Para nós MÃES!


Giovanni Bellini - Madonna and Child, 1475, detail, Verona, Museo di Castelvecchio:
Feelme/Para nós Mães!

A Mãe que todas nós gostaríamos de ser, na verdade não existe!

Nós melhoramos, a cada dia, as que assim o desejam. Nós aprendemos, inventamos e conseguimos verdadeiros malabarismos, para sermos, estarmos, cuidarmos e termos o que faz falta aos seres que o nosso ser reconhece. Nós entendemos, as palavras não ditas, e as que ainda chegarão, porque os vamos construindo, a cada um dos que vimos nascer, dia a dia, todos os dias das nossas vidas.

A Mãe que gostaríamos de ser, por vezes deixa-nos desapontadas, quebradas, com uma sensação de impotência, porque nem sempre caminhamos pelos trilhos certos. A Mãe que eu procuro ser tem-me passado sentimentos dúbios, ora sinto que faço bem, e que chego onde faço falta, ora acordo e adormeço a sentir que não correspondi, que não soube o que dizer, ou que disse o contrário do que sentia.

Não existem planos, nem tabelas, ou sequer manuais. Nada parece ajudar, mas por vezes, as coisas mais pequenas ajudam imenso. Eu apoio-me nas outras mães. Falo com elas sobre o que aspiram e como se resolvem. Eu confio nas que usam as acções para cimentarem conselhos que, inevitávelmente, sempre teremos que dar. Sou mais uma, mesmo que por vezes saiba que faço bem mais do que muitas. Sou a mãe possível, a que aprendi e vou cosntruindo, para chegar a cada um dos meus, porque são diferentes, únicos e porque precisam de mim completa, segura e determinada. Não penso, especialmente, neste dia, porque todos os outros me pertencem, desde o dia em que decidi mudar os meus dias.

Para nós Mães, desejo que a força nunca nos abandone. Que saibamos amar, proteger e cuidar de quem apenas terá que ser feliz para nos fazer felizes!