29.3.16

Falar de nós!

Feelme/Falar de nós!


Falar de nós, aos outros, tem-me importado muito pouco, porque não te exibo como um troféu, e porque não te encaixas em nada ou ninguém que tenha já conhecido. Falar de nós, do que representamos, um para o outro, certamente que apenas iria confundir uns quantos, por isso inibo-me de o fazer, e deixo para mais tarde o que já temos, há muito, no nosso agora.

Não me apetece dividir-te, nem sequer explicar do que és feito. Não me apetece "gritar" a umas quantas pessoas, que elas ainda não sabem o que é amar, nem o que significa ter quem as ame, como o fazes tu. Não me apetece repetir-me, dizendo-lhes que o óbvio sê-lo-á sempre, e que na dúvida deverão desistir, fugindo para o mais longe que puderem, porque o amor não suscita dúvidas, e porque querer, alguém, mais do que a nós mesmos, é que está certo, e faz de nós a pessoas certas.

Se eu "te" contasse, de que forma os meus dias rolam agora, "tu" que até me conheces há muito, ficarias com ar de espanto, e envolta em sentimentos que ainda não pudeste viver, porque não aprendeste a amar, assim, e porque nunca foste amada, assim. Se eu te relatasse os nossos momentos, os meus e os de quem virou o meu Universo do avesso, ficarias com algum medo, talvez com muito até, de não vires a sentir, na pele, no corpo e na alma, alguém que parece ter sido feito, TODO, para ti, planeado com tanto cuidado, que apenas assim teria o cuidado que nos cuida.

Falar de quem tenho, de quem chegou até a mim, de quem pedi até sem palavras, cansa-me, porque preciso de cada ponta de energia para propagar o que sempre tive. Falar do homem que me enche a alma e que me deixa ser eu, em todo o meu percurso, nunca me inibindo de lhe dizer o que nos faz falta a ambos, roubar-me-ia o tempo que lhe pertence.

Vou tentar deixar, aqui e ali, uns borrifos de tudo o que acabei a receber, porque talvez assim te entusiasme, para que procuras aquilo a que tens direito, mas nunca deixando de dar o que te também te cabe. Vou tentar que percebas, de alguma forma, que terás que te empenhar, muito, para que sintas o que estou a sentir eu, agora, e para que possas, também tu, gastar todo o tempo com quem importa mesmo.

Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...