10.3.16

Será que sei o bastante?

Feelme/Será que sei o bastante?


Será que o que sei de ti, deixa-me saber-te, o bastante, não cometendo erros que poderão, "matar-nos", aos dois?

Pois, não sei mesmo, e nem tenho o que preciso para cuidar de ti como estás a precisar, não ainda. Falta-me o que não gosto de fazer, faltam-me as perguntas que me pedes, para que me dês as respostas que tenho que ouvir, porque quanto mais chegares, até a mim, mais terei para analisar e entender.

Já gosto de tudo de ti, mesmo do que me enlouquece, talvez por eu ser, sempre, demasiado, cautelosa, receosa de passar o que não sou, porque não quero, em momento algum, que duvides do que sou para ti, da forma como te incluí, já, na minha vida, e como és tão mais importante que tudo o resto.

Os dias nunca mais foram iguais, os meus sobretudo, que vieste revirar, pondo-me, também a mim, do avesso, a procurar soluções que não cabiam antes, e a querer que estejas onde estiver eu. Os dias, meu amor, começam e terminam sempre contigo, nem os concebo de outra forma, porque se não te tenho, não me tenho. Se não te sinto, fico vazia, dormente e adormecida. Se não te oiço, arrasto as palavras que chegam aos outros. Os dias, um dia, serão o que queremos ambos. Quando nos tocarmos como o corpo nos pede. Quando nos olharmos como os olhos já fazem, mesmo que fechados, mas apenas imaginando o que ainda não conseguem ver. Quando as nossas bocas se colarem, para se recusarem largar, porque nos iremos alimentar do sabor de cada um, até que saborearmo-nos permaneça para nunca mais nos fugir. Quando o teu abraço me aninhar, e sentirmos porque nos amamos assim.

Será que sei o bastante, de ti? Será que tudo o que dizes saber de mim te basta? Ainda não, mas temos o resto das nossas vidas para descobrir, porque eu não vou a lugar nenhum, sem ti, e porque não te deixarei continuar, sem mim!

Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...