30.8.15

Mudanças versus mais mudanças!

Is there anything more daunting than packing for college? Sure, your school’s housing website has a handy (yet short) list of essentials—mattress cover, laundry bag, shower caddy, etc.—but what about all that other stuff in your room right now? When you’re moving into a dorm for the first time (or even if it’s not the first time), it may be tempting to just bring EVERYTHING (our dads and their overstuffed vans can attest to that) because you never know what you’ll actually need, but trust ...


Mudança de casa, again! Acreditem que nunca me custou tanto como desta vez, estou fisicamente exausta, os meus filhos nem me reconheciam, não conseguia responder, não me apetecia falar, nem ir um milímetro a mais do que tivesse que ser!

O que foi diferente?

Tive que ser eu a coordenar tudo, e quando digo TUDO é TUDO mesmo. Dos pormenores da casa nova, alterações, reparações e adaptações, ao restante da casa antiga, tirar candeeiros, arrumar tudo por prioridades e coordenar os filhotes que não estavam habituados a participar desta forma, culpa minha claro está. Resumindo, escadote acima, escadote abaixo, falar, falar, falar, orientar o pessoal das mudanças, não esquecendo as refeições, sim, porque esta malta come, eu comi hoje, às 15:00, ontem acho que toquei em fruta e bebi água, muita.

Venham-me cá com conversas que uma mulher não se safa sozinha que eu vos digo. Não há nada, mesmo NADA, que não consigamos fazer, basta termos foco e vontade. Já agora resistência física.

Vou precisar de pelo menos ainda mais uma semana para deixar tudo como quero e preciso, mas cá em casa já se joga e usa a internet, sim porque pode desabar o mundo, mas ficarmos sem comunicações é que NEVER!

Ontem não escrevi nada, mas hoje prometo que vos compenso. Até já!

28.8.15

Obrigada meu querido!

"Eu gosto de escrever, eu gosto de escrever, crer ver  Ver, crer, eu gosto de escrever e escrevo até até poema" - Gabriel o Pensador (Linhas Tortas)
Feelme/Obrigada meu querido!Tema:Cartas de Amor!
Imagem retirada da internet

Olá meu querido,

Soube-me tão bem saber de ti, que te importas e que pensas em mim. Foi tão bom que me deu alguma da energia que já ameaçava fugir, foi mais uma bombada de oxigénio e por isso sei que ainda não morro desta!

Deve haver muito pouco que me falte dizer-te, sobre mim e sobre o efeito que me provocas, mas por mais que te ofereça sentimentos em forma de palavras, sinto que nunca serão suficientes, para que não duvides, um minuto que seja, de que te fui reservada e por isso me mantenho aqui, à tua espera.

Já não perco tempo a tentar perceber se faço bem ou mal, se me vou arrepender ou reconhecer que estava certa, deixo que os dias sigam o seu curso natural, comigo na dianteira, obviamente, e contigo no pensamento, no corpo, no respirar, e até no olhar que nunca é para os outros, porque tu teimas em estar em todos.

Sentir a tua falta dói, mas sei que foste das pessoas que conheci, a mais perfeita para mim, a que se encaixou de um forma que se sente melhor do que se explica, e por isso entendo que ainda não terminou, e que não me sais por alguma razão, a única, a possível, a que muda tudo.

Gostava de saber se estás bem, se cuidas de ti, se te manténs pronto, se estás à procura do que pareces ter perdido, muito tempo lá atrás, e se eu permaneço, pouco, muito ou quase nada.
Gostava sobretudo de te ouvir a voz e de perceber por anda o teu coração.
Gostava de parar de te imaginar, de olhar para os lados e para trás, quando caminho, na esperança de que me surjas, imponente, determinado e forte, como só poderá ser o homem da minha vida.
Gostava de não precisar de mais nada que não fossemos eu e tu, para ser feliz.

