27.11.15

Estreia na escrita em andamento!

Feelme/Estreia na escrita em andamento!Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Estreia na escrita em movimento. Ontem não consegui deixar nenhum post agendado, afinal de contas até uma mulher tem limites e eu terei certamente os meus. Assim restou-me escrever no comboio, a caminho de um caminho que certamente terei que fazer muitas vezes, e perdoem-me a redundância, mas aqui tinha que ser.

Estou a precisar, mesmo, de me descolar do papel de mãe, porque eu uso de um exagero e de um contole que ainda os sufocará um dia. Não sei delegar, sou de um exagero que cansa, cansa-me sobetudo a mim, por isso esta nova etapa irá trazer ajustes benéficos para todos nós.

Mais logo darei notícias sobre o maravilhoso evento, no qual estarei presente. Tudo tem um início, um encadeamento, e como já ouvi dizer esta semana, a vida só é dura para quem for mole.

Mexam-se, para chegarem a algum lugar que valha mesmo a pena!




23.11.15

Estou a sentir-te, agora ...

Feelme/Estou a sentir-te, agora...


Agora, neste preciso momento, enquanto todas as partes do meu corpo se movem, numa dança que já conheço, acompanhada dos sons que me dizem tanto, porque estás em cada um. Estou a sentir-te enquanto me solto, em cada movimento, levando a que as minhas pernas saibam, exactamente, o que fazer e quando. Estou a sentir-te, com os olhos fechados que ainda assim te conseguem ver e te imaginam, colado a mim, enquanto, lânguida, pronta, desejosa de um desejo que não passa, não até que te tenha.

Eu sou feita tanto de sentimentos, quanto sou de sons, os que servem para me acordar de mim e voltar a funcionar.
Eu sou a que encontra, sempre, forma de se restaurar, quando o despertar não foi o esperado.
Eu sou a que conhece, tão bem, este corpo, por onde só passas tu, mesmo quando não estás.
Eu sou a que te encontra de cada vez que te procura, porque há sempre forma, sobretudo quando o que está do outro lado é o que faz este continuar.

Não paro, não me sossego, não desligo até que toda a forma de te sentir me encha e preencha, cada pedaço. Não permito que te vás, por muito tempo, porque sei como te manter vivo, à minha espera também.

As músicas que vão surgindo, uma a uma, e passeando por mim, são o antídoto, milagroso, para tanta espera, para cada segundo que sei que não te trará, mas que também te impedirá de partir.
As músicas, escolhidas, a dedo, fazem-me voltar a mim, a ser quem precisa de funcionar, a 1000, estando em todos os lugares em que faço falta, e sendo, para mim, a que tenho que ter para não parar, para nunca me parar.
As músicas que escuto, atenta, permitindo que entrem em mim, como entrarias tu, se estivesses aqui, agora, para me tocares onde preciso, para não enlouquecer de uma loucura que me levaria até o que nunca ninguém conseguiu arrancar.

Tudo acaba a funcionar, outra vez, quando funciono eu, quando eu sou aquela com quem se conta, a que cuida de quem tem que ser cuidado, estando onde é previsível, mesmo que fuja, por segundos, para onde mais ninguém me encontrará, excepto tu, que nunca sais de onde estiver.





20.11.15

Estou preparada!

Summer Slumbers Free Photo
Feelme/Estou preparada!Tema:Me!
Imagem retirada da internet

Não sei se estou ou se fiquei, de repente, preparada, após ter percebido mais um milhar de coisas, mas seja lá o que for o estado, ou o caminho, a verdade é que me sinto diferente, como se tivesse, de repente, renascido!

Eu sou mulher, é um pequeno grande pormenor, que significa sobretudo, que gosto de dar nomes às coisas. Aos sentimentos então nem falar. E por isso pergunto-me porque afinal só consigo ver agora, com clareza, o que sempre esteve antes? O que mudou em mim?

Hoje é dia de reconhecimento, amanhã poderá ser de análise, e mesmo que não pare de pensar no assunto, já o consigo segmentar. Como tudo o resto na vida, cada coisa na sua hora e lugar, porque se não for assim, rebento como os sapos quando lhes põem um cigarro na boca.

