5.5.15

Não posso, nem devo!

Feelme/Não posso, nem devo!

Seguir por um caminho que não é o meu, do qual nada sei, nem conheço, desejando mudar o que não me cabe a mim, e por muito que me quisesse envolver, não faz de todo o meu género, nem será o meu dever na terra!

Eu sei de mim, de que forma acerto o meu percurso, escolhendo-o, ou mudando-o, mas segurando o leme, para que o resultado, qualquer que seja, me caiba a mim, e apenas a mim.Assim sendo, entendo que todos os outros terão o mesmo poder de decisão, e deverão, supostamente, ter o discernimento para chegarem onde terão o direito de incluir os outros e de recomeçar. Esta é a teoria!

Já tenho as mãos demasiado cheias comigo mesma, com tudo aquilo a que me propus, e por isso sobra-me, pouquíssima margem de manobra para outras rotas. Cada um que se chegue à frente e vá até onde já me encontro, se quiser e tiver talento.

Nesta minha nova fase, é pão pão, queijo e muito queijo. Não me atrapalhem se não puderem ajudar. "saiam de cima", como diz o brasileiro, porque se não saírem eu empurro.

Não estou com falta de paciência, é falta de tempo mesmo, é a necessidade de me focar tanto em mim, que tudo o resto me dê espaço, se encaixe, ou se esfume.

Muita gente entenderá do que falo, quando digo que estar a uma velocidade superior à média só me cansa a beleza e me tira do sério, por isso, PLEASE, tenham dó, aprendam alguma coisa, façam-se à vida, olhem que eu cobro no mínimo vinte euros à hora, se quiserem lições...


Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...