Não fiquei nostálgica, não me culpei pela esperança, que até pode ser vã, apenas usufruí e quase que te saboreei. Fizeste-me bem, obrigada.

Continuo a ser a mulher que te adora!

Beijo doce,
S.A.



25.8.15

Já amaste mesmo?

SEE I TOLDJA there was TREASURE at the end of the rainbow!!! .... 35PHOTO - Марина и Артем Стенько - No title
Feelme/Já amaste mesmo?Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

O que já te permitiste sentir era mesmo amor? Vamos fazer um teste:

. Como te deixava o outro, a sentires que não aguentavas 1 segundo que fosse sem o pensar?
. O seu nome vinha-te aos lábios, saindo nas ocasiões menos próprias e totalmente fora de contexto?
. Acordavas com um desejo quase irracional e com uma vontade enorme de o tocar?
. Os dias corriam velozes como se tivesses uma capa com super poderes?
. Paraste de ter medo de tudo, menos de o perder e de não conseguir que te amasse da mesma forma?
. O teu corpo recusava-se a ser tocado, mesmo que ligeiramente, por outras mãos que nãos as suas?
. Davas contigo a sorrir sem perceber a razão, e a sentir-te em bicos dos pés, prestes a levantar voo?

Estás aprovada, amaste mesmo, e sabes do que são feitas as emoções que outra pessoa nos injecta, passando a circular no nosso sistema, imunizando-os de tudo o que não nos faz falta nem acrescenta felicidade. Tiveste a possibilidade de viajar para o único mundo de onde ninguém quer voltar, o lugar de férias permanentes, e no qual, mesmo que o sol não brilhe, e que a chuva caia copiosamente, será sempre o que gostaríamos de chamar de nosso, oferecendo-nos uma sensação que nada mais conhecido ou por descobrir nos proporciona.

Se já amaste mesmo, pelo menos uma vez, jamais te voltarás a contentar com menos, com pedaços, com emoções engarrafadas, com promessas do que poderá chegar, porque se não chega quando é suposto, a possibilidade de vir a acontecer é tão pequena, que até o encontrar uma agulha num palheiro passará a ser uma brincadeira de crianças.

Se já amaste mesmo, és um ser afortunado, e agora só espero que tenhas igualmente sentido ao que sabe ser amado de volta, é que uma nunca será nada sem a outra!

Um dia lembras-te...


Silence is like a river of grace inviting us to leap unafraid into its beckoning depths. It is dark and mysterious in the waters of grace. Yet in the silent darkness we are given new eyes. In the heart of the divine we can see more clearly who we are. We are renewed and cleansed in this river of silence. -Macrina Wiederkehr, Seven Sacred Pauses


Um dia lembras-te e a mão da divina providência cai-te, de repente em cima e tu acordas, muito provavelmente da pior maneira, mas acordas e percebes que o mundo não gira à tua volta, nem uma única vez.

Temos por aí imensas pessoas iludidas com elas mesmas, a acharem que se bastam, que estão lá em cima e que os outros, mesmo os que lhes foram importantes, já não servem e se podem descartar, mas a vida arranjará forma de lhes provar que estão enganadas. Eu sei porque já vi acontecer.

Com alguns até já gastei algum latim, mas percebi que não consigo retirar a pala que lhes cobre os olhos, e que se escolheram olhar apenas para um lado, vão ter que estar preparados para abarcar o resto quando ele chegar.

Nunca conhecemos ninguém, Nunca sabemos o que desejam realmente nem porque fizeram determinadas escolhas, mesmo quando elas nos incluíam, mas vem um dia em que ficam "libertas", de nós, decidem fazer um reset e recomeçar do ponto que deveria ter sido o da partida. Se ao menos soubessem falar do que realmente as ensombra, de tudo o que são por dentro, as surpresas já não seriam tão grandes, mas a verdade é que se vive de forma envergonhada e dissimulada, o grosso de nós é o que faz, e quando os cortes acontecem o pior de cada um vem ao de cimo.