Agora já acordo preparada.
Agora sei como me relacionar com algumas pessoas que me faziam ferver de frustração.
Agora condescendo ao ponto de as deixar circular, como sempre o fizeram, mas sem me perturbarem.
Agora mando eu, até no que escolho sentir.

Viver não custa... nós todos conhecemos o ditado popular, e é mesmo verdade que tudo passa pela forma como vivemos, nós, e permitimos que vivam, os outros. Assim como também é verdade que o que tivermos que percorrer, cedo ou tarde o deverá ser, de contrário nunca nos sentiremos capazes de dar e de ser mais.

Uma mulher resolvida, sobretudo consigo, que já teve tempo de perceber onde errou e porquê, acaba a largar da mão e que não lhe cabe mais, e aceita o que vier, com mais energia e foco. Pareço um psiquiatra a falar, é só mumble jumble, treta, para ser mais específica. Estou a dar umas quantas voltas apenas para explicar que fiquei preparada quando achei que devia, nem um minuto antes, e mesmo que não fosse assim tão perceptível para mim, eu já sabia, porque me conheço, que tudo o que me esforço por conseguir, é alimentado, mesmo, e depois só tenho que aguardar que chegue.




17.11.15

Não te encolheste, nem quando te partiram!


Não te encolheste, mostraste alguns medos quando te partiram pela segunda vez, mas não te fechaste ao amor e acreditaste que terias um tempo e um lugar.Tens sido uma lufada de ar fresco, para todos e até mesmo para mim quando arrisco desiludir-me, achando que a minha vez nunca chegará.
Tenho-me alimentado do amor que te vejo reflectir e que reflexo maravilhoso chega do teu olhar, das palavras que agora carregas e já sem os medos de antes.

Conheço tão pouco de ti, mas consigo sentir cada pedaço de alegria que espelhas. Não sei praticamente nada do que vives, mas consigo perceber o quanto tudo se encaixou e como encontraste quem te ama, verdadeiramente, tanto quanto te sabias capaz de amar.

Precisamos de nos voltar a encontrar, para que me insufles cada gota dessa coragem de que te envolveste para teres tudo o que recebes, agora, com mérito reconhecido. Precisamos de nos aproximar, para que também eu te passe a certeza que me ficou, da possibilidade que nos caberá a todos, bastando que o queiramos, de ter quem conta do nosso lado e para que não pensemos em desistir do que é importante, porque mesmo que a entrada no caminho não seja a mais fácil, certamente que depois de estarmos no piso que reconhecemos saberemos até se de pés descalços o conseguiremos percorrer.

Este pedaço de mim foi todinho para ti, porque és uma mulher linda, de alma e de corpo, de carácter e de perseverança e porque é desta forma que te sei homenagear. Toda a felicidade do mundo e que cada sorriso teu se multiplique e espalhe para todos nós!

15.11.15

Nada é por nós ou para nós

Feelme/Nada é por nós ou para nós! Tema: Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Vivemos numa sociedade na qual nada, mas mesmo nada é feito de forma a que nos facilitem a vida, e para que sejamos mais felizes e completos!

As leis são apenas para um dos lados, os benefícios para os de mais poder, e todos os outros seguem, como ovelhas, pelas linhas da cor que determinaram. Não é suposto que reclamemos, que demonstremos desagrado, porque tudo foi feito de forma tão automática, que ainda nos conseguem deixar com sentimentos de culpa, de cada vez que nos atrevemos a discordar.

Ter uma voz dá trabalho. Dizer o que pensamos, como queremos e porque pensamos de forma diferente, obriga a que se tire o rabinho do sofá e se vá. Falar de trás, com uma voz de burro, não nos trará resultados, mas infelizmente para o país, a maioria prefere que seja assim.

- Vou-me chatear para quê?

