Quando nos vemos!

"Não veja as pétalas cair da rosa com tristeza. Saiba que, como a vida, às vezes as coisas devem desaparecer, antes que elas possam florescer novamente ...":
Feelme/Quando nos vemos! Etiquetas: Sentimentos!
Imagem retirada da internet


Quando nos vemos, a nós mesmos, cada passo, num chão que se pisa vezes sem conta, é mais real. Todo o nosso peso, o físico e o emocional, passa a ser verdadeiramente sentido e por vezes os outros ficam apenas a ocupar espaço!

Já consigo correr mais tempo, e cada momento que passo comigo, apenas comigo, deixa que me fale e me escute. Os meus finais de dia têm exactamente 1 hora que me pertence inteiramente e em que só me cruza a mente o que me fizer crescer em força.

O aqui e o agora não são fáceis de conseguir, mas é por ele que luto agora. Estamos sempre no ontem, no futuro que queremos apressar e aproveitamos muito pouco do que somos verdadeiramente, porque o somos apenas neste momento. Temos apenas o que estivermos a sentir e que até pode ser dor, mas é real, não passou nem está para chegar.

O presente é o que me esforço por viver e em cada presente, cresço mais um pouco, esperando que o futuro chegue de forma mais natural.

O presente é o que tenho para decidir, e se tiver rasgos do passado, que seja apenas para fundamentar o que não quero repetir.

O presente é com quem estiver realmente comigo, porque não tenho forma de mudar os seus passados e não sei se terei tempo para os acolher no meu futuro.

Quando nos vemos e conhecemos, sabemos como iremos reagir a cada situação, de que forma poderemos amar, ou não, quem se cruzar connosco, por onde iniciaremos cada projecto, e até onde iremos para não desistir dos sonhos. É um caminho que nem todos conseguem trilhar, e que os vai deixando amargos para o resto de todos os minutos e horas em que terão que viver com eles mesmos. Visto assim parece um castigo, uma enorme tormenta, mas nós somos o fruto das nossas escolhas, e é por isso que documento as minhas, e que mesmo quando me fazem doer, percebo porque o fiz, onde queria chegar, e de quem cuidava, realmente.

Só quem já lá chegou. Só quem consegue sentir o sangue a correr, o ar a passar e os cabelos em cada toque que depositam quando voam livres, poderá saber do que falo eu e o prazer que o nosso prazer nos confere, até nas quedas.

Quando nos vemos, sabemos, e ninguém poderá mudar o que já somos!