As minhas e as tuas dores!




Existem feridas que demoram a sarar e que nunca vão doer da mesma maneira, não as tuas em mim e certamente que não as minhas em ti.

As minhas dores vêem de tudo o que fiz e do muito que não arrisquei fazer. As tuas terão cores próprias, envoltas em tempos e momentos que viveste. Nada se mistura quando a mistura provoca danos que não conseguimos reparar. Nada se reverte enquanto nos mantemos numa vida que já não é a nossa, olhando para o que deixámos terminar. Nada se cura se a ferida alastra demasiado e não identificamos a causa.

As minhas dores vão-me doer, a mim apenas, e nunca as irei querer tornar tuas, até porque não terias forma de as medir. As tuas dores, aos meus olhos, parecem ser bem maiores que a tua capacidade de lhes resistires e é por isso que nos deixamos a doer sozinhos.

Quando a verdade dói e quando a realidade te engole, o que sentes vai impedir-te de ver diferente e melhor, até o que ainda existe de bom. A solução será manteres a dor, guardando-a num lugar especial, porque pelo menos saberás que estás vivo. Quando for demasiado e achares que deves desistir, fá-lo sem acrescentares mais dor e apenas vive a tua realidade, a que conheces.

Das minhas dores cuido eu e deixo-te livre para sentires as tuas!