Deves-te chatear para que nos chateemos menos, passo a redundância. Temos que ir aos sítios certos para que todos à volta possam beneficiar das melhorias, porque se for bom para ti, será certamente para mim, esta é a regra. Dividir para conquistar, e tão bem que se divide este nossa país à beira-mar plantado. Faz-se de mansinho, sem muitas ondas e as mesmas continuamos a navegar, só que já não para descobrir, apenas para sobreviver.

O que é meu será meu por direito, O que eu mudar ficará para os meus, e de cada vez que eu lhes puder mostrar que ter iniciativa, saindo da nossa zona de conforto, pode ter resultados práticos, fá-lo-ei e serei o exemplo que tomarão para quando um dia precisarem de se defender a si e aos outros.

Nada do que me quiserem forçar, sem explicações e usando uma tabela única, alguma vez terá resultados, não sem que eu lute e esperneie.
Nada do que eu não precisar de engolir, será mastigado. Nunca!







10.11.15

Será que ainda se pode simplesmente estar presente?


Será que é possível, doable, como dizem os ingleses, ajudar os outros, sem mais nada, apenas porque nos preocupamos e até conseguimos forma de resolver o que mais ninguém consegue? Dito assim parece que a resposta só pode ser um sim redondo, mas aparentemente nada é claro nos dias de hoje.
Se fazemos é porque temos alguma intenção escondida, se não fazemos somos uns egocêntricos. Se ajudamos os de fora perguntam-nos logo pelos de dentro. Preso por ter cão...

Cada vez entendo melhor os que se arredam da vida alheia, os que dizem lamento, mas não posso, porque esses apenas se livram, na generalidade das vezes, de problemas que não lhes dirão respeito. Tudo é bem mais fácil quando somos apenas nós, menos propenso a debates e a análises, mas a verdade é que também existe a ajuda sem retorno, existem pessoas que apenas não conseguem virar a cara e fingir. Olhem só que chatice, ser humano tem mesmo porras. 

Eu acredito, piamente, que é possível sermos mais próximos uns dos outros, e não apenas nas ocasiões boas, porque para essas há sempre filas. Podemos dispensar alguns segundos para sabermos se estão bem, se precisam de falar, de um colo, ou calor especial, daquele que apenas os que se importam mesmo conseguem passar. Eu acredito que se dermos hoje, amanhã alguém se lembrará de nós, porque os ciclos apenas se completam desta forma!


8.11.15

Os nossos sonhos!

Feelme/Os nossos sonhos!Tema:Pensamentos!
Imagem retirada da internet

Todos os desejos que não nos inibimos de partilhar quando somos jovens, de sangue na guelra, a achar que o mundo congeminará a nosso favor, oferecendo-nos todas as oportunidades, que, aprenderemos mais tarde, apenas chegarão se fizermos por isso.

Os dias organizados pelos pais, as orientações académicas, mais ou menos apresentadas por quem aparentemente parece saber do que fala, tudo, mas mesmo tudo, corre sempre de forma previsível e natural, mas o resto das nossas vidas já não será assim, e de uma forma ou de outra, ficaremos a sabê-lo.

Quantos de nós não parámos já para pensar em tudo o que mudou, em cada sonho que jurámos manter, nos amigos que perdemos, e não porque o fossem menos, mas porque nos forçaram a entrar numa outra pele?

- É a vida - dirão alguns. É a passagem à vida adulta, que supostamente não pode ser envolta em risos, em concretizações, em amores que resultam, no modelo de família que tantas vezes vimos retratados nos melhores romances de cinema. Tudo parece ser possível, sim, mas apenas para os outros, porque para "nós" os restantes, existe o fatalismo, a inevitabilidade, as mágoas de grandeza, os sonhos que já não sonhamos mais porque seria até pecado tanta felicidade.

Soubéssemos nós, quando, inocentes e livres, corríamos pelos pátios do recreio das escolas pelas quais fomos passando, e mais forte e alto teríamos sonhado, porque pelo menos, e nessa altura, seriam sempre possíveis de manter.

6.11.15

Ainda há verde!

