Era uma vez...

Photography:
Feelme/Era uma vez...

Era uma vez, num lugar cujo nome importa pouco, uma mulher com um nome igualmente sem importância. A mulher que ninguém via, não porque fosse pouco interessante, mas porque não se importava, o bastante, com nada que a envolvia. Achava que lhe bastava ser ela mesma, decidir, sozinha cada passo, tomando, nas suas mãos, o poder de recusar, de não querer e de não olhar.

Era uma vez, mais uma alma, daquelas que acredita não precisar de se dar, porque ninguém estará pronto para a receber. Vai ficando, no final da sua própria linha, mas na frente do que conhece, apenas ela, sempre ela, numa solidão que a envolve e confunde, mas da qual não consegue sair.

Era uma vez, num tempo que é este e que supostamente seria para quem já aprendeu a viver, uma vida que se vai perdendo, dia após dia, num vazio cheio de todos os barulhos que os outros criam e que ela acabou a aceitar.

Era uma vez, um amor que nunca conseguiu ver nascer, porque nunca o soube reconhecer. A promessa de nunca depender de ninguém, comandando um coração que acabou sozinho, porque o que não se enche e preenche, mata-se de um vazio que se agiganta.

Era uma vez, mais uma e mais outra mulher que se acabaram a juntar, num quase ritual de loucura e para o do qual nenhuma poderá, jamais sair...