Incrível a falta que me fazes...




Incrível a falta que me fazes, a vontade, quase animal de te querer. Incrível como uma simples música me põe ao teu lado e me deixa sentir que te sinto, tão dentro de mim que poderia jurar estar a ter-te, neste preciso momento.

Nunca tive o suficiente de ti, nunca me consegui cansar do que me deste, nunca estivemos, um no outro, o bastante para que pudesse ter acumulado alguma energia, usando-a em dias como o de hoje, em que preciso, REALMENTE, de te tocar, e onde o medo de me deixar enlouquecer, de me rasgar de dor, e a falta de ti me atormenta e me prova o quanto ainda sou humana e continuo a amar-te.

Não falo com ninguém, não me atrevo a permitir que questionem a minha sanidade, e que me atribuam uma fragilidade da qual afinal também sou feita.
Não mostro, não pestanejo mais acelerada, nem fico mais inquieta exteriormente, tudo o que sinto, em momentos assim, vem de dentro e volta para dentro à mesma velocidade, revolvendo-me as entranhas, abanando-me com uma força invisível, mas que eu sinto, de forma real, como sinto o vento frio na face quando corro, o mais veloz que consigo, para te conseguir deixar para trás.
Não quero ser forte nestas alturas, só me queria sentir abraçada por ti, encostando-me tanto ao teu corpo que me esmagasses com todas as emoções que me passarias, beijando-te de seguida, de forma desesperada, sôfrega, implorando-te para que não parasses, impregnado-me de ti, até te carregar, todo, para te armazenar e não ter que estar sem ti, como estou agora.

Incrível a falta que me fazes e como, por vezes, desisto de me questionar e apenas sinto, sinto e pronto. Treta de vida, droga de amores mal resolvidas, raio de convicções e de maturidade, bem que me apetecia ser uma menina, sem escudos e armaduras e apenas te gritar que me viesses curar de ti, da única forma possível, amando-me, muito, toda, sempre...