Feelme/Ainda há verde! Tema: Pensamentos!
Imagem retirada da internet


Mesmo o cinzento do céu não abafa o verde das árvores, agora com pinceladas de um castanho-mel. Até as nuvens que correm, velozes, permitem continuar a sentir o calor que virá das pessoas certas, das que ligam para um simples olá, das que se preocupam mesmo, e que nos provam que a amizade, quando instalada, permanece.

Já não te tenho tantas vezes, mas sabemos, ambas, que estamos lá, aqui, em todas as frentes, uma para a outra, partilhando-nos, às nossas preocupações, rindo das tolices e quase chorando das derrotas, inevitáveis, porque nem sempre se vence.

Sinto-te diferente, uma mulher mais determinada, de mente mais disposta e aberta ao que será bom para ti. Acho que percebeste, finalmente, que afinal controlas bem mais do que julgavas, que tens algo a dizer que merece ser ouvido, e é por isso que aceito os teus conselhos, porque o fazes de forma a provar-me que nem sempre estou certa, ou tão simplesmente, que tenho que aprender a ceder.

Sinto-te a falta, dos nossos momentos de análise desenfreada da vida, das partilhas, dos medos, das esperanças, dos amores mais ou menos correspondidos, das nossas vidas num todo, porque já estamos por aqui há umas quantas décadas.

Ainda há verde, muita cor, mesmo que envolta em alguma solidão, sobretudo porque apenas sentimos falta do que acaba a fazer falta realmente. É bom que saibas que acabei de embarcar em mais uma "viagem" promovida por ti, e espero, sinceramente, que desta vez tenhas mesmo razão, até porque estou a precisar de que precisem de mim como atestas.




Depois da noite...


Feelme/Depois da noite...Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Chega um dia novo, mais um, e este, mesmo sem sol, chegou claro, simples e a fazer sentido!

Estou a ouvir uma música suave, com um bater de ondas que mesmo vindas de longe, chegam de forma libertadora e a recordar-me do que comecei e porquê. Não é desta forma que conduzo toda a minha vida, a fugir, a evitar o inevitável, a esconder-me de mim. Não foi isso que aprendi e não é o que pretendo ensinar. Tudo tem uma forma de terminar ou de continuar, mas há que o saber, é forçoso que se entenda e se pare de viver em suspenso, não é natural e não faz bem, a ninguém.

Do outro lado da minha vida ainda estás tu, e preciso de saber quem está do lado da tua, quero entender-te, falar a mesma língua, usando a mesma linguagem. Se for para que nos arrumemos, que seja, mas se houver uma luz, mesmo que pequena, então quero que se mantenha acesa, mesmo.

Será que conseguiste perceber que sou apenas eu a falar, e que não ter respostas muda as perguntas? Não posso continuar a dizer "eu", tenho que saber que "tu"estás mesmo aí, porque sabendo-o posso mudar muitas coisas, acredita em mim, por favor, uma vez.

Se tudo o que "li" foi distorcido, se errei na legendagem, temos agora o tempo e o momento de nos esclarecermos. Depois desta noite percebi que alguma coisa tem que acontecer ou simplesmente deixar de ser, por isso te estou a pedir que me aceitas, mais uma vez, só por um pequeno período da tua vida, para nos limpar-mos de nós, de uma vez só, ou para ficarmos juntos, para sempre.

Já pedi...

5.11.15

Quem é que nos percebe?



Quem é que nos percebe, a cada um de nós, homens e mulheres, sobretudo porque parecemos ter partes que pertencem ao outro, numa mistura que apenas serve para complicar ainda mais tudo?

Umas com cérebro de gajos, e uns com cérebro de gajas, puxaaa, assim é que não dá mesmo, já passamos metade do nosso tempo a tentar descodificar informações, ora se elas vierem em duas línguas em simultâneo, quem é que aguenta?

Por favor, mais paz e amor, mais entrega e paciência e menos cobranças, só temos esta vida, não vale a pena guerrear por um quinhão de terra que nem sequer é nosso. Eu pessoalmente, mesmo sendo de um sigo de ar, não gosto de pairar muito tempo lá por cima. Preciso de estabilidade, sobretudo emocional, as inseguranças e dúvidas dos outros desgastam-me. Já voltei a enterrar o machado de guerra, voltei à concha e fui-me restaurar. Preciso tanto, mas tanto das minhas energias, que nem conseguem calcular. Os dias são longos, as solicitações enormes, as responsabilidades gigantescas, e sempre eu a fazer acontecer, por isso não me quero amargar, não preciso de não ser gostada por mim.