"Cuidado com a vontade, aparentemente premente, de recuperares o que perdeste, se não avaliares bem o ponto onde te encontras, poderás não ter mais nada, ou ninguém, para quem voltar!"


23.8.15

Eu em mim!

travel journal. By Peter Lindbergh
Feelme/Eu em mim!
Eu, assim, na maior parte do meu tempo útil, eu comigo, a ser o que sei melhor, a fazer o que me dá verdadeiro prazer, mesmo que me venha com alguma da dor que as palavras sempre trazem, porque só podem ser escritas de forma solitária!

Tanto que já descobri sobre mim desde que me reencontrei nas palavras, assim que percebi o poder que exercem, a infinidade de sentimentos que passam e como o meu mundo consegue ser sacudido, melhorado e vivido, desde que parei de ter medo de me expor, de me passar em cada vocábulo, de ter um formato identificável, de ser única.

Ainda não saboreei o prazer de uma escrita prolongada, sem olhares de relance para o resto do mundo, sem ter que gerir, ao minuto, o que também é importante para os outros, mas já entendo alguns dos escritores que aprendi a admirar, porque afinal se nos tivermos mesmo, se mandarmos no nosso cantinho de vida, escrever poderá ser a melhor coisa, poderá até ser um dom, uma benesse, um olhar diferente até sobre o que não conhecemos.

Tanto que já aprendi a coordenar e não cesso de me surpreender com a forma, quase que automática e natural, que vou tendo de começar e terminar, de saber como dar corpo a histórias que permanecerão, contra todas as expectativas, pelo menos minhas, para o sempre que será bem mais longo do que o meu e o vosso.

Eu em mim sou esta "coisa" que parece nunca saber como parar, não de escrever, tendo bem mais do que certamente terei eu, mas sabe-me bem, sabe-me ao sabor que reconheço e que depois de provado, nada nem ninguém poderá igualar!

22.8.15

Tenho que aprender a engolir o orgulho...

less is more, shop hundreds of neutral styles waiting for you now at www.esther.com.au - free express delivery on orders over $100 Aus wide / fast worldwide delivery
Feelme/Tenho que aprender a engolir o orgulho...Tema:Me!
Imagem retirada da internet

Tenho que aprender a engolir o orgulho e dizer que é a ti que amo. Dizer que não desisto de ti. Dizer que lamento não te ter bastado. Dizer-te o que não me fará arrepender mais tarde. Dizer que me fazes falta, dizer alguma coisa, tudo menos o silêncio que me mata por dentro!

Quantas vezes não me enrolo assim, quantas vezes não me sento, sozinha, sem o que me tape mais do que o que preciso para não ficar sem NADA, para que sobre só que seja pele. Faz-me bem estar quieta, tendo pouco mais do que sou apenas eu, sem artifícios, seguindo os meus pensamentos que correm em enxurrada, esperando não tropeçar na imensidão que criam quando passam. Se não precisar de me esconder, se conseguir perceber o que fiz para que não tivesse como vestir uma segunda pele, para me mostrar toda, à única pessoa que me libertou realmente, terei como regressar ao mesmo lugar, tentando mesmo que em vão, seguir-te até onde te viste chegar.

Se eu aprender a engolir o meu orgulho. Se te conseguir pedir que aceites que também eu sou feita de massa volátil. Se te souber explicar o que falhei perceber, voltas? Vens e dizes-me o que preciso de ouvir? Trazes-te de novo?



19.8.15

Mais uns quantos passos!




Trago o teu coração no meu, carrego-o não como se fosse apenas mais um, carrego-o, comigo, porque já tive o seu bater acelerado em mim, durante longos meses e durante os quais me habituei a sabe-lo tão próximo, que já conheço de que forma bombeia e como te permite ficar por aqui, sempre perto, dentro do meu!

