É tão fácil enganar uma mulher!



É tão fácil enganar uma mulher. Consegue-se, sem muito esforço, deslumbrar outra pessoa, levá-la a olhar-nos com olhos diferentes, só teremos que a estudar, sobretudo se for uma mulher. Basta que saibamos com o que sonham, o que esperam dos príncipes encantados e não falo dos que vêm com pés de barro!

Homem que é homem sabe do que padecem as mulheres. As dores que as fecham ao mundo. Os beijos pelos quais anseiam e não parecem chegar de ninguém. Os momentos que desejam ver aumentados ao lado da pessoa certa, apenas ao lado, sendo abraçadas e cuidadas quando todos os outros acham que não precisam, porque elas já precisam de muito pouco. Agora são profissionais de sucesso, cultas, mas sempre no caminho de mais e mais. Viajam, determinam onde querem estar, na vida e quando, apenas continuam sem conseguir controlar os sentimentos e é aí que entramos nós.

Isto de por vezes ter que ser um filho da puta e de as usar em benefício próprio, não vem sem riscos, mas por mim continuo a querer corre-los. Caramba as mulheres são boas. Há-as de todos os formatos, e mesmo que usem e abusem dos implantes, são um regalo à visão e mexem-nos por dentro, permitindo-nos ligação directa com o único cérebro que nos interessa. Sim, esse mesmo!

Já as tive loiras, morenaças, de corpos delgados e voluptuosos, de cabelos longos e sedosos, a cheirarem a jasmim e a todas as outras flores que não conheço o nome. Das mais cultas às mais básicas, encontrei sempre denominadores comuns, o desejo de se despirem das máscaras que usam diariamente, e poderem ser apenas elas, confiando em quem escolheram, para se exporem a apenas um.

Se eu abrisse uma empresa de consultadoria emocional, sei que me iria dar muito bem, tal como os que viessem até mim, porque lhes mostraria o caminho. Não estou a dizer que somos todos lobos com pele de cordeiro, mas a verdade é que a haver bons, sobram muito poucos e não é preciso muito estudo para saber o que fazer para deixar uma mulher louca, pronta e deslumbrada.

Se metade das que já tive soubessem realmente quem eu sou e como as usei, quase sempre, mesmo tendo dado partes de mim, já não estaria vivo para contar, mas até que me arranquem a pele, vou continuar a ter quantas decidir e desejar!