Os silêncios e a comunicação difusa, trás mal entendidos inevitáveis. Sem sons, cada um "lê" o que bem lhe apetecer, da forma que lhe soar, no momento que estiver a viver, daí ser sempre tão verbal, dizendo o que sinto e quero, mas pronto, esta sou eu, desta forma, não o és tu e certamente nunca serás. Como me dizia alguém, hoje, que até te parece entender, ou vou eu à luta e te faço acreditar que te quero e que estou disposta, ou jamais sairás do teu casulo, da tua armadura, porque és assim, porque não consegues ser de outra forma.

O que eu sei é que não gosto disto, não gosto de mim assim, dura, agressiva, na defensiva o tempo todo. Não quero lutar contra quem amo, não quero e não preciso de parecer o que não sou. Vou deixar que a sabedoria da noite me traga a serenidade de que preciso, e amanhã decidirei se te quero realmente, e o bastante, para lutar por ti. Se a resposta for um não, prometo que nunca mais te voltarei a "pisar", porque se não é suposto ficarmos juntos, então que pelo menos fiquemos bem, sozinhos...




Bardacaca!

Feelme/Bardacaca!Tema:Me!
Imagem retirada da internet


Agora já sabem o que digo quando me pisam o pé!

Olhem que é preciso muito para que me saiam umas asneiras boca fora, mas há dias em que na falta de eu poder dar uns berros, mando bardacaca e sabe-me, QUASE, tão bem.

Quem é que consegue ter paciência para meninos? Que não sejam os filhos, claro está, os nossos e os dos outros, porque para homens crescidinhos e de barba, é que já nem a fazer bonecos.

Também gosto do "vai-te encher de moscas", esta uso quando estou com fraca imaginação, porque há quem diga que tenho muita e que até faço filmes, faço pois, o pior é que faço mesmo, sobretudo quando tenho o actor principal já escolhido e quando é um Romeu de esquina dá logo um filme mexicano.

Pronto, já percebemos os dois que o que lá vai, lá vai, por isso chega de atirar bolas, eu nunca fui grande coisa no ténis de mesa, e bolas mesmo, mesmo, só das outras. Eheheheh, hoje estou imparável, mas eu prometo que paro quando tu parares. Prometo que te deixo respirar sozinho, quando me deixares continuar, como estava antes de teres vindo pingar amor para estas bandas. As conversas de surdos não surtem efeito e se fosses homenzinho já te tinhas vindo explicar, pessoalmente - Isso é que era bom - respondes tu que até tens amor ao pelo, é que se viesses com conversas da treta para cima de mim, eu dizia-te com quantos paus se fazia uma canoa.

Está o repto lançado, vê lá se consegues crescer um palmo a mais, ou se apenas te mando, bardacaca!







3.11.15

Ser desconfiado!




Imagem relacionada


Ser desconfiado, por si só, é um defeito e bem feio. Eu digo sempre que quem é desconfiado não é certo, mas quando os não desconfiados começam a desconfiar, ui, é porque vai mesmo correr mal. A sensação de desconfiança é extremamente desagradável, eu pessoalmente odeio-a, porque enquanto não tenho as devidas confirmações, não consigo sossegar e o mau estar instala-se. Juntem a tudo isto o facto de ser mulher e a combinação é terrível, porque não raras vezes, quando estamos a caminho de descobrir algo, encontramos mais 4 ou 5 verdades.

Tudo poderia ser evitado se fossemos honestos e não andássemos a camuflar verdades que, cedo ou tarde, serão descobertas e desenganem-se os que pensam o contrário, a mentira pode até não ter perna assim tão curta, mas a dada altura cansa-se de caminhar sem destino. De boas intenções está o inferno cheio, por isso permitam-me discordar das "boas" intenções que sempre parecem vir embrulhadas em meias verdades. Uma verdade dita na hora certa pode ter efeitos balsâmicos e evita que passemos a ser eternamente rotulados, é que já diz o ditado que mentiroso que mente uma vez, mente sempre.



