17.10.15

Resto eu!

Feelme/Resto eu!
Terei que ser, eu, primeiro eu, a não me deixar desiludir, a procurar o que me faz falta, a ir até onde me levar o corpo e a coragem, a tentar, tantas vezes quantas precise, até conseguir.

Ninguém estabelece os meus limites, ou sequer define o que preciso de produzir, diariamente, quando paro ou arranco, se desisto ou se simplesmente espero que acalme.

Resto eu para ser da forma que consigo, sabendo que nada me impede do que tanto me esforço para ter, e mesmo sendo uma posição solitária, tendo todos os riscos por minha conta, não sabendo como poderia partilhar os sucessos se ao menos estivesses aqui, acabo a saborear um sabor amargo e doce, acompanhado de um misto de alegria emergente, a que me vem porque sim, porque sou assim, porque sei do que preciso para me auto motivar, e de vazio que sempre resta aos que não se misturam o bastante.

Estou TÃO mais tolerante, paciente com os que não têm a minha velocidade, tentando que se mudem, tal como o fiz eu, para que possam saborear a felicidade que acompanha, inevitávelmente, o crescimento emocional. Já não respiro fundo tantas vezes, contando infinitamente para me sossegar. Já consigo "perder" umas quantas horas com quem parece precisar mais de mim do que eu mesma. Já sei o que tenho que dizer para as suas vidas se encaixem, para que tenham certezas, para que não se parem e sigam até que os seus momentos cheguem.

O que acontece no final dos dias, sempre, numa repetição que quase me consome, é o reflexo que me sobra, o meu, apenas eu olhando para mim, percebendo que construí para os outros, que os cuidei e fiz acontecer, em simultâneo comigo, mas sempre e apenas eu.

O bom de tudo isto? Se eu for a única que restar, no final, sê-lo-ei sem dúvidas, porque a maior certeza de todas, e tenho-a eu, é que a cada dia, sou a que se procura, a que oferece conselhos, as palavras encorajadoras, os abraço, mesmo que à distância e todos poderão continuar a esperar que os espere e que não desista de os acolher. Quem sabe um dia não chegará a minha vez, e não terei, com a mesma certeza com que me dou, quem venha para me dar o que já me começa a fazer falta. Quem sabe não restarei apenas eu, para mim!


Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...