento para chegarem onde terão o direito de incluir os outros e de recomeçar. Esta é a teoria!

Já tenho as mãos demasiado cheias comigo mesma, com tudo aquilo a que me propus, e por isso sobra-me, pouquíssima margem de manobra para outras rotas. Cada um que se chegue à frente e vá até onde já me encontro, se quiser e tiver talento.

Nesta minha nova fase, é pão pão, queijo e muito queijo. Não me atrapalhem se não puderem ajudar. "saiam de cima", como diz o brasileiro, porque se não saírem eu empurro.

Não estou com falta de paciência, é falta de tempo mesmo, é a necessidade de me focar tanto em mim, que tudo o resto me dê espaço, se encaixe, ou se esfume.

Muita gente entenderá do que falo, quando digo que estar a uma velocidade superior à média só me cansa a beleza e me tira do sério, por isso, PLEASE, tenham dó, aprendam alguma coisa, façam-se à vida, olhem que eu cobro no mínimo vinte euros à hora, se quiserem lições...


4.5.15

Mulheres poderosas, mas sem arrogância!

Portrait of Young Woman
Feelme/Mulheres poderosas, mas sem arrogância!Tema:Just Women!

Irra que ser mulher é difícil!

Devemos ser poderosas, mas de modo a que não nos acusem de arrogantes. Poderosas, mas doces, supostamente porque já assustamos de qualquer forma. A mulher terá que se impor, mas subtilmente, passando aos outros comportamentos de conciliação, de paciência e capacidade de absorver os diferentes ambientes.

Sabem o que vos digo? Há que usar de bom senso em tudo, ter poder e saber usá-lo em benefício de todos, não é para todos, seja homem ou mulher, mas a verdade é que os holofotes tendem a fixar-se no que é menos comum, e ver mulheres com poder, no campo profissional, ainda não é tão vulgar quanto isso.

Eu associo o poder à liderança, porque um bom líder consegue que o sigam com entrega, consegue vencer obstáculos e levar a que a equipa chegue, por vezes debatendo-se com imensos obstáculos, ao sucesso.

Não deveríamos ter que distinguir os "poderosos" pelo sexo, mas para nós tudo é sempre mais trabalhoso, exigente, obrigando-nos a provar muito mais do que provam os homens. Para chegarmos a lugares de topo, somos avaliadas de cima a baixo, e não apenas pela competência, achando a maioria, que uma mulher bonita, consegue mais fácilmente, que a oiçam e aceitem as decisões. É no mínimo injusto, mas vivemos numa sociedade visual e machista, que acredita em passes de mágica, do género "ela acorda já assim, linda e maravilhosa". Ai a nossa vida!

O ideal será chegar ao poder na idade certa, naquela que ainda nos permitirá voltar cabeças, pelos nossos feitos, mas também pelo rabo, mas não desesperem as que não foram abençoadas com um palmo e meio de cara, e com o corpo curvilíneo, a cirurgia estética existe para isso mesmo e se já estiverem em cargos de topo, torna-se mais fácil pagar as contas.

Nada é perfeito!

1.5.15

Estás frágil!



Estás frágil, consigo entender-te quando explicas que não sabes de que forma poderás dar os passos seguintes, como poderás parar de aceitar o que já tens, há muito e que não te basta!

Falas algo assustado, tens medo de a perder, sabes que está uns quantos passos à tua frente e que construiu tudo o que tem agora, sozinha, sim, mas com a coragem que a trouxe até aqui e agora até a ti.

- Contaste-lhe de ti, preparaste-a para o que tens e és realmente?
- Estou a ir devagar, se a assusto perco-a para sempre.

Não sei muito à cerca de fórmulas, mas acredito que se deve usar o bom senso, colocando o que se sente em primeiro lugar e avançando depois disso, porque se soubermos que nos amam como dizem, até as mágoas se retraem e a nossa capacidade de esperar se amplia e acaba a levar-nos ao lugar certo, no momento possível.

O teu semblante vai-se carregando, já não sabes como descontrair, tens medo de usar as palavras erradas, dizendo o que não quer ouvir, mas que é a tua realidade, a que tiveste antes dela e a que mantiveste, porque decidiste que estar era possível e que nada mais haveria a fazer. Foi aqui que deixei de te apoiar e tantas vezes te disse que nunca devemos adiar o inadiável, que a doer apenas o será uma vez. Disse-te que te preparasses, que deixasses de olhar para o lado, porque um dia chegaria quem valeria a pena e já não saberias como te mover.

- Tinhas razão amiga, eu soube-o sempre, mas sou homem, levo algum tempo a reconhecer e a aceitar. Ajuda-me por favor, diz-me o que faço e como.
- Não posso, não devo, já tens as cartas todas, agora ou jogas para ganhar, ou sairás de mãos vazias, ficando com um sabor amargo que nunca te abandonará, nem que te ajudem. Olha que sei do que falo.