Não sou por natureza desconfiada, dou SEMPRE o benefício da dúvida a todos os que considero iguais a mim, mas se me enganarem uma vez, terão que se dobrar e desdobrar em acções contrárias para voltarem a fazer parte do ciclo de pessoas por quem tenho respeito. Ser desconfiado é tentar, em vão, não ver repetido o que se comeu, sem qualquer escolha. Mas ser desconfiado como defesa, é atacar quem não mente nem engana. Ser desconfiado, é recusar quem pode ter chegado para sarar todas as feridas e se não nos soubermos limpar do que tanto parece ter-nos magoado, então nunca saberemos quem são. Ser desconfiado é ter medos que o medo não explica...



Quando é feito com amor!




Tudo aquilo a que nos propomos, cada projecto e sonho perseguido, tem sempre um duplo sabor quando é feito com amor. Quanto a isso julgo que ninguém tem nada contra.

Felizmente para mim, por um lado, tenho sempre trabalhado em áreas que me deram imenso prazer, e sempre que deixou de ser assim, voei o mais alto que pude e fugi. Do tédio, da rotina, das mentes pequenas e sobretudo da falta de visão. Isso tem-me custado, obviamente, alguns dissabores sobretudo financeiros, porque poderia já ter viajado meio mundo e conhecido outro meio, bastando que não tivesse muito para opinar. Fugindo ao que a maioria das pessoas faz, eu não considero que umas férias durante o verão, ou uns quantos dias no inverno, compensem o restante ano, o que fazemos da vida deve ser contínuo e não apenas centrado em algo que jamais terá poder para abafar o que nos minará a alma, e a resistência física.

Amor, paixão, entrega, não são apenas adjectivos comuns às relações amorosas, o trabalho, a nossa "luta" diária, pede tudo isto, exige-os uma exigência maior, porque é a trabalhar que passamos grade parte dos nossos dias.

Nunca quis pouco, nunca me contentei com migalhas, vindas de onde viessem, até porque tenho filhos a quem tudo o que faço os influenciará de uma maneira ou de outra. A coerência e a determinação, levar-nos-ão sempre muito longe, acreditem.

Quando é com amor, até o sol rompe em dias cinzentos, e a chuva passa a ter um som especial e reconfortante. "Façam-me um favor, e sejam felizes"!


2.11.15

O que fazes com quem não faz?


Feelme/O que fazes com quem não faz? Tema: Sentimentos!
Imagem retirada da internet
Como se lida com quem não espera nada de si mesmo? Bem, isto é o que eu digo, porque às tantas têm apenas uma forma diferente de lidar com a vida, passando por cima de quem tenta andar por ela da forma certa. Mas que me faz confusão faz!

Conheço umas quantas pessoas, ultimamente tenho a sensação de que estão a aumentar, que parecem andar neste mundo por ver andar os outros, ou pior, andam de uma forma tão estranha e tão pessoal, que mais ninguém parece ter importância. Será que acham, mesmo, que só têm a receber e que nada lhes será pedido?

Por vezes apetece-me desistir e apenas ignorar que existem, porque não está escrito em lado nenhum, que estou aqui para lhes ensinar o que lhes cabe por direito. ou caberia se quisessem ter um bocadinho de trabalho que fosse.

Eu esforço-me, juro que sim, por tentar entender que não somos todos iguais e que uns serão sempre os machos alfa, enquanto que a restante "matilha" apenas os seguirá, mas mesmo assim não me consigo animar, porque na verdade estamos a construir uma sociedadedch e todos deveriam desempenhar o seu papel.

Fiquei com a sensação de que não estou a dizer nada de jeito, mas bem espremido, tudo isto significa apenas que os parados, os que não mexem um pé sem permissão do outro, me dão urticária. Ohhh gente pequena...




Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...