O verso de ti serei eu?

" It isn't possible to love and part. You will wish that it was. You can transmute love, ignore it, muddle it, but you can never pull it out of you. I know by experience that the poets are right: love is eternal." ~ E.M. Forster, A Room with a View. Jenny Woods Photography 》:
Feelme/O verso de ti serei eu?Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet


Teremos, sempre, mas não me perguntem de que forma, o que fará falta a alguém, encaixando-nos, certinhos, como uma peça desenhada para o efeito, no outro, no que chega até nós, muitas vezes pela mão do desconhecido, contra tudo o que já acreditávamos saber, varrendo qualquer preconceito, lavando a alma de tanta mágoa e largando uma sensação de naturalidade e de prazer tranquilo. Tudo neste mundo animal vem aos pares e por isso o verso de mim existe e o verso de ti serei eu.

Vou vendo, com alguma tristeza, as lutas que parecem crescer em torno das nossas diferenças de sexos. Agora usa-se a ironia, a acidez, "deixamo-nos" conduzir por sinais errados e desatamos a generalizar, acusando sempre o outro pela nossa insegurança e infelicidade, mas a verdade é que numa relação terão que ser as duas a ajustarem-se às diferenças, procurando os pontos comuns, os lugares que os deixarão mais confortáveis, sendo razoáveis, o bastante, para que tudo o que foi ficando de fora se encaixe.

O crescimento emocional é o mais moroso e aparentemente não tem os mesmos ciclos que o físico. Andamos, quase todos, um pouco perdidos, à deriva, tentando agarrar-nos aos pedaços que vão largando os outros, mas que no final apenas servirão para que o frágil barco ande às voltas e jamais se aproxime da segurança da margem.

Sabem o que procuro há já algum tempo? Não é um príncipe montado num "cavalo branco", mas quem tenha conseguido crescer o bastante para saber que sou eu quando me encontrar. Quem me desejar, que me conquiste pelo que tenho de conquistável, não se mantendo apenas na pele que conhece, arriscando saber realmente o que me move e até onde.

Se eu encontrar um homem que tenha a metade que me falta. Um que já tenha percebido que comigo nada ficará por dizer ou fazer. Quem não tema a felicidade que a irreverência proporciona, adaptando-se à enorme loucura que será sempre deixar entrar outro ser na nossa vida, arriscando ter o coração partido em inúmeros pedaços. Tenho a certeza de que o saberei conduzir para que seja bem mais do que o que encontrei.

Nesta altura da minha vida não receio praticamente nada, apenas nunca conseguir saber, realmente, ao que sabe encontrar quem nos pertence. Tudo o resto é tão simples e adaptável que apenas basta que se queira e parece que na nossa era querer já é demasiado.