27.8.16

Os dois lados da moeda!

Tips for taking baclikt phots. Q: OKish Useful, not stunning.:
Feelme/Os dois lados da moeda!
Pediram-me que escrevesse sobre o lado positivo de se estar só, de se ser apenas um a comandar o barco. Eu acedi, claro, mas na condição de o fazer baseada apenas na minha perspectiva, e dando uma achega ao lado negativo, porque na verdade ele também existe.

Estarmos sem parceiro é uma escolha e deve ser consciente, pesando todos os prós e contras e eles são, invariávelmente, muitos. O que é natural é procurarmos, encontrarmos e mantermos a nossa outra metade. O que está certo e faz sentido, é termos do nosso lado quem colmate as nossas falhas, acrescentando o que não sabemos fazer, e apagando os momentos que chegam sem que os dominemos. Por dois, será, por norma, mais fácil.

Quando sermos dois se torna impossível de suportar, regressar ao eu torna-se necessário para a sanidade mental e para o restaurar de almas cansadas. O primeiro passo é o arrumar do passado, perdoando, mesmo, a um e a outro. Aceitar que não somos perfeitos e que por vezes falhamos ver o óbvio, contribui para um continuar mais tranquilo. Depois da decisão tomada, mentalmente, há que a saber verbalizar, parando de adiar. Temos que ser capazes de enfrentar quem muito provávelmente se vai opôr, por não estar preparado, por se ter apropriado do que nunca lhe pertenceu, ou por puro medo de recomeçar. Quando a porta que sempre usámos para entrar e repousar do mundo, se fechar na direcção contrária, para a saída, teremos que usar de toda a força que somos feitos e encarar os dias, os mais dificeis e quase insuportáveis, que chegarão muitas vezes, mas com o tempo, a paz conquistada e a certeza de que estamos certos acabará por se instalar e depois, depois há que lutar com o mundo, sozinhos e mais expostos.

Estar sozinho, sobretudo quando se é mulher, obriga a uma cautela acrescida, a um recato que nos deixe pensar e repensar o que não correu bem. Se juntarmos a tudo isto o sermos mães, o que é pequeno amplia-se e o esforço que até já era enorme antes, agiganta-se e por vezes ameaça engolir-nos.

O depois, o passar do período negro, compensa tudo. Sermos nós a comandar, a decidir, a deitar a cabeça de forma tranquila, mesmo que exista muito por resolver, carrega-nos as baterias para mais. Não vou falar das trivialidades, do comando da televisão, dos banhos prolongados, das saídas à meia-noite para acudir a uma amiga, sem perguntas e cobranças. Não vou referir o dançar seminua e o rir à gargalhada sem olhares desaprovadores, porque tudo isso é entendível. O que quero referir é que estar sozinha deve ser uma preparação, uma formação contínua para o momento em que o deixaremos de estar. Estar sozinha será tão bom quanto conseguirmos manter-nos a sonhar pelo dia em que alguém chegará e ficará connosco, repondo o que se perdeu. Não o façam por terem desistido de ser feliz, encarem o agora como um depois melhor e procurem, sempre, até encontrarem, quem mude o que já conquistaram.

Desejo-vos muitas horas de colo, de risos, de afagar dos cabelo e de beijos genuínos. Espero que morram de um amor que não vos abandone e que vos prove que se ficaram, algures no tempo, sozinhos, é porque se estavam a preparar para serem finalmente dois. Isto é tudo o que sei, e até reconheço que não sei o bastante ainda, mas espero ter ajudado!


Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...