25.9.16

Estacas invisíveis!

Feelme/Estacas invisíveis! Etiquetas: Contos!
Imagem retirada da internet

Quando as sentes, às estacas, imponentes, espetadas bem dentro de ti, ensombrando-te uma existência outrora pacífica, transformas-te, sem que te apercebas e permites que te arranquem todos os pedaços que mais tarde te verás incapaz de reaver!

Não saberes de que forma poderás voltar a ser apenas tu, mata-te aos poucos, suga-te a alma, o ar e impede-te de raciocinar. O ciúme é uma agressão violenta, demasiado dolorosa para ser aceite como mais uma lição. O ciúme deixa-nos vulneráveis, frágeis e sem identidade. O ciúme é o oposto de tudo o que deveríamos sentir, a cada dia, para que nos pudéssemos tornar alguém melhor.

Foi assim com a Ana, e ver-se estirada no sofá que parecia espetar-lhe cada osso, recordando o telefonema que fora incapaz de evitar, fazia-a sentir que não haveria forma de continuar, que este estar não estando, lhe iria ser mortífero e que teria de parar de não fazer nada, encolhendo-se de cada vez que se lembrasse, porque lembrar fazia-lhe tão mal.

Os telefonemas eram desculpas, mas o risco que alguém apaixonado corre, para apenas ouvir a voz que lhe sossegará as entranhas, vai-se tornando estupidamente perigoso, sem limites de tempo, de velocidade ou sequer de loucura mais ou menos assumida. Telefonar para quem não poderá atender, recebendo outra voz, ensaiando desculpas às pressa, daquelas que soarão a tudo menos à realidade que se tenta esconder, é absurdo e tão doloroso para quem o faz, como para quem o recebe. Ficam, de ambos os lados, a mastigar uma relação a 3, culpando-se pelas indecisões, pelas mágoas e pelos amores que não parecem estar do lado certo, ou talvez até estejam, mas na dimensão errada.

Ana recordava-se bem do princípio de tudo aquilo. Recordava sobretudo a sua enorme instabilidade emocional, fruto de uma maternidade demasiado intensa. Esquecera-se de ser mulher e quando se olhara, nada do que reflectia quem conhecera antes. Até que... de repente chega uma lufada de ar fresco à vida do marido, uma funcionária nova, cheia de todos os atributos que lhe pareciam agora faltar.

Como se o amor precisasse de outros olhos que não os do coração. Já o dizia a raposa de Saint Exupery, ... "o essencial é invisível para os olhos..."

O essencial será também sabermos quando lutar, ou quando parar, deixando que a vida tome o seu curso, aquele que interrompemos, com ou sem qualquer consciência. O essencial é continuarmos a ser quem reconhecíamos, devolvendo-nos o que outros, algures, conseguiram tirar!

Publicação em destaque

Finais que sabem a recomeços!

Somos o fruto das nossas escolhas, até das que adiamos. Somos os lugares por onde passamos e cada uma das pessoas que nos marcam, mes...