És o último dos meus filhos, mas para ti nada chegou em último lugar, nada de mim se desgastou de forma a faltar-te. Este meu coração sabe do que precisa para se expandir e incluir 3 filhos ENORMES, tão diferentes, mas tão próximos uns dos outros, que apenas a ideia de os ver juntos, me faz sorrir. És o meu príncipe das terras tranquilas, o meu interlocutor de língua inglesa, respiras inglês tal como o faço eu e é quase sempre assim que comunicamos. Tens no olhar os códigos que já entendo e preciso de muito pouco para te incluir em tudo, continuando a dar-te sem que peças, a fazer-me ver para que te sintas protegido, a ser quem te cuida, mais do que aos teus irmãos, porque herdaste uma separação que nos quebrou os laços, com o lado de lá, com o lado que te faz falta mesmo que digas o contrário.

Eu sei que sou a mãe e o pai para ti, não por escolha nossa, mas ainda assim tenho-me desdobrado em malabarismos para não te sufocar e já não me aninho ao teu lado, partilhando a cama na qual nos enroscávamos ambos, para termos os abraços que os dias nos tendem a roubar. Agora dou-te espaço, procuro criar-te momentos só teus, mesmo que te tenha sempre debaixo de olho e não me iniba perante a tua altura que já ultrapassa em muito a minha. És o meu codé (filho mais novo) e sê-lo-ás sempre, por isso prometo que nunca ficarei demasiado afastada, e que me terás sempre onde te fizer falta, aliás, nem poderá ser de outra forma, afinal carrego o teu coração no meu.

Parabéns meu filho!



Se fosses tu...



Se te pudesse perguntar o que achas das minhas escolhas e dividir contigo os meus sucessos, sei que me iria fazer muito feliz, mas a realidade é que não és tu , já não!

O que esperamos de quem amamos é que consiga estar presente, que nos conheça o bastante para ajudar nas decisões, que muito certamente envolverão ambos, mas nada é perfeito, pelo menos não o tempo todo, por isso há que seguir em frente e procurar pelo melhor, porque o melhor existe e só teremos que nos dar a chance.

Se fosses tu, aqui, neste preciso momento em que me saberia tão bem sentir a minha melhor metade, quase que seria perfeito, como perfeitos foram sempre os nossos momentos a dois, mas não estás, não és e não mudarás mais nada, não a mim.

Será que fazemos bem em querer tanto alguém, que a deixamos entrar nos nossos lugares sagrados,abrindo-lhe as portas que fechámos aos outros para nos protegermos? Tem que estar bem, não há outra forma, se não somos inteiros do que adianta afinal? Eu sei que muitos vão colocando apenas a ponta dos pés, mas ou se entra de vez, mesmo esborrachando a cara, ou nunca aprendemos nada, nem sentimos em pleno, o bom ou o mau, no fundo a vida.

Queria que fosses tu hoje, mas não és, não estás e terei que aprender a viver com isso, rapidamente!




9.8.15

É contigo que sonho!




Sei que é contigo que sonho porque os meus dias deixaram de ser normais, agora apenas espero que corram rápidos para poder voltar a ti, em sonhos!


Não sei quem és nem onde foi que te vi antes, mas a tua cara é-me familiar, os teus olhos sorriem quando me vês e ficamos ambos felizes por voltar. Estarei a enlouquecer?

- Isso são carências minha amiga, estás a precisar de alguém real na tua vida, o problema dos candidatos vai ser o de se igualarem a esse teu dream man.

Não seria tão bom que tudo o resto fosse assim, que pudéssemos apenas chamar por quem nos faz falta e que o construíssemos primeiro em sonhos, testando-o e só depois passássemos para a realidade? Certamente que resultaria melhor, ou pelo menos as probabilidades de nos darmos mal baixariam drasticamente.

Os meus sonhos, que agora também já são teus, têm-nos mostrado como somos realmente, e até estou a começar a gostar de mim. Consigo ver-me como num filme, do lado de cá, mas com alguns poderes, sobretudo de nunca deixar nada por dizer e de te mostrar, em cada sonho que comigo serás tu mesmo e que de cada vez que acordarmos a nossa vida fará mais sentido!

8.8.15

A solidão!


Temos amores, desgostos de amor, começamos e recomeçamos, sentimo-nos prontos, finalmente e depois do nada, a solidão regressa e repõe tudo o que nos impedia de sermos mais inteiros e de confiarmos no nosso direito a sermos felizes!

Nunca existem garantias, as certezas são para os tolos, ou para os que arriscam quedas totalmente desamparadas, por isso podemos apenas ir tentando e vivendo no percurso, porque se os finais não forem como esperávamos, pelos menos tivemos os inícios e os durante. Mesmo para os que asseguram ter escolhido a solidão, algures no tempo já arriscaram, já pensaram na satisfação que sempre vem com o nosso parceiro, com quem está realmente ao nosso lado, não importa por que período, desde que esteja igualmente empenhado e motivado enquanto nos inclui.

Aprender a viver sozinho não é o mesmo que estar numa solidão permanente. Ter quem divida connosco pensamentos, alguns sonhos e até os silêncios, ainda é o que vai valendo a pena e daí o desejarmos tanto. Não me importa se sou ou não bem sucedida, vou continuar a tentar, porque preciso de acreditar que existe uma metade que preenche a minha outra e que a solidão não é a opção viável.

Se os reveses fossem motivo para desistirmos, já nada mais seria opção, e a nossa alegada felicidade estaria irremediavelmente condenada, assim sendo, embora lá continuar a tentar, a insistir, a visualizar a meta, porque um dia chegaremos, e quando acontecer, sei que teremos a certeza!

7.8.15

Escrever e escrever...

Feelme/Escrever, escrever...Tema:Me!
Imagem retirada da internet

A vida só tem sabor quando fazemos o que nos dá prazer, quanto a isso estamos todos de acordo, certo?

O primeiro passo é sabermos a extensão e os contornos dos nossos sonhos, depois é correr atrás deles, nunca desistindo perante as dificuldades que, inevitávelmente, irão surgir. O simples facto de termos algo que nos povoe a mente de forma concreta, por si só enche-nos de um bem estar indescritível, como se tivéssemos voltado a ser crianças outra vez, e o nosso melhor presente ficasse ao alcance da nossa mão, mas quantas pessoas não fecham os sonhos, a sete chaves, com medo de tudo o que precisarão de percorrer para os concretizar, sendo forçados a sair da sua zona de conforto, e arriscando a felicidade às pazadas?

 Supostamente a simples ideia de sermos felizes deveria bastar, mas aparentemente não funciona assim, e o que vemos são almas desgastadas pelo muito querer, mas sem nunca sequer arriscarem. Quase que consigo entender, até porque já lá estive, no mesmo lugar, onde apenas sonhava, acordada, sobre a possibilidade de conseguir sonhar mesmo, com toda a consistência e determinação, mas há muito que me deixei de meios termos, agora vou sempre à procura da materialização, e até que me prove a mim mesma não poder, não saber como, não desisto e continuo, até que os consiga tocar, mesmo, aos sonhos, claro.

Escrever começou por ser um, e onde ele já vai. O blog promove um prazer imediato, porque imediatas são as reacções de quem me lê, mas os livros completam o quadro, demoram a conceber, são feitos com todo o carinho e quando finalmente estão prontos, o que me fazem sentir excede tudo o que poderia conseguir transmitir-vos.

A sensação de ser dona de um sonho realizável e de até ter algum talento, felizmente reconhecível, torna tudo ainda mais incrível, não forçosamente fácil, mas com objectivos claros, e do qual nunca poderei desistir.

Escrever e escrever é o que quero continuar a fazer, sempre e só com prazer, não imagino outra forma. Já agora obrigada por estarem do lado certo do meu sonho, sem vocês não seria posível!

6.8.15

Fora da caixa!

Тата

Tudo fica fora da caixa para onde vou quando sou apenas a mulher que escreve. Experimentem ser criativos, apaixonados, cheios de sentimentos profundos e positivos e colocarem tudo isso em palavras, enquanto o resto do mundo por vezes quase explode na nossa cara. Nada pára apenas porque preciso de usar os tais sons em forma de palavras, os que ainda vão tocando as pessoas que se identificam e que acabam a ter o que lhes está dentro, mas não sabem como soltar.

Não é raro eu achar - "hoje não vou conseguir" - porque é sempre tanto o que tenho para resolver sozinha. São umas quantas pessoas que dependem de mim e que consideram que eu tenho todas as respostas, quando na maioria das vezes só me apetecia sossegar e ler exactamente o que estou a sentir e a viver.

Sou um pouco ao contrário, é dentro da caixa que mudo e me transformo numa mulher nova, arrojada nas palavras e nos sentimentos, levando alguns a crer que sou feita de uma massa bem diferente, mas acreditem em mim, grande parte das minhas palavras são apenas isso, palavras que chegam depois dos muitos milhões que já li e acabei a usar. Digamos que as sei juntar bem para as ocasiões certas e que tenho alguma inveja do que consigo articular, porque mesmo sendo determinada e empreendedora, se tudo o que escrevo fosse EU, a 100%, Oh my god...

1.8.15

É tão fácil enganar uma mulher!



É tão fácil enganar uma mulher. Consegue-se, sem muito esforço, deslumbrar outra pessoa, levá-la a olhar-nos com olhos diferentes, só teremos que a estudar, sobretudo se for uma mulher. Basta que saibamos com o que sonham, o que esperam dos príncipes encantados e não falo dos que vêm com pés de barro!

Homem que é homem sabe do que padecem as mulheres. As dores que as fecham ao mundo. Os beijos pelos quais anseiam e não parecem chegar de ninguém. Os momentos que desejam ver aumentados ao lado da pessoa certa, apenas ao lado, sendo abraçadas e cuidadas quando todos os outros acham que não precisam, porque elas já precisam de muito pouco. Agora são profissionais de sucesso, cultas, mas sempre no caminho de mais e mais. Viajam, determinam onde querem estar, na vida e quando, apenas continuam sem conseguir controlar os sentimentos e é aí que entramos nós.

Isto de por vezes ter que ser um filho da puta e de as usar em benefício próprio, não vem sem riscos, mas por mim continuo a querer corre-los. Caramba as mulheres são boas. Há-as de todos os formatos, e mesmo que usem e abusem dos implantes, são um regalo à visão e mexem-nos por dentro, permitindo-nos ligação directa com o único cérebro que nos interessa. Sim, esse mesmo!

Já as tive loiras, morenaças, de corpos delgados e voluptuosos, de cabelos longos e sedosos, a cheirarem a jasmim e a todas as outras flores que não conheço o nome. Das mais cultas às mais básicas, encontrei sempre denominadores comuns, o desejo de se despirem das máscaras que usam diariamente, e poderem ser apenas elas, confiando em quem escolheram, para se exporem a apenas um.

Se eu abrisse uma empresa de consultadoria emocional, sei que me iria dar muito bem, tal como os que viessem até mim, porque lhes mostraria o caminho. Não estou a dizer que somos todos lobos com pele de cordeiro, mas a verdade é que a haver bons, sobram muito poucos e não é preciso muito estudo para saber o que fazer para deixar uma mulher louca, pronta e deslumbrada.

Se metade das que já tive soubessem realmente quem eu sou e como as usei, quase sempre, mesmo tendo dado partes de mim, já não estaria vivo para contar, mas até que me arranquem a pele, vou continuar a ter quantas decidir e desejar!