As músicas que apenas eu escuto e escolho!


                                                 
                                                     






















   




As músicas que apenas eu escuto e escolho, não precisam entender do que entendo eu, não têm que olhar para o mesmo lado, nem ver o que vejo, agora e sobretudo já não preciso que precisem de mim.

Eu escolho as minhas músicas e sei que as vou dançar sozinha, à minha maneira, com as luzes suaves, a beijarem-me o corpo que sei mover, acompanhando o som que chega e se me entra dentro. Já não sou a mesma, nem poderia, porque a cada dia mais umas horas se acrescentam às minhas, e passo a inalar mais um pouco de sabedoria, não porque queira saber mais do que tu, e do que tu, mas apenas porque agora já sou apenas eu, a dançar as músicas que escolhi, a saber o que sei, de mim.

A sensação que precede o fecho, o fim, é tão quieta, tão natural e certa, que quase me sinto a flutuar. Estou tão livre que poderia saltar de um penhasco, e mergulhar num qualquer mar, sem ter medos, sem conseguir ver o fundo, mas sabendo o que esperar.

Quem me poderia levar agora e quem teria forma de me despertar de mim? Ninguém, porque mesmo que me conseguisse amar, não o faria melhor do que eu. Não sei se será triste, se acabei de dizer adeus, de costas sem precisar de olhar e que me olhem, sei apenas que as músicas sou eu